Links


ARTES PERFORMATIVAS


'CONTRA O MEDO' EM 2023 - ENTREVISTA COM TEATROMOSCA

LIZ VAHIA E TEATROMOSCA

2023-01-11



 

 

Ciclone, de Leonor Cabral e LAMA Teatro. © Vitorino Coragem

 

 

O teatromosca é uma companhia de teatro fundada em Sintra em 1999. O seu trabalho mais recente desenvolveu-se em torno da fusão entre as linguagens cinematográficas e as teatrais – “Ned Kelly” (2020), espetáculo vencedor do Prémio Autores para melhor trabalho cenográfico, “Estúdio: Flores” (2020), “Maridos” (2021) e “A Ilha de Morel” (2022). Foi considerado pelo Jornal Expresso como "um dos mais interessantes, honestos e originais grupos de teatro portugueses". Em 2011 iniciou o projeto editorial, moscaMORTA, que visa publicar textos originais de novos dramaturgos portugueses. Desde 2015, organiza, anualmente, o MUSCARIUM - festival de artes performativas em Sintra, e, desde 2017, é responsável pela programação e gestão do AMAS – Auditório Municipal António Silva, em Agualva-Cacém. Paralelamente, desenvolve um conjunto de projetos de intervenção comunitária, envolvendo artistas e públicos na produção e fruição das suas muitas atividades.

“Contra o medo” é o mote que guiará o ciclo de programação para 2023 e foi a esse propósito que a Artecapital falou com Pedro Alves e Maria Carneiro, directores artísticos do teatromosca, sobre o tema e o já longo percurso da companhia e suas diversas actividades. O que propõem como abordagem para este ano é mais que certeiro, tendo em conta a situação actual geopolítica, financeira e quotidiana de cada um de nós: “Num período histórico devoto à velocidade, queremos investir na suspensão do movimento vertiginoso como um ato de coragem para olhar o mundo, prestar atenção às pessoas, refletir.” Segundo os directores artísticos, essa “atenção” passa também por combater “o medo de arriscar, o receio de experimentar algo novo, de fazer as coisas de um modo diferente daquele que era habitual, de nos encontrarmos com outros que ainda não conhecíamos, de tornar familiar o estranho e de tornar estranho o que tínhamos como familiar.”

A programação para 2023 já está disponível no website da companhia, iniciando-se já no dia 19 de Janeiro com o espectáculo “CICLONE”, criação de Leonor Cabral e LAMA Teatro.

 

 

:::

 


O teatromosca tem um trajecto longo e diversificado em termos de actividades. Que balanço fazem desse percurso?
Como foi trabalhar na zona de Sintra? Sentem que o contexto social e cultural se alterou desde o início do projecto em 1999 até à actualidade?

O teatromosca tem procurado afirmar-se, cada vez mais, como estrutura de criação e programação artística atenta às realidades líquidas em que vamos vivendo. Criada no concelho de Sintra no final da década de 1990 - período de forte investimento na Cultura de que serão bons exemplos o facto de Lisboa ter sido Capital Europeia da Cultura ou de Portugal ter acolhido a Exposição Mundial de 1998, e em que surgiram vários novos coletivos na área do Teatro ou da Dança, tanto local, como nacionalmente -, a companhia tem-se mantido permeável às transformações que vão ocorrendo (em Portugal, na Europa...), ao mesmo tempo que vai dialogando, quase sempre de um modo crítico, com os contextos sociais e culturais em que vai atuando. Se, inicialmente, nos assumíamos, exclusivamente, como produtores e criadores teatrais, aos poucos, o trabalho do teatromosca foi expandindo-se para outros “territórios”, outras geografias, de facto, mas investindo também na criação de objetos que cruzavam diferentes disciplinas artísticas e apostando no desenvolvimento de um conjunto de outros projetos de intervenção comunitária. Nesse sentido, fez-nos sentido passar a organizar conferências, workshops, realizar projetos com crianças, jovens, pessoas com deficiência, com a população sénior, a estabelecer parcerias, intercâmbios e coproduções com entidades públicas e privadas nacionais e internacionais, organizar um festival anual de artes performativas ou passar a gerir e programar um auditório municipal na cidade de Agualva-Cacém. Tudo isto, mantendo sempre focados na criação de um reportório artístico que entende o território que habitamos como uma espécie de observatório privilegiado dos novos impasses, desafios e tensões que se colocam à experiência urbana contemporânea. Entendemos que Sintra deve constituir-se como centro de irradiação cultural para todo o país. Assim, pretendemos afirmar o teatromosca como estrutura capaz de servir o circuito artístico nacional e internacional, procurando a diversidade de públicos, de ligações artísticas e de produção e de estratégias de implantação.

 

Look Back in Anger, pela Companha da Esquina. © Companha da Esquina

 


Desde 2017 que fazem a gestão do AMAS - Auditório Municipal António Silva, onde apresentam regularmente espetáculos. Presumo que o contacto com outras companhias seja também muito frutífero para o vosso trabalho como artistas. Como é que conciliam essa actividade de programação com a de criação?

A partir de determinada altura, pelo volume de trabalho que tínhamos, pela sua especificidade – os processos criativos, por exemplo, eram cada vez mais demorados e exaustivos -, pela dimensão e pela diversidade das atividades que desenvolvíamos, tendo em conta as redes que vínhamos a construir com outras companhias e artistas, atendendo ainda aos diferentes públicos que nos iam acompanhando, começámos a sentir uma certa urgência em possuir um espaço de ensaios adaptado às nossas necessidades e mais urgente ainda era a vontade de gerir um espaço de programação que nos permitisse trazer para o concelho de Sintra e, mais especificamente, para a cidade de Agualva-Cacém, propostas artísticas com as quais nos identificávamos ou que entendíamos que fazia falta trazer aqui. E, desta forma, ao mesmo tempo que passámos a ter capacidade para acolher com regularidade aqueles que já nos acolhiam, pudemos ainda aprofundar relação com outros coletivos e outros artistas, dando-nos a possibilidade de conhecer melhor outras formas de criar e produzir, outros modos de ver o mundo. Tem sido muito importante continuarmos a crescer em contacto com outros, aprendendo com eles, dialogando, discutindo, refletindo, entrando muitas vezes em conflito, procurando soluções, alternativas, juntos. Contudo, essa vertente de programação que já vínhamos a ensaiar, pelo menos, desde a primeira edição do festival MUSCARIUM, em 2015, trouxe enormes desafios. A equipa começou por estar sobrecarregada, tínhamos demasiado trabalho e éramos poucos, o orçamento era curto e a estrutura teve que crescer muito rapidamente, os orçamentos duplicavam de ano para ano, a equipa nuclear duplicou. Assim, num curto espaço de tempo, a companhia passou de ser, quase exclusivamente, criadora, também a programadora, e a complexidade do nosso trabalho aumentou muito, exigindo enorme flexibilidade e uma predisposição diferente para novas aprendizagens, e para a adoção de novas metodologias e alterações nos processos. Aqui pelo meio houve uma crise pandémica, à qual a companhia reagiu rapidamente, produzindo e acolhendo espetáculos transmitidos em live streaming - recorrendo às competências que tínhamos vindo a acumular nos últimos anos com o trabalho em torno, especificamente, do vídeo - e continuando a nossa ação em projetos de intervenção comunitária, nomeadamente o Teatro Duas Senas e o Grupo de Teatro Sénior. Dizer, por fim, que a responsabilidade de gestão e definição de programação de um auditório municipal nos satisfaz muito, ao mesmo tempo que representa um importante desafio que só é possível graças à colaboração de todos os que nos acompanham e se vão juntando a nós.

 

Provavelmente Saramago, pela Musgo Produção Cultural. © Danilo Ferrara

 


O teatromosca organiza também o MUSCARIUM, festival de artes performativas, cuja 9ª edição vai ter lugar de 2 de setembro a 1 de outubro em Sintra. Como é que surgiu a ideia de um festival? Veio colmatar algo que não é possível numa programação “regular”, algo mais experimental, mais arrojado?

Quando desenhámos a primeira edição do MUSCARIUM pensávamos, precisamente, no AMAS - Auditório Municipal António Silva, espaço cultural sintrense que, atualmente, gerimos. O auditório estava subaproveitado. A autarquia não tinha recursos (humanos e financeiros) para assegurar uma programação regular, constante e diversificada deste equipamento. A sua abertura dependia cada vez mais da nossa iniciativa. Eram raríssimas as vezes em que a sala abria para acolher um espetáculo. E nós tínhamos já estabelecida uma significativa rede de contactos com outros artistas e coletivos, nacionais e internacionais, que pretendíamos acolher em Sintra. Decidimos então criar um festival que nos permitiria, durante um curto período temporal, contribuir também para a formação de públicos numa zona de alta densidade populacional, mas que sentíamos (e sentimos ainda) que tinha (tem!) escassa oferta cultural. Depois, seria também uma importante forma de promovermos o diálogo entre artistas e companhias, assim como, destes com os públicos que já nos acompanhavam e outros que esperávamos vir a alcançar. Nos primeiros anos, os espetáculos e atividades paralelas concentraram-se na cidade de Agualva-Cacém. Passaríamos a integrar espetáculos de dança e música, promoveríamos ações de formação e organizaríamos exposições, e, a partir do momento em que começámos a programar o AMAS ao longo de todo o ano, passámos então a estilhaçar as atividades do festival por diversos espaços do concelho e começámo-nos a questionar em relação aos objetivos do MUSCARIUM. Faria sentido continuar com o festival nos moldes em que o vínhamos a realizar? Em 2022, decidimos mudar um pouco as coisas e apostámos na construção de um espaço que privilegiasse a criação e a experimentação artística, promovendo várias residências artísticas em diferentes espaços do concelho de Sintra. Desde o ano passado, convidamos artistas e companhias de distintas áreas como o Teatro, a Dança, a Música, a Performance, para virem para Sintra criar os seus projetos, não importa em que fase de criação/produção possam estar. Por vezes, as ideias para um novo espetáculo vão surgindo aqui, na sala de um museu em Rio de Mouro, uma coreografia começa a ser esboçada numa galeria de arte em Sintra, um espetáculo de teatro passa pela última fase de ensaios num auditório em Queluz, uma performance estreia numa praça de Mem-Martins, ao mesmo tempo que podemos ter um concerto dentro da carruagem de um comboio na linha de Sintra... Acreditamos que, deste modo, estamos a criar espaço para a experimentação artística, a dar condições de trabalho para os artistas (na sua grande maioria, jovens) desenvolverem os seus projetos e para os públicos terem acesso privilegiado a essas diferentes fases dos processos criativos. Por enquanto, a aposta do festival vai neste sentido, ao mesmo tempo que continuamos a acolher alguns espetáculos em vários espaços do concelho.

 

Ode Marítima Remix, pela Companhia João Garcia Miguel. © Mário Campos Raínha

 


O vosso ciclo de programação para 2023 tem como título “contra o medo”. Querem explicar melhor o que pretendem com este mote?

Claramente, é uma tomada de posição em relação ao caos que se apoderou da Europa (do mundo?). Os regimes ditatoriais proliferam. As formas de expressão que propagam, incitam, promovem ou procuram justificar a intolerância e o ódio vão-se propagando. Assim, tomamos para nós as palavras de Shakespeare - “Os cobardes morrem várias vezes antes da sua morte, mas os corajosos experimentam a morte apenas uma vez.” - e decidimos conceber um plano de atividades que se reveste de “coragem”, como ação do coração, cruzando-se ainda com as ideias de Zygmunt Bauman: “Sem humildade e coragem não há amor. Estas duas qualidades são exigidas, em escalas enormes e contínuas, quando se entra numa terra inexplorada e não-mapeada. E é a esse território que o amor nos leva ao se instalar entre dois ou mais seres humanos.” Num período histórico devoto à velocidade, queremos investir na suspensão do movimento vertiginoso como um ato de coragem para olhar o mundo, prestar atenção às pessoas, refletir. Assim, se vamos criar espetáculos para o público infantojuvenil onde se manifesta o desejo de falar sobre os medos, de uma criança e de um homem idoso, numa coprodução com os nossos amigos do Teatro Art’Imagem, da Maia, e do La Tête Noire, La Compagnie, companhia de teatro de Órleans (França), ou se levaremos a cena o texto inédito em Portugal da aclamada escritora austríaca Elfried Jelinek, “Os Protegidos”, em coprodução com o Theatro Circo de Braga e o Colectivo Glovo, numa acutilante e atualíssima reflexão sobre os refugiados, se construiremos um projeto com o LAMA Teatro que terá a Revolução do 25 de Abril de 1974 como pano de fundo, e outras propostas em colaboração com o Teatro do Silêncio, o Teatrão, O Fim do Teatro, a Hipérion Projeto Teatral, o coletivo francês Les Bâtards Dorées, a companhia finlandesa Kekäläinen & Company, também é certo que pretendemos combater ainda o medo de arriscar, o receio de experimentar algo novo, de fazer as coisas de um modo diferente daquele que era habitual, de nos encontrarmos com outros que ainda não conhecíamos, de tornar familiar o estranho e de tornar estranho o que tínhamos como familiar.

 
Querem destacar alguns dos espectáculos que vamos poder ver na programação de 2023?

Não seria leal da nossa parte, para os artistas que convidamos para aqui apresentarem os seus trabalhos e para os espetadores que queremos que venham assistir a uma programação, assumidamente, eclética e heterogénea, que aqui destacássemos apenas algumas de entre as dezenas de propostas que vamos ter no AMAS e na edição de 2023 do festival MUSCARIUM. Boa parte da programação do AMAS já está disponível para consulta no nosso site e, em breve, serão anunciadas todas as atividades do festival.

 

 

:::

 

 

Pedro Alves nasceu em Sintra, em 1979. Cofundador e diretor artístico do teatromosca, onde tem desempenhado funções de ator, encenador e produtor. Licenciado em Estudos Artísticos, na variante de artes do espetáculo, e Mestre em Estudos de Teatro pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. Frequentou ações de formação na área da gestão cultural, produção, encenação, gestão de projetos e recursos humanos e animação sociocultural, entre outras. Desempenhou funções de formador e encenador do Grupo de Teatro da Faculdade de Farmácia de Lisboa. Colaborou com o Quorum Ballet em diversos espetáculos na função de dramaturgista. No teatromosca, dirigiu, entre outros, os espetáculos “Dog Art”, “Kip”, “As Três Vidas de Lucie Cabrol”, “Europa”, “Tróia”, “Moby-Dick”, “O Som e a Fúria”, “Fahrenheit 451”, “Kif-Kif”, “O Deus das Moscas”, “Ned Kelly”, “Maridos” ou o projeto “MODOS DE VER”.

Maria Carneiro nasceu no Porto, em 1988. Desde 2014 colabora com o teatromosca tendo, em abril de 2022, assumido as funções de codiretora artística da companhia. Entre 2016 e 2022 foi coordenadora de produção do Teatro da Trindade INATEL, e assessora da direcção, a partir de 2019. Em 2019, completou o MMIAM – Master of Management in International Arts Management, que teve lugar em seis países e cinco universidades. Foi assistente de encenação de Kirsten Delholm na companhia dinamarquesa Hotel Pro Forma e estagiou no The Centre for Performance Research no País de Gales. Tem produzido críticas e artigos para diversas publicações nacionais e internacionais, na área das artes performativas.

 

 




Outros artigos:

2023-01-11


'CONTRA O MEDO' EM 2023 - ENTREVISTA COM TEATROMOSCA
 

2022-12-06


SAIR DE CENA – UMA REFLEXÃO SOBRE VINTE ANOS DE TRABALHO
 

2022-11-06


SAMOTRACIAS: ENTREVISTA A CAROLINA SANTOS, LETÍCIA BLANC E ULIMA ORTIZ
 

2022-10-07


ENTREVISTA A EUNICE GONÇALVES DUARTE
 

2022-09-07


PORÉM AINDA. — SOBRE QUASE UM PRAZER DE GONÇALO DUARTE
 

2022-08-01


O FUTURO EM MODO SILENCIOSO. SOBRE HUMANIDADE E TECNOLOGIA EM SILENT RUNNING (1972)
 

2022-06-29


A IMPORTÂNCIA DE SER VELVET GOLDMINE
 

2022-05-31


OS ESQUILOS PARA AS NOZES
 

2022-04-28


À VOLTA DA 'META-PERSONAGEM' DE ORGIA DE PASOLINI. ENTREVISTA A IVANA SEHIC
 

2022-03-31


PAISAGENS TRANSDISCIPLINARES: ENTREVISTA A GRAÇA P. CORRÊA
 

2022-02-27


POÉTICA E POLÍTICA (VÍDEOS DE FRANCIS ALŸS)
 

2022-01-27


ESTAR QUIETA - A PEQUENA DANÇA DE STEVE PAXTON
 

2021-12-28


KILIG: UMA NARRATIVA INSPIRADA PELO LOST IN TRANSLATION DE ANDRÉ CARVALHO
 

2021-11-25


FESTIVAL EUFÉMIA: MULHERES, TEATRO E IDENTIDADES
 

2021-10-25


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO
 

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS