Links

ENTREVISTA


Carolyn Christov-Bakargiev

Outras entrevistas:

FABÍOLA PASSOS



INÊS TELES



LUÍS ALVES DE MATOS E PEDRO SOUSA



PAULO LISBOA



CATARINA LEITÃO



JOSÉ BRAGANÇA DE MIRANDA



FÁTIMA RODRIGO



JENS RISCH



ISABEL CORDOVIL



FRANCISCA ALMEIDA E VERA MENEZES



RÄ DI MARTINO



NATXO CHECA



TERESA AREGA



UMBRAL — ooOoOoooOoOooOo



ANA RITO



TALES FREY



FÁTIMA MOTA



INÊS MENDES LEAL



LUÍS CASTRO



LUÍSA FERREIRA



JOÃO PIMENTA GOMES



PEDRO SENNA NUNES



SUZY BILA



INEZ TEIXEIRA



ABDIAS NASCIMENTO E O MUSEU DE ARTE NEGRA



CRISTIANO MANGOVO



HELENA FALCÃO CARNEIRO



DIOGO LANÇA BRANCO



FERNANDO AGUIAR



JOANA RIBEIRO



O STAND



CRISTINA ATAÍDE



DANIEL V. MELIM _ Parte II



DANIEL V. MELIM _ Parte I



RITA FERREIRA



CLÁUDIA MADEIRA



PEDRO BARREIRO



DORI NIGRO



ANTÓNIO OLAIO



MANOEL BARBOSA



MARIANA BRANDÃO



ANTÓNIO PINTO RIBEIRO E SANDRA VIEIRA JÜRGENS



INÊS BRITES



JOÃO LEONARDO



LUÍS CASTANHEIRA LOUREIRO



MAFALDA MIRANDA JACINTO



PROJECTO PARALAXE: LUÍSA ABREU, CAROLINA GRILO SANTOS, DIANA GEIROTO GONÇALVES



PATRÍCIA LINO



JOANA APARÍCIO TEJO



RAÚL MIRANDA



RACHEL KORMAN



MÓNICA ÁLVAREZ CAREAGA



FERNANDA BRENNER



JOÃO GABRIEL



RUI HORTA PEREIRA



JOHN AKOMFRAH



NUNO CERA



NUNO CENTENO



MEIKE HARTELUST



LUÍSA JACINTO



VERA CORTÊS



ANTÓNIO BARROS



MIGUEL GARCIA



VASCO ARAÚJO



CARLOS ANTUNES



XANA



PEDRO NEVES MARQUES



MAX HOOPER SCHNEIDER



BEATRIZ ALBUQUERQUE



VIRGINIA TORRENTE, JACOBO CASTELLANO E NOÉ SENDAS



PENELOPE CURTIS



EUGÉNIA MUSSA E CRISTIANA TEJO



RUI CHAFES



PAULO RIBEIRO



KERRY JAMES MARSHALL



CÍNTIA GIL



NOÉ SENDAS



FELIX MULA



ALEX KATZ



PEDRO TUDELA



SANDRO RESENDE



ANA JOTTA



ROSELEE GOLDBERG



MARTA MESTRE



NICOLAS BOURRIAUD



SOLANGE FARKAS



JOÃO FERREIRA



POGO TEATRO



JOSÉ BARRIAS



JORGE MOLDER



RUI POÇAS



JACK HALBERSTAM



JORGE GASPAR e ANA MARIN



GIULIANA BRUNO



IRINA POPOVA



CAMILLE MORINEAU



MIGUEL WANDSCHNEIDER



ÂNGELA M. FERREIRA



BRIAN GRIFFIN



DELFIM SARDO



ÂNGELA FERREIRA



PEDRO CABRAL SANTO



CARLA OLIVEIRA



NUNO FARIA



EUGENIO LOPEZ



JOÃO PEDRO RODRIGUES E JOÃO RUI GUERRA DA MATA



ISABEL CARLOS



TEIXEIRA COELHO



PEDRO COSTA



AUGUSTO CANEDO - BIENAL DE CERVEIRA



LUCAS CIMINO, GALERISTA



NEVILLE D’ALMEIDA



MICHAEL PETRY - Diretor do MOCA London



PAULO HERKENHOFF



CHUS MARTÍNEZ



MASSIMILIANO GIONI



MÁRIO TEIXEIRA DA SILVA ::: MÓDULO - CENTRO DIFUSOR DE ARTE



ANTON VIDOKLE



TOBI MAIER



ELIZABETH DE PORTZAMPARC



DOCLISBOA’ 12



PEDRO LAPA



CUAUHTÉMOC MEDINA



ANNA RAMOS (RÀDIO WEB MACBA)



CATARINA MARTINS



NICOLAS GALLEY



GABRIELA VAZ-PINHEIRO



BARTOMEU MARÍ



MARTINE ROBIN - ChĂąteau de ServiĂšres



BABETTE MANGOLTE
Entrevista de Luciana Fina



RUI PRATA - Encontros da Imagem



BETTINA FUNCKE, editora de 100 NOTES – 100 THOUGHTS / dOCUMENTA (13)



JOSÉ ROCA - 8ÂȘ Bienal do Mercosul



LUÍS SILVA - Kunsthalle Lissabon



GERARDO MOSQUERA - PHotoEspaña



GIULIETTA SPERANZA



RUTH ADDISON



BÁRBARA COUTINHO



CARLOS URROZ



SUSANA GOMES DA SILVA



HELENA BARRANHA



MARTA GILI



MOACIR DOS ANJOS



HELENA DE FREITAS



JOSÉ MAIA



CHRISTINE BUCI-GLUCKSMANN



ALOÑA INTXAURRANDIETA



TIAGO HESPANHA



TINY DOMINGOS



DAVID SANTOS



EDUARDO GARCÍA NIETO



VALERIE KABOV



ANTÓNIO PINTO RIBEIRO



PAULO REIS



GERARDO MOSQUERA



EUGENE TAN



PAULO CUNHA E SILVA



NICOLAS BOURRIAUD



JOSÉ ANTÓNIO FERNANDES DIAS



PEDRO GADANHO



GABRIEL ABRANTES



HU FANG



IVO MESQUITA



ANTHONY HUBERMAN



MAGDA DANYSZ



SÉRGIO MAH



ANDREW HOWARD



ALEXANDRE POMAR



CATHERINE MILLET



JOÃO PINHARANDA



LISETTE LAGNADO



NATASA PETRESIN



PABLO LEÓN DE LA BARRA



ESRA SARIGEDIK



FERNANDO ALVIM



ANNETTE MESSAGER



RAQUEL HENRIQUES DA SILVA



JEAN-FRANÇOIS CHOUGNET



MARC-OLIVIER WAHLER



JORGE DIAS



GEORG SCHÖLLHAMMER



JOÃO RIBAS



LUÍS SERPA



JOSÉ AMARAL LOPES



LUÍS SÁRAGGA LEAL



ANTOINE DE GALBERT



JORGE MOLDER



MANUEL J. BORJA-VILLEL



MIGUEL VON HAFE PÉREZ



JOÃO RENDEIRO



MARGARIDA VEIGA




CAROLYN CHRISTOV-BAKARGIEV


Este mĂȘs publicamos uma entrevista a Carolyn Christov-Bakargiev, directora artĂ­stica da prĂłxima Documenta de Kassel. Conduzida por Greg Benzow, a conversa foi publicada originalmente em Deutsche Welle.

Na entrevista Ă  Deutsche Welle, ela afirma nĂŁo acreditar que a arte possa educar o pĂșblico. A directora da Documenta 13 diz que rejeita ver os visitantes de uma exposição como meros nĂșmeros a serem contabilizados nas estatĂ­sticas sobre as grandes mostras e nĂŁo vĂȘ o circuito de arte como uma forma de “educar” o pĂșblico. Muito pelo contrĂĄrio, para a directora da prĂłxima Documenta, os visitantes tĂȘm muito mais informação e conhecimento que a vĂŁ filosofia dos curadores supĂ”e.

Vivendo entre Roma, Turim e Nova Iorque, Christov-Bakargiev, Ă© a curadora principal do Castello di Rivoli, o museu de arte contemporĂąnea de Turim, alĂ©m de ter sido responsĂĄvel pela 16ÂȘ Bienal de Sydney, na AustrĂĄlia. Filha de bĂșlgaros que emigraram para os Estados Unidos e mĂŁe de dois filhos, Ă© graduada em Letras e Filosofia pela Universidade de Pisa e autora de um volume sobre a arte povera, movimento artĂ­stico que nasceu nos anos 1960 na ItĂĄlia.



P: A Alemanha vai ter uma Documenta completamente diferente das do passado?

R: É uma pergunta interessante para começar. Possivelmente vamos apresentar pontos de vista – no plural – diferentes, no sentido de formas de experimentar a arte e a cultura. Será uma grande honra trabalhar na próxima Documenta.



P: VocĂȘ parece ter se dedicado no decorrer dos Ășltimos anos Ă  justaposição de diferentes correntes de vanguarda na histĂłria da arte. Isso vai se reflectir na prĂłxima Documenta?

R: Talvez. Ainda estou iniciando a jornada. A minha peculiaridade não é simplesmente justapor, mas sim criar uma relação dinùmica entre arte, cultura, o pensamento de hoje e o que houve de mais radical no passado. Vejo tudo o que existe no mundo como contemporùneo. Um artista, mesmo que use somente o mais novo software digital ou o que quer que seja, não pode ter seu pensamento subdividido em categorias como passado, presente, este ano, aquele ano.

Do ponto de vista filosófico, se algo existe no mundo, este algo pertence ao hoje. Na minha opinião, tudo é contemporùneo. Ou seja, trata-se mais de abrir [o horizonte] do que de justapor ou fechar a partir de um conceito do que seja passado. Interesso-me pelo passado porque estou interessada no presente. Trata-se de explorar o pensamento de alguém sobre o presente, em momentos diferentes. Ou seja, o que era o presente para alguém vivendo nos anos 1920 e o que isso significa para nós.



P: VocĂȘ mencionou uma abertura. Vamos ver em Kassel a inclusĂŁo do pĂșblico como vimos em Sydney?

R: Acredito piamente que o pĂșblico seja o centro da experiĂȘncia artĂ­stica. E o espaço para esta experiĂȘncia tem que ser reimaginado. A experiĂȘncia Ă© Ășnica e singular. Mesmo se falamos de um pĂșblico com muitas e muitas pessoas, com histĂłricos distintos. O mais importante Ă© nĂŁo pensar no pĂșblico em termos de nĂșmeros, de estatĂ­sticas: quantas pessoas visitaram isso ou aquilo. E tambĂ©m nunca olhar para o pĂșblico a partir da ideia envelhecida de que a arte irĂĄ “educar” o pĂșblico, mas sim olhar para cada uma dessas pessoas do pĂșblico como portadoras de uma experiĂȘncia singular e considerar essa singularidade.



P: A Documenta de Kassel dĂĄ ao curador uma liberdade grande, mas no passado recente houve uma sĂ©rie de episĂłdios embaraçosos, com acusaçÔes de que a Ășltima Documenta teria sido elitista. A prĂłxima vai seguir os seus preceitos?

R: Obviamente nĂŁo posso comentar o que ocorreu no passado. Vi a Ășltima Documenta, obviamente fui a Kassel, embora estivesse completamente envolvida com a preparação para Sydney. Ou seja, nĂŁo estive alerta a respeito de todas essas reacçÔes e polĂ©micas ou sobre o que quer que tenha acontecido. De forma que nĂŁo posso comentar algo do passado.
O que posso dizer Ă© que a direcção artĂ­stica da Documenta constitui uma possibilidade maravilhosa que se se dar corpo Ă s nossas visĂ”es. É uma grande responsabilidade, pois a Documenta Ă©, historicamente, a mais renomada entre as exposiçÔes de arte contemporĂąnea, ou seja, dirigi-la Ă© uma tarefa que acarreta muita responsabilidade.

É claro que a Documenta Ă© entregue ao curador ou ao director artĂ­stico com base na confiança de que ele irĂĄ compreender a visĂŁo artĂ­stica que aqueles que o escolhem querem que seja compreendida. Eu nĂŁo usaria o termo elitista, mas acredito que a arte seja algo muito especial.

As pessoas querem arte, Ă© uma necessidade como comer. É um prazer, mas tambĂ©m uma necessidade de entender como o saber Ă© construĂ­do e como a percepção pode transformar qualquer coisa numa experiĂȘncia significativa. NĂŁo Ă© nada analĂ­tico, mas simplesmente uma necessidade humana.

Em vĂĄrias partes do mundo, o pĂșblico tem muito mais conhecimento do que os especialistas imaginam. Muitos acreditam que se trate de uma massa de indivĂ­duos alienados como num shopping center, que precisam de ser educados. Eu, pessoalmente, acredito que hĂĄ muita gente com experiĂȘncias e visĂ”es sĂłlidas que procuram a arte. Respeito muito essas pessoas. E admiro essas pessoas que se colocam numa posição de vulnerabilidade, de um engajamento real que a obra de arte implica e precisa.



DisponĂ­vel em:
www.dw-world.de/dw/article/0,,3854457,00.html