Links

O ESTADO DA ARTE


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes


Vista de exposição Álbum de Família, MAAT. © Bruno Lopes

Outros artigos:

2024-07-13


JÚLIA VENTURA, ROSTO E MÃOS
 

2024-05-25


NAEL D’ALMEIDA: “UMA COISA SÓ É GRANDE SE FOR MAIOR DO QUE NÓS”
 

2024-04-23


ÁLBUM DE FAMÍLIA – UMA RECORDAÇÃO DE MARIA DA GRAÇA CARMONA E COSTA
 

2024-03-09


CAMINHOS NATURAIS DA ARTIFICIALIZAÇÃO: CUIDAR A MANIPULAÇÃO E ESMIUÇAR HÍPER OBJETOS DA BIO ARTE
 

2024-01-31


CRAGG ERECTUS
 

2023-12-27


MAC/CCB: O MUSEU DAS NOSSAS VIDAS
 

2023-11-25


'PRATICAR AS MÃOS É PRATICAR AS IDEIAS', OU O QUE É ISTO DO DESENHO? (AINDA)
 

2023-10-13


FOMOS AO MUSEU REAL DE BELAS ARTES DE ANTUÉRPIA
 

2023-09-12


VOYEURISMO MUSEOLÓGICO: UMA VISITA AO DEPOT NO MUSEU BOIJMANS VAN BEUNINGEN, EM ROTERDÃO
 

2023-08-10


TEHCHING HSIEH: HOW DO I EXPLAIN LIFE AND CHANGE IT INTO ART?
 

2023-07-10


BIENAL DE FOTOGRAFIA DO PORTO: REABILITAR A EMPATIA COMO UMA TECNOLOGIA DO OUTRO
 

2023-06-03


ARCOLISBOA, UMA FEIRA DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM PERSPETIVA
 

2023-05-02


SOBRE A FOTOGRAFIA: POIVERT E SMITH
 

2023-03-24


ARTE CONTEMPORÂNEA E INFÂNCIA
 

2023-02-16


QUAL É O CINEMA QUE MORRE COM GODARD?
 

2023-01-20


TECNOLOGIAS MILLENIALS E PÚBLICO CONTEMPORÂNEO. REFLEXÕES SOBRE A EXPOSIÇÃO 'OCUPAÇÃO XILOGRÁFICA' NO SESC BIRIGUI EM SÃO PAULO
 

2022-12-20


VENEZA E A CELEBRAÇÃO DO AMOR
 

2022-11-17


FALAR DE DESENHO: TÃO DEPRESSA SE COMEÇA, COMO ACABA, COMO VOLTA A COMEÇAR
 

2022-10-07


ARTISTA COMO MEDIADOR. PRÁTICAS HORIZONTAIS NA ARTE E EDUCAÇÃO NO BRASIL
 

2022-08-29


19 DE AGOSTO, DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA
 

2022-07-31


A CULTURA NÃO ESTÁ FORA DA GUERRA, É UM CAMPO DE BATALHA
 

2022-06-30


ARTE DIGITAL E CIRCUITOS ONLINE
 

2022-05-29


MULHERES, VAMPIROS E OUTRAS CRIATURAS QUE REINAM
 

2022-04-29


EGÍDIO ÁLVARO (1937-2020). ‘LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES’
 

2022-03-27


PRATICA ARTÍSTICA TRANSDISCIPLINAR: A INVESTIGAÇÃO NAS ARTES
 

2022-02-26


OS HÁBITOS CULTURAIS… DAS ORGANIZAÇÕES CULTURAIS PORTUGUESAS
 

2022-01-27


ESPERANÇA SIGNIFICA MAIS DO QUE OPTIMISMO
 

2021-12-26


ESCOLA DE PROCRASTINAÇÃO, UM ESTUDO
 

2021-11-26


ARTE = CAPITAL
 

2021-10-30


MARLENE DUMAS ENTRE IMPRESSIONISTAS, ROMÂNTICOS E SUMÉRIOS
 

2021-09-25


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
 

2021-08-16


MULHERES ARTISTAS: O PARADOXO PORTUGUÊS
 

2021-06-29


VIVER NUMA REALIDADE PÓS-HUMANA: CIÊNCIA, ARTE E ‘OUTRAMENTOS’
 

2021-05-24


FRESTAS, UMA TRIENAL PROJETADA EM COLETIVIDADE. ENTREVISTA COM DIANE LINA E BEATRIZ LEMOS
 

2021-04-23


30 ANOS DO KW
 

2021-03-06


A QUESTÃO INDÍGENA NA ARTE. UM CAMINHO A PERCORRER
 

2021-01-30


DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE
 

2020-12-29


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO - PARTE II
 

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

ÁLBUM DE FAMÍLIA – UMA RECORDAÇÃO DE MARIA DA GRAÇA CARMONA E COSTA

JOANA CONSIGLIERI

2024-04-23




 

My careful heart was free again, —
O friend, my bosom said,
Through thee alone the sky is arched,
Through thee the rose is red,
All things through thee take nobler form,
And look beyond the earth,
And is the mill-round of our fate
A sun-path in thy worth.

Emerson, R. W. (1993, p. 39) Friendship

 


Álbum de Família.

Um gosto. Uma memória. Uma família.

Da recordação, vislumbramos a possibilidade de um caminho e de uma narrativa por imagens no mundo das Artes em Portugal. Maria da Graça Carmona e Costa edifica por uma história de imagens uma narrativa estética que vislumbra um gosto muito peculiar, em que tece entre suaves fios de seda a passagem pela arte contemporânea. Presencia-se um gesto e um gosto na experiência artística, mais do que uma coleção, reflete-se uma intensa jornada da atividade da colecionadora e o seu amor pela arte, que se desenlaça em galerista (Giefarte), colecionadora e mecenas (Fundação Carmona e Costa [FCC]). Assim, mergulhamos através do seu olhar num tempo suspenso na arte, onde no gesto vibra a memória, do seu olhar, o outro.

A dinâmica da liberdade de escolha que espelha um gosto de um colecionador viabiliza múltiplas questões sobre a “lógica de um colecionador” (Groys, 1993). Viajamos sobre um discurso fragmentado por imagens que representam a unidade de um gosto e a idealização estética da colecionadora. A operação de construir um discurso a partir de uma coleção permite ao espectador sentir para além do discurso estético, do valor da obra de arte, ou mesmo, do mercado artístico. Maria da Graça Carmona e Costa revela-nos através das suas escolhas, o gesto, a memória de um tempo e o momento sensível dessa seleção. Para cada obra de arte, vibra a experiência estética do olhar de quem perceciona o interesse pela experiência do sentir.

Maria da Graça aspirava a possibilidade de querer contribuir para uma mudança qualitativa do mundo da arte portuguesa, tanto na perceção como no gosto. Esboçou um caminho muito próprio de uma enorme sensibilidade artística, que se aproxima da sensação da criação, esboça uma narrativa por imagens artísticas, que pretendem desafiar o olhar estético contemporâneo por um gesto subtil magnânimo.

Através de Álbum de Família, somos convidados a experimentar o seu olhar estético, sentimos o outro, que faz parte da sua família. Desdobra-se, desta forma, por vários caminhos dos quais Maria da Graça viveu e presenciou nos seus últimos 50 anos.

Apresentam-se quatro momentos principais de exposições de obras de arte – um no edifício Central do MAAT, outros dois momentos na sede da Fundação Carmona e Costa e um outro na Appleton [Box]. Em diferentes contextos e experiências artísticas, divergentes em obras de arte, estilos e artistas.

No MAAT, convoca-se à fruição estética expandida por um diálogo de séries dos artistas. A comunicação germina com a contemplação artística dos catálogos, num registo, uma memória, uma forma em dialogar com o espectador. Na exposição, os artistas relacionam-se entre si como uma espécie de simbiose estética, de modo a estabelecerem uma conversa espacial da fruição. A exposição é pensada no encadeamento entre os artistas, mas também no modo de ver uma coleção, entre artistas e entre séries.

Fruímos a convergência estética das séries com a obra de arte singular, estabelecendo, deste modo, o prazer da fruição de uma obra de arte na coleção.

No espaço, temos um diálogo estético, a título de exemplo, contemplamos os desenhos de Rui Chafes com os de Pedro Calapez, que se encontram opostos na mesma sala. Os desenhos de Pedro Cabrita Reis que comunicam numa pequena sala interior com o seu specific object; as aguarelas de João Queirós, que percorrem um determinado espaço; a tapeçaria de Ilda David que atravessa uma sala; as duas esculturas de Manuel Rosa que emergem entre séries e a obra de José Pedro Croft; as duas cabeças de Rui Sanches que se destacam entre pinturas; e a instalação de Pedro Valdez Cardoso rodeada por desenhos de Francisco Tropa.

Na Fundação Carmona e Costa, parte I e II, somos impelidos a olhar para os detalhes e pormenores. Cada obra segue-se uma à outra numa narrativa da sensibilidade como se de uma ordem se estabelecesse, depois da desordem do impulso sensível da aquisição. Presenteia-nos quase como uma parte do todo de uma coleção.

As imagens narram a sua história. Destacam-se a obra Mapa de Maria José de Oliveira ou trabalhos fotográficos de Jorge Molder. As pequenas esculturas de Miguel Branco que se misturam na coleção da Fundação, tal como em “Poço #9” de Rui Horta Pereira, que comunica entre cerâmicas. O negro circular da Cristina Ataíde narra com a instalação de Moirika Reker e Gilberto Reis. O informe ecoa lado a lado, da pintura de Michael Biberstein para a de Catarina Pinto Leite. Num gesto expressivo do vazio de Graça Pereira Coutinho vibra em contraponto com a cor “não-cor” de Fernando Calhau. Porventura, sobressai-nos como vento ou sinais a delicada escultura de madeira de Alberto Carneiro, mas também, conjuntos de obras como as de Pedro Chorão ou a instalação-escultórica de Rui Matos.

 

Vista da exposição Álbum de Família - Obras da Coleção Fundação Carmona e Costa, Appleton [Box]. © Pedro Tropa

 

No espaço da Appleton [Box], temos uma visão mais documental, entre registos, cartazes, pequenos livros de autor ou de artista, impressões ou portefólios, folheamos pormenores de alguns artistas da coleção.

Apresenta-se, assim, um modo de ver e de contemplar os pensamentos, formas, matérias, registos ou vestígios do interior do ser. O maior desafio sem dúvida da parte dos curadores João Pinharanda e Manuel Costa Cabral seria como compor as múltiplas imagens (obras de arte), que expressam mais do que um gosto ou uma memória, mas um tempo alegórico de uma sensibilidade.

 

Vista da exposição Álbum de Família - Obras da Coleção Fundação Carmona e Costa, Appleton [Box]. © Pedro Tropa

 

Maria de Graça presenteia-nos com o seu gosto em obras seriais ou minimais, das quais contemplamos, por exemplo, através de Francisco Tropa, Rui Chafes, Pedro Calapez, Maria Capelo ou António Poppe. Ou seleciona a obra por narrativas de cada artista como em Jorge Santos, Paulo Brighenti, Jorge Martins, Helena Almeida, Lourdes Castro, Teresa Segurado Pavão ou Maria Pia Oliveira.

Assim, o amor pela obra de arte é desvelado nos seus múltiplos gestos, que expressam as suas ideias, convicções e valores da sua história pessoal, num tom muito singular. Uma ordem que se apresenta mais na desordem de estilos e de pensamentos, nos diferentes artistas, desafiando, desta forma, os sistemas do mercado de arte, confina em recordações da sua vida pessoal e profissional. Oferece-nos uma visão muito própria de uma colecionadora, como sustenta Benjamin (1987, p. 228) “a existência do colecionador é uma tensão dialética entre os polos da ordem e da desordem”.

Descobrem-se caminhos de um passado que nos incide perante os olhos. Estamos, portanto, diante de uma coleção que se definiu como uma pintura moderna numa forma de “pensamento por imagens”:

 

[a] pintura moderna, isto é, o cinematógrafo, isto é, formas que caminham em direção à palavra; muito exatamente, uma forma que pensa. (Godard. [1998]. Histoire(s) du cinema, pp. 54-55)

 

Através das obras de arte, encontramos trilhos de ideias delineados pela colecionadora. Segundo Benjamin (2013, p. 22), “as ideias relacionam-se com as coisas como as constelações com as estrelas”. A magia desta metáfora leva-nos a intuir que Álbum de Família se desenlaça em si na incompletude do espectador entender as várias manifestações do pensamento subjacente da colecionadora quando adquire uma dada obra de arte.

Maria da Graça Carmona e Costa flutua na sensibilidade das ideias, o que lhe confere mais a um estado sensível e poético da perceção. A História da Arte passa a ser reescrita num outro formato, o da sensibilidade emocional, ou melhor “uma história da sensibilidade estética”. Lembra-nos de outro modo, talvez mais próximo de uma metáfora da qual citamos “uma História de Arte sem palavras” de Aby Warburg para a sua coleção Mnemosyne “O Atlas de Imagens” (Bilderatlas), onde a História da Arte se converte mais num espírito multidimensional de antropologia visual, na qual Didi-Huberman descreve como um espírito que oferece e abre “balizas visuais não de uma história da Arte, mas de uma memória impensada da história” (Didi-Huberman, 2010, Atlas. How to carry the world on one’s back?).

 

 


Joana Consiglieri
Vive e trabalha em Lisboa. Artista plástica, teórica de arte, investigadora, professora do ensino superior e Design (Cocriadora de AMAZ’D art studio). Doutoramento em Ciências da Arte. Mestrado em Teorias da Arte e licenciada em Artes Plásticas – Escultura.