Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

All This Green Makes Me Tired


São Trindade
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

Cotonígero


Vanda Madureira
CAPC - Círculo de Artes Plásticas, Coimbra

Seja dia ou seja noite pouco importa


Pedro Calapez e André Gomes
Museu Coleção Berardo, Lisboa

Living City


Inserir cidade aqui
Livraria Flâneur, Porto

Pandemic


Performances de António Poppe, José Marrucho e Flávio Rodrigues
Biblioteca Municipal Almeida Garrett, Porto

Lavagem


Alice Ripoll
Lisnave, Almada

Cidadãos do Cosmos


Boris Groys
Rampa, Porto

Exposição comunidade


Cooperativa Rizoma
Plataforma Revólver, Lisboa

Hrönir ou Krönir


PIZZ BUIN
Centro Internacional das Artes José de Guimarães, Guimarães

5.ª edição de Human Entities


Alexandre Estrela
Palácio Sinel de Cordes, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


PERFORMANCES DE ANTÓNIO POPPE, JOSÉ MARRUCHO E FLÁVIO RODRIGUES

Pandemic




BIBLIOTECA MUNICIPAL ALMEIDA GARRETT
Jardins do Palácio de Cristal, Rua de D. Manuel II
4050-239 PORTO

09 OUT - 09 OUT 2021


Pandemic - Performances de António Poppe, José Marrucho e Flávio Rodrigues
09 Out, 16h00-18h00 no Auditório da Biblioteca Municipal Almeida Garrett



No âmbito da exposição
PANDEMIC
I Don’t Know Karate, but I Know Ka-Razor!

FILIPE MARQUES

Curadoria: Isabeli Santiago e Juan Luis Toboso


PANDEMIC – I Don’t Know Karate But I know Ka-razor conduz-nos a um estado “grau zero” para confrontar questões como a fragilidade e a finitude dos corpos, o binómio doença-sanidade e as lutas enraizadas no mundo e na natureza. Esta exposição, que surge de um convite feito pela Galeria Municipal do Porto ao artista ainda em 2019, para questionar conceitos víricos que atravessam a sua obra, ganha hoje relevância no contexto da atual crise pandémica global.
O projeto expositivo reflete a complexidade poética e apocalíptica que marca a linguagem de Filipe Marques, através da qual os espectadores são conduzidos a uma possível constatação da impotência da condição humana, no controlo de contaminações invisíveis e no equilíbrio de forças e resistências.
A partir de conceitos da filosofia moderna e textos de autores da Antiguidade Clássica, somos desafiados a compreender as constantes contradições da humanidade. Através de estímulos, signos e metáforas sobre o fracasso e a autodestruição, aos quais o artista na sua fragilidade não quer escapar, surge o convite para participar num exercício especulativo que se desdobra numa reflexão contemporânea que se faz urgente, coletiva e política.