Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Habitação: sempre para o maior número


Vários
Centro Nacional de Cultura,

Mulheres e Resistência


Rita Rato e Luísa Sequeira
Museu do Aljube, Lisboa

Museu do Aljube Resistência e Liberdade


Vários
Museu do Aljube, Lisboa

As Mulheres e a Antropologia


Margot Dias
Museu Nacional de Etnologia, Lisboa

BITCHO – às escâncaras


Susana Chiocca
Centro Cultural de Belém, Lisboa

From Ruin


Rui Chafes e Candura
Carpintarias de São Lázaro, Lisboa

Apresentação do livro


Elogio da poiesis — reflexões teóricas para a prática da investigação em artes
FBAUL - Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, Lisboa

Aequare


Pinelopi Triantafyllou, Iro Xyda e Ieva Bražėnaitė
Atelier Concorde, Lisboa

Visita guiada à exposição A Ciência Cura


Luísa Ferreira e Manuel Heitor
Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira

O que temos a ver com isto?


Joana Manuel e Maria Vlachou
Livraria Tigre de Papel, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


JAMILE CAZUMBÁ

ritual-recital-performático III ou um lugar que eu digo saber inventar




MALA VOADORA
Rua do Almada 283
4050-038 PORTO

20 JAN - 20 JAN 2023


PERFORMANCE: 20 de Janeiro, pelas 19h00 na mala voadora, Porto


:::


Estreia no Porto a dia 20 de janeiro, ritual-recital-performático III ou um lugar que eu digo saber inventar, performance de Jamile Cazumbá, onde o transe serve como ponto de ignição para uma revisita à memória inteligível dos corpos. Jamile é multiartista e transita entre as artes visuais e cénicas, curadoria, produção e cinema. Atualmente tem-se dedicado, sobretudo, a obras-processo, nas quais, tendo como suporte a performance, o desenho e a linguagem, investiga as memórias inscritas nos corpos de mulheres negras e na confluência com as expressões visuais.

"Viver é transitar entre uma teia de camadas que se enviesam e coreografam o existir. É o corpo que circula, apreende e repele cada passo da costura. É no corpo que experiencio a liberdade e as amarras dos movimentos. A cada passo o meu corpo sente e prevê o peso e a leveza da sua presença: O peso de ser um corpo gerado, criado, e vívido na Bahia, território mais letal do nordeste, onde 100% das pessoas mortas por polícias, são pretas.

O peso de ser um corpo feminino preto que vive em fronteiras de guerra onde o estigma se converte em dados numéricos de 61,8%. Meu corpo preto-pêndulo sente o peso da possibilidade de não mais existir. Meu corpo preto-pêndulo sente a leveza da possibilidade da presença. Proponho uma ação de conversão, onde os gráficos de morte se transformem em gráficos de vida, meu corpo-gráfico, minha língua-gráfico, meu desenho-gráfico: um ritual-recital-performático.”



:::


Ficha Técnica
performer Jamile Cazumbá . produção . Isabél Zuaa . música original Filipe Mimoso . figurino Teresa Abreu