Links

ENTREVISTA



FERNANDO AGUIAR


Esta é a terceira entrevista que acompanha o Ciclo de Reenactments - Performance Arte Portuguesa, apresentado na Plataforma Revólver, em Lisboa. Este ciclo tem por objectivo partilhar episódios da história da performance portuguesa. No dia 10 de junho, pelas 19h, foi transmitida em live streaming a performance ROTURA da autoria de Ana Hatherly. Coube à bailarina e coreógrafa Elizabete Francisca refazer esta obra a partir dos seus vestígios em fotografia e vídeo, disponibilizados por Fernando Aguiar que com a sua colaboração artística tornou possível este reenactment. Nesta entrevista a Fernando Aguiar, debruçamo-nos sobre o seu trabalho enquanto comissário, artista, e responsável por grande parte do acervo de Ana Hatherly.
LER MAIS

O ESTADO DA ARTE



VICTOR PINTO DA FONSECA


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
No final de quase cinco décadas de liberdade, quer queiramos ou não, não se pode evitar falar da evolução da crítica de arte contemporânea em Portugal. Existe uma grande narrativa no caso da autonomia da crítica de arte. Simplesmente não é uma narrativa de progresso e liberdade; antes, é uma história retrógrada que conduz a uma forma de organização promíscua, dos mais diversos modos da arte contemporânea! Falo de uma ordem baseada num Sistema (já ouvimos falar bastante sobre o sistema) que destruiu a liberdade natural do pensamento crítico, em proveito de determinada ideologia que submeteu o universo da arte contemporânea ao seu serviço. Antes de abordarmos o sistema, porém, que poderemos realçar da crítica de arte contemporânea que se encontra nesse sistema?
LER MAIS

PERSPETIVA ATUAL

PEDRO CABRAL SANTO


JOÃO FONTE SANTA, SANTA FONTE!
Entrar em contacto com o labor artístico de João Fonte Santa faz com que algo de perturbador aconteça. Podemos mesmo afirmar, sem mácula, que um doce torpor parece emergir e expandir-se entre o deslumbre e o assombro, com o mágico e o inefável a impor-se face àquilo que estamos a percecionar. Trata-se efetivamente de algo poderoso, capaz de nos elevar inexoravelmente a atenção, para além também de nos aguçar o alento, ou a falta dele. As formas perentórias e autoritárias, que o autor permanentemente evoca, encontram-se vincadas, raspadas e espaçadas/plasmadas em incríveis pinturas, numa espécie de combate frontal, e ruidoso, entre cores vibrantes e formas fortes, contrastantes entre si.
LER MAIS


OPINIÃO

LIZ VAHIA


A FICÇÃO PARA ALÉM DA HISTÓRIA: O COMPLEXO COLOSSO
O programa artístico do CIAJG propõe-nos reconstruir o museu sobre uma pedra incerta, "agigantada, de difícil catalogação". Um colosso que gera um complexo de narrativas e materiais à sua volta e que é complexo de circunscrever com uma interpretação única. É esta escultura esquecida que se apresenta como origem do tipo de ficção que está na base do programa artístico iniciado este ano por Marta Mestre, e que nos permite, “de forma indisciplinada”, imaginar e construir o museu.
LER MAIS

ARQUITETURA E DESIGN

GONÇALO FURTADO E ALEXANDRA PAULO


A ARQUITETURA PORTUGUESA: O TRAJETO DO SÉCULO XX E DESAFIOS DO SÉCULO XXI
O século XXI inicia com uma diversidade de perspetivas de arquitetura. Do século XX, enfatiza-se a reabilitação, sendo esta um aspeto protagonista na arquitetura portuguesa. Destaca-se, também, o que fazer na arquitetura sénior, sendo que Portugal é atualmente posicionado em 3º lugar da Europa e no 5º lugar do ranking de país mais envelhecido do mundo. O que a arquitetura poderá e deverá servir como melhoria da sua qualidade de vida. Entre outras questões, as enunciadas favorecem-se exemplos de alterações por atender, num novo debate disciplinar sobre o presente.
LER MAIS

ARTES PERFORMATIVAS

PAULA PINTO


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
Albuquerque Mendes: Corpo de Performance inventaria a performance como um meio nuclear da expressão artística de Albuquerque Mendes desde 1974. Transferindo o foco do objecto artístico para o corpo, da configuração formal para a gestualidade, da perspectiva contemplativa do observador para uma relação intrusiva com o público, da construção dos valores estéticos representativos da história da arte para a sua desconstrução através da valorização da acção ao vivo e da saída da instituição cultural para a rua, as práticas artísticas da performance não se reduzem à catalogação de um novo médium e não devem ser reduzidas aos eventos em si, uma vez que são um reflexo das transformações sociais e políticas da época e se reflectem noutras formas de produção cultural.
LER MAIS




:: A CASA DA DANÇA em Almada oferece Oficinas e Performances com coreógrafos a partir de Setembro



PREVIEW

Fracture Empire, de Samson Kambalu | 2 Out 2021 - 6 Fev 2022, Culturgest, Lisboa


Primeira exposição do artista visual Samson Kambalu em Portugal e a apresentação mais completa da sua obra até à data.
LER MAIS

EXPOSIÇÕES ATUAIS

ANNI ALBERS, JOSEF ALBERS

ANNI ET JOSEF ALBERS. L'ART ET LA VIE


Musée d’Art Moderne de la Ville de Paris, Paris

Muitas vezes somos vítimas de um certo estereótipo: Josef Albers como compositor de harmonias coloridas e a sua mulher Anni Albers como pequena artesã têxtil. O interesse da exposição a eles consagrada no MAMVP é que questiona essas ideias preconcebidas e nos oferece outra legibilidade, outra visão tanto de um como do outro. E, pela minha parte, saí com uma percepção da Senhora Albers como muitas vezes a mais audaciosa, a mais experimental dos dois, enquanto na maioria das vezes ela foi relegada para segundo plano.
LER MAIS MARC LENOT

SÉRGIO CARRONHA

COMPOSIÇÃO PARA UM ESPAÇO COM BASE NAS ESTRELAS E PLANETAS


Galeria Municipal de Almada, Almada
A tensão gerada por qualquer coisa que é da ordem do desmedido, se quisermos, sublime, e qualquer coisa determinada por uma exactidão física, matemática, próxima e precisa, parece ser uma das questões lançadas por Sérgio Carronha.
LER MAIS RITA ANUAR

FERNANDA FRAGATEIRO

A CIDADE INCOMPLETA


MACE - Museu de Arte Contemporânea de Elvas, Elvas
Aqui, a poesia afirma-se a partir do banal não sendo banal, porque o seu objetivo estético é o da simplicidade formal: o foco situa-se no potencial formal da matéria, traduzindo uma ideia num mundo já por si transformado pelo ser humano.
LER MAIS NUNO LOURENÇO

COLECTIVA

X NÃO É UM PAÍS PEQUENO - DESVENDAR A ERA PÓS-GLOBAL


MAAT, Lisboa
A exposição sugere o debate, e compreende projetos inspirados em questões sociais, problemáticas geopolíticas e geoestratégicas, desenvolvidas por designers, arquitetos, artistas, todos eles com uma preocupação de base humanista na sua investigação, assente em diferentes registos possíveis, nomeadamente "objetos, corpos, infraestruturas, cidades, territórios e o próprio planeta".
LER MAIS CARLA CARBONE

RITA GASPAR VIEIRA

DESARRUMADA


Galeria Belo-Galsterer, Lisboa
Evidencia-se a materialidade da obra de arte. A grandeza dos acabamentos é despojada para se manifestarem na organicidade das matérias do papel e do desenho. O lugar e a criação da artista expressam-se no encontro deste gesto, cuja valorização é exaltada pela ação e processo.
LER MAIS JOANA CONSIGLIERI

LAS PALMAS

APOFENIA


Culturgest (Porto), Porto
Fazendo jus ao conceito de apofenia que serve de título à exposição, a mostra assume-se enquanto território de reunião de sintonias e de encontros circunstanciais entre singularidades, por vezes distantes, mas que comungam de uma mesma energia.
LER MAIS MAFALDA TEIXEIRA

PEDRO CALAPEZ

DEBAIXO DE CADA COR


Galeria Belo-Galsterer, Lisboa
Percecionamos a pintura através de uma intensa vibração. Numa forte expressão de largas pinceladas e manchas, o gesto dá ao visitante a dimensão da cor pura. Com Pedro Calapez, retomamos o prazer da contemplação da cor.
LER MAIS JOANA CONSIGLIERI