Links

Subscreva agora a ARTECAPITAL - NEWSLETTER quinzenal para saber as últimas exposições, entrevistas e notícias de arte contemporânea.



ARTECAPITAL RECOMENDA


Outras recomendações:

Se confinado um espectador, de José Bogalheiro


Maria Filomena Molder e Carlos Natálio
Livraria Linha de Sombra, Lisboa

Conversa sobre Arte e Participação Pública


Marta Wengorovius, Hugo Cruz e Joclécio Azevedo
Teatro Municipal de Vila do Conde, Vila do Conde

Guerrilla Shout-out! Arquivo gráfico de Alice Neel


Alice Neel
FBAUP - Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, Porto

Uma constelação de objetos, espaços e pessoas


Ana Rito e Hugo Barata
Centro Cultural de Belém, Lisboa

BATE FADO


Jonas&Lander
Centro Cultural Vila Flor, Guimarães

Concerto comentado por Invernomuto


Invernomuto
Palácio de Cristal, Porto

Ciclo Sentimentos Públicos


Vários
Teatro Académico de Coimbra, Coimbra

Conversa com Ana Marcelino


Alice Marcelino
MOVART Gallery, Lisboa

48 artistas, 48 anos de liberdade


Vários
MAAT, Lisboa

Lançamento das edições do CIAJG


Marta Mestre e João Terras
ZDB - Galeria Zé dos Bois, Lisboa

ARQUIVO:

O seguinte guia de eventos é uma perspectiva prévia compilada pela ARTECAPITAL, antecipando conferências, seminários, cursos ou outras iniciativas. Envie-nos informação (press-release, programa e imagem) dos próximos acontecimentos. Seleccionamos três eventos periodicamente, divulgando-os junto dos nossos leitores.

 


MARIA FILOMENA MOLDER E CARLOS NATÁLIO

Se confinado um espectador, de José Bogalheiro




LIVRARIA LINHA DE SOMBRA
R. Barata Salgueiro 39, 1250-042 Lisboa


24 JUN - 24 JUN 2022


APRESENTAÇÃO DE LIVRO: 24 de Junho, Sexta-feira, 19h00 na Livraria Linha de Sombra | Cinemateca Portuguesa


Com Maria Filomena Molder e Carlos Natálio, e a presença do autor, José Bogalheiro.




Quanto a si, o espectador, sentindo-se inclinado a anuir a que, no que respeita à razão que lhe assiste, estaria a imagem que vinha da infância, mas sendo o que dela se lembra demasiado pouco para voltar a encontrá-la, perseverara em repor «sem parcimónia na lareira / a lenha», entregue à ocupação de ver nesse ecrã o que continua em brasa e iluminado no cinema.



Os textos que agora se reúnem em livro foram originalmente publicados, com periodicidade mensal, a partir de Novembro de 2020, no site de cinefilia À Pala de Walsh, sob a forma de crónicas a que, numa variação tomada de empréstimo em Italo Calvino, foi dado o título genérico de «Se Confinado Um Espectador». Nos mesmos foram-se constituindo umas tantas propostas de reflexão, hipóteses em aberto, investigações subterrâneas sobre formas de vida cinematográfica que a condição de espectador em tempo de pandemia convocou, formuladas que foram no encalço de uma ideia de «cinema como metamorfose da experiência interior».

Se é verdade que durante o confinamento o recurso à ficção e, mais genericamente, à cultura pôde demonstrar até que ponto há uma tão grande dependência da ficção e teria mesmo tornado mais fácil explicar porque é que a cultura é absolutamente necessária para todos, tal não impediu que, ao mesmo tempo, se produzisse uma bem visível retracção dos consumidores na frequentação de salas e, por parte das grandes distribuidoras, um efectivo bloqueio à estreia e circulação de novos filmes.

José Bogalheiro