Links


ARTES PERFORMATIVAS


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)

RODRIGO FONSECA

2021-08-08



 

 

Online Distortion / Border Line(S) estreou no dia 16 de Julho no Teatro Viriato e esteve em cena na Casa do Capitão entre 21 de Julho e 1 de Agosto. A criação e a direcção artística é de Pedro Sousa Loureiro, a interpretação do próprio, de Joana Cotrim, Marta Barahona Abreu, Susana Blazer, e a criação musical de Francisco Barahona. Pedro Sousa Loureiro, Joana Cotrim e Marta Barahona fazem parte do colectivo OS PATO BRAVO, um colectivo que surge da vontade de criar peças de teatro e intervenções site specific em espaços convencionais e não convencionais (cruzando a vertente plástica, performativa e o canto lírico), com o objectivo de entreter, reflectir, desafiar públicos e participantes. Esta peça vai ao encontro dos objectivos do grupo em tornar o conceito de cómico em algo sério, e o conceito de sério em algo cómico.

 

 

© Carlos Fernandes / Teatro Viriato.

 

Ao entrarmos na zona do espectáculo somos convidados a visitar as várias pequenas salas que dão corpo a esta peça. A cenografia é um conjunto de adereços delicioso que nos envolve num imaginário muito próprio. Além de nos dar a percepção e a verosimilhança de que estamos a habitar um outro espaço, os elementos plásticos presentes propõem ao público um olhar atento aos detalhes de cada objecto. Estes espaços são instalações e funcionam como auxiliares aos performers que estão a actuar. Durante a acção muitas são as vezes que as actrizes e o actor estão fora do ângulo de visão dos espectadores, percorrendo as diferentes salas-instalações. O figurino acompanha o imaginário da cenografia manifestando o sarcasmo e a ironia que está subjacente em cena. Tanto um como o outro vão de encontro à ideia conceptual do projecto que se materializa na seguinte questão: Queres dar o salto quântico ou ouvir techno numa caravela enquanto andamos a descobrir países? Esta pergunta vem no seguimento da pesquisa de Pedro Sousa Loureiro em procurar entender se a realidade à nossa volta é fruto da distorção ou da percepção.

 

© Carlos Fernandes / Teatro Viriato.

 

Online Distortion / Border Line(S) surge de um a residência artística do criador na Arménia e do contexto pandémico vivido em Portugal. A convivência com artistas feministas arménias e os estados de espíritos vividos durante a pandemia levaram esta peça a explorar temas como as relações hierárquicas de poder, a luta de egos e os limites físicos e psicológicos da nossa vulnerabilidade. A luta de egos e as relações hierárquicas de poder são representadas com o auxilio da projecção vídeo em tempo real. As imagens produzidas desta forma ampliam os copos das personagens, expõem os seus limites físicos, psicológicos, e as inquietações vividas durante a pandemia — inquietações estas que Pedro Sousa Loureiro deixa em aberto se são biográficas ou ficcionais. As paisagens sonoras salientam esta atmosfera, abrem espaço para que a imaginação flutue. A música acompanha perfeitamente a narrativa da peça, captando constantemente a nossa atenção. O texto desta peça foi semanalmente renovado pelo trabalho de improvisação desenvolvido pelas actrizes e pelo actor, no entanto, é apresentado ao público um objecto cénico lapidado onde estas improvisações se encontram em segundo plano. O sarcasmo e a ironia materializam-se pela performance das personagens e o seu discurso, toda a peça é bastante teatral. Teatral no sentido que é bastante teatro, no que diz respeito à forma de fazer e as presenças geradas, mas também no sentido pejorativo de falsidade. Esta falsidade entra em jogo com o sarcasmo e a ironia das personagens. Dão uma certa leveza a estas questões, mas servem também como forma de nos revermos nas mesmas, de nos envolvermos com as preocupações expostas de modo a facilitar a auto-crítica.

Os estereótipos representados em Online Distortion / Border Line(S) somos nós, e não algum outro longínquo do qual somos alheios. Pedro Sousa Loureiro relaciona a obra da artista Cindy Sherman abordando os conceitos de feminilidade, insólito, e excentricidade com as experiências artísticas urbanas e rurais vividas na Arménia. A pergunta filosófica e existencial sobre a realidade que alimenta o conceito desta peça surge do contraste social e económico vivenciado neste país e das ansiedades e pensamentos distópicos frutos da pandemia.

 

 

 

Rodrigo Fonseca
Licenciado em História da Arte pela FCSH/UNL, e pós-Graduado em Artes Cénicas pela mesma faculdade. Viajou pela Europa central, pelos Balcãs, América do Sul, e viveu em Itália, Grécia e Brasil. O seu trabalho artístico desenvolve-se na música e no corpo. Organiza e programa os festivais culturais Dia Aberto às Artes (Mafra) e Sintra Con-Cê (Sintra) e é membro fundador da associação cultural A3 - Apertum Ars e da editora CusCus Discus.

 




Outros artigos:

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS