Links

OPINIÃO


UM MÊS ACORDADO – EXPOSIÇÃO DE ALEXANDRE ESTRELA ©Galeria Zé dos Bois


Van Allen Belt ©Luis do Rosario


Um mês acordado ©Luis do Rosario


Universal Score ©Luis do Rosario


Poster da exposição por Ana Baliza, fotografia


Screenshot

Outros artigos:

LIZ VAHIA

2024-01-23
À ESPERA DE SER ALGUMA COISA

CONSTANÇA BABO

2023-12-20
ENTRE ÓTICA E MOVIMENTO, A PARTIR DA COLEÇÃO DA TATE MODERN, NO ATKINSON MUSEUM

INÊS FERREIRA-NORMAN

2023-11-13
DO FASCÍNIO DO TEMPO: A MORTE VIVA DO SOLO E DAS ÁRVORES, O CICLO DA LINGUAGEM E DO SILÊNCIO

SANDRA SILVA

2023-10-09
PENSAR O SILÊNCIO: JULIA DUPONT E WANDERSON ALVES

MARC LENOT

2023-09-07
EXISTE UM SURREALISMO FEMININO?

LIZ VAHIA

2023-08-04
DO OURO AOS DEUSES, DA MATÉRIA À ARTE

ELISA MELONI

2023-07-04
AQUELA LUZ QUE VEM DA HOLANDA

CATARINA REAL

2023-05-31
ANGUESÂNGUE, DE DANIEL LIMA

MIRIAN TAVARES

2023-04-25
TERRITÓRIOS INVISÍVEIS – EXPOSIÇÃO DE MANUEL BAPTISTA

MADALENA FOLGADO

2023-03-24
AS ALTER-NATIVAS DO BAIRRO DO GONÇALO M. TAVARES

RUI MOURÃO

2023-02-20
“TRANSFAKE”? IDENTIDADE E ALTERIDADE NA BUSCA DE VERDADES NA ARTE

DASHA BIRUKOVA

2023-01-20
A NARRATIVA VELADA DAS SENSAÇÕES: ‘A ÚLTIMA VEZ QUE VI MACAU’ DE JOÃO PEDRO RODRIGUES E JOÃO RUI GUERRA DA MATA

JOANA CONSIGLIERI

2022-12-18
RUI CHAFES, DESABRIGO

MARC LENOT

2022-11-17
MUNCH EM DIÁLOGO

CATARINA REAL

2022-10-08
APONTAMENTOS A PARTIR DE, SOB E SOBRE O DUELO DE INÊS VIEGAS OLIVEIRA

LUIZ CAMILLO OSORIO

2022-08-29
DESLOCAMENTOS DA REPRODUTIBILIDADE NA ARTE: AINDA DUCHAMP

FILIPA ALMEIDA

2022-07-29
A VIDA É DEMASIADO PRECIOSA PARA SER ESBANJADA NUM MUNDO DESENCANTADO

JOSÉ DE NORDENFLYCHT CONCHA

2022-06-30
CECILIA VICUÑA. SEIS NOTAS PARA UM BLOG

LUIZ CAMILLO OSORIO

2022-05-29
MARCEL DUCHAMP CURADOR E O MAM-SP

MARC LENOT

2022-04-29
TAKING OFF. HENRY MY NEIGHBOR (MARIKEN WESSELS)

TITOS PELEMBE

2022-03-29
(DES) COLONIZAR A ARTE DA PERFORMANCE

CATARINA REAL

2022-01-23
O PINTOR E O PINTAR / A PINTURA E ...

MIGUEL PINTO

2021-12-26
CORVOS E GIRASSÓIS: UM OLHAR PARA CEIJA STOJKA

POLLYANA QUINTELLA

2021-11-25
UMA ANÁLISE DA PARTICIPAÇÃO CHILENA NA 34ª BIENAL DE SÃO PAULO

JOANA CONSIGLIERI

2021-10-29
MULHERES NA ARTE – NUM ATELIÊ QUE SEJA SÓ MEU

LIZ VAHIA

2021-09-30
A FICÇÃO PARA ALÉM DA HISTÓRIA: O COMPLEXO COLOSSO

PEDRO PORTUGAL

2021-08-17
PORQUE É QUE A ARTE PORTUGUESA FICOU TÃO PEQUENINA?

MARC LENOT

2021-07-08
VIAGENS COM UM FOTÓGRAFO (ALBERS, MULAS, BASILICO)

VICTOR PINTO DA FONSECA

2021-05-29
ZEUS E O MINISTÉRIO DA CULTURA

RODRIGO FONSECA

2021-04-26
UMA REFLEXÃO SOBRE IMPROVISAÇÃO TOMANDO COMO EXEMPLO A GRAND UNION

CAIO EDUARDO GABRIEL

2021-03-06
DESTERRAMENTOS E SEUS FLUXOS NA OBRA DE FELIPE BARBOSA

JOÃO MATEUS

2021-02-04
INSUFICIÊNCIA NA PRODUÇÃO ARTÍSTICA. EM CONVERSA COM VÍTOR SILVA E DIANA GEIROTO.

FILOMENA SERRA

2020-12-31
SEED/SEMENTE DE ISABEL GARCIA

VICTOR PINTO DA FONSECA

2020-11-19
O SENTIMENTO É TUDO

PEDRO PORTUGAL

2020-10-17
OS ARTISTAS TAMBÉM MORREM

CATARINA REAL

2020-09-13
CAVAQUEAR SOBRE UM INQUÉRITO - SARA&ANDRÉ ‘INQUÉRITO A 471 ARTISTAS’ NA CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2020-08-07
MUSEUS, PATRIMÓNIO CULTURAL E “VISÃO ESTRATÉGICA”

PAULA PINTO

2020-07-19
BÁRBARA FONTE: NESTE CORPO NÃO HÁ POESIA

JULIA FLAMINGO

2020-06-22
O PROJETO INTERNACIONAL 4CS E COMO A ARTE PODE, MAIS DO QUE NUNCA, CRIAR NOVOS ESPAÇOS DE CONVIVÊNCIA

LUÍS RAPOSO

2020-06-01
OS EQUÍVOCOS DA MUSEOLOGIA E DA PATRIMONIOLOGIA

DONNY CORREIA

2020-05-19
ARTE E CINEMA EM WALTER HUGO KHOURI

CONSTANÇA BABO

2020-05-01
GALERISTAS EM EMERGÊNCIA - ENTREVISTA A JOÃO AZINHEIRO

PEDRO PORTUGAL

2020-04-07
SEXO, MENTIRAS E HISTÓRIA

VERA MATIAS

2020-03-05
CARLOS BUNGA: SOMETHING NECESSARY AND USEFUL

INÊS FERREIRA-NORMAN

2020-01-30
PORTUGAL PROGRESSIVO: ME TOO OU MEET WHO?

DONNY CORREIA

2019-12-27
RAFAEL FRANÇA: PANORAMA DE UMA VIDA-ARTE

NUNO LOURENÇO

2019-11-06
O CENTRO INTERPRETATIVO DO MUNDO RURAL E AS NATUREZAS-MORTAS DE SÉRGIO BRAZ D´ALMEIDA

INÊS FERREIRA-NORMAN

2019-10-05
PROBLEMAS NA ERA DA SMARTIFICAÇÃO: O ARQUIVO E A VIDA ARTÍSTICA E CULTURAL REGIONAL

CARLA CARBONE

2019-08-20
FERNANDO LEMOS DESIGNER

DONNY CORREIA

2019-07-18
ANA AMORIM: MAPAS MENTAIS DE UMA VIDA-OBRA

CARLA CARBONE

2019-06-02
JOÃO ONOFRE - ONCE IN A LIFETIME [REPEAT]

LAURA CASTRO

2019-04-16
FORA DA CIDADE. ARTE E ARQUITECTURA E LUGAR

ISABEL COSTA

2019-03-09
CURADORIA DA MEMÓRIA: HANS ULRICH OBRIST INTERVIEW PROJECT

BEATRIZ COELHO

2018-12-22
JOSEP MAYNOU - ENTREVISTA

CONSTANÇA BABO

2018-11-17
CHRISTIAN BOLTANSKI NO FÓRUM DO FUTURO

KATY STEWART

2018-10-16
ENTRE A MEMÓRIA E O SEU APAGAMENTO: O GRANDE KILAPY DE ZÉZÉ GAMBOA E O LEGADO DO COLONIALISMO PORTUGUÊS

HELENA OSÓRIO

2018-09-13
JORGE LIMA BARRETO: CRIADOR DO CONCEITO DE MÚSICA MINIMALISTA REPETITIVA

CONSTANÇA BABO

2018-07-29
VER AS VOZES DOS ARTISTAS NO METRO DO PORTO, COM CURADORIA DE MIGUEL VON HAFE PÉREZ

JOANA CONSIGLIERI

2018-06-14
EXPANSÃO DA ARTE POR LISBOA, DUAS VISÕES DE FEIRAS DE ARTE: ARCOLISBOA E JUSTLX - FEIRAS INTERNACIONAIS DE ARTE CONTEMPORÂNEA

RUI MATOSO

2018-05-12
E AGORA, O QUE FAZEMOS COM ISTO?

HELENA OSÓRIO

2018-03-30
PARTE II - A FAMOSA RAINHA NZINGA (OU NJINGA) – TÃO AMADA, QUANTO TEMIDA E ODIADA, EM ÁFRICA E NO MUNDO

HELENA OSÓRIO

2018-02-28
PARTE I - A RAINHA NZINGA E O TRAJE NA PERSPECTIVA DE GRACINDA CANDEIAS: 21 OBRAS DOADAS AO CONSULADO-GERAL DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO PORTO. POLÉMICAS DO SÉCULO XVII À ATUALIDADE

MARIA VLACHOU

2018-01-25
CAN WE LISTEN? (PODEMOS OUVIR?)

FERNANDA BELIZÁRIO E RITA ALCAIRE

2017-12-23
O QUE HÁ DE QUEER EM QUEERMUSEU?

ALEXANDRA JOÃO MARTINS

2017-11-11
O QUE PODE O CINEMA?

LUÍS RAPOSO

2017-10-08
A CASA DA HISTÓRIA EUROPEIA: AFINAL A MONTANHA NÃO PARIU UM RATO, MAS QUASE

MARC LENOT

2017-09-03
CORPOS RECOMPOSTOS

MARC LENOT

2017-07-29
QUER PASSAR A NOITE NO MUSEU?

LUÍS RAPOSO

2017-06-30
PATRIMÓNIO CULTURAL E MUSEUS: O QUE ESTÁ POR DETRÁS DOS “CASOS”

MARZIA BRUNO

2017-05-31
UM LAMPEJO DE LIBERDADE

SERGIO PARREIRA

2017-04-26
ENTREVISTA COM AMANDA COULSON, DIRETORA ARTÍSTICA DA VOLTA FEIRA DE ARTE

LUÍS RAPOSO

2017-03-30
A TRAGICOMÉDIA DA DESCENTRALIZAÇÃO, OU DE COMO SE ARRISCA ESTRAGAR UMA BOA IDEIA

SÉRGIO PARREIRA

2017-03-03
ARTE POLÍTICA E DE PROTESTO | THE TRUMP EFFECT

LUÍS RAPOSO

2017-01-31
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL - PARTE 2: O CURTO PRAZO

LUÍS RAPOSO

2017-01-13
ESTATÍSTICAS, MUSEUS E SOCIEDADE EM PORTUGAL – PARTE 1: O LONGO PRAZO

SERGIO PARREIRA

2016-12-13
A “ENTREGA” DA OBRA DE ARTE

ANA CRISTINA LEITE

2016-11-08
A MINHA VISITA GUIADA À EXPOSIÇÃO...OU COISAS DO CORAÇÃO

NATÁLIA VILARINHO

2016-10-03
ATLAS DE GALANTE E BORRALHO EM LOULÉ

MARIA LIND

2016-08-31
NAZGOL ANSARINIA – OS CONTRASTES E AS CONTRADIÇÕES DA VIDA NA TEERÃO CONTEMPORÂNEA

LUÍS RAPOSO

2016-06-23
“RESPONSABILIDADE SOCIAL”, INVESTIMENTO EM ARTE E MUSEUS: OS PONTOS NOS IS

TERESA DUARTE MARTINHO

2016-05-12
ARTE, AMOR E CRISE NA LONDRES VITORIANA. O LIVRO ADOECER, DE HÉLIA CORREIA

LUÍS RAPOSO

2016-04-12
AINDA OS PREÇOS DE ENTRADA EM MUSEUS E MONUMENTOS DE SINTRA E BELÉM-AJUDA: OS DADOS E UMA PROPOSTA PARA O FUTURO

DÁRIA SALGADO

2016-03-18
A PAISAGEM COMO SUPORTE DE REPRESENTAÇÃO CINEMATOGRÁFICA NA OBRA DE ANDREI TARKOVSKY

VICTOR PINTO DA FONSECA

2016-02-16
CORAÇÃO REVELADOR

MIRIAN TAVARES

2016-01-06
ABSOLUTELY

CONSTANÇA BABO

2015-11-28
A PROCURA DE FELICIDADE DE WOLFGANG TILLMANS

INÊS VALLE

2015-10-31
A VERDADEIRA MUDANÇA ACABA DE COMEÇAR | UMA ENTREVISTA COM O GALERISTA ZIMBABUEANO JIMMY SARUCHERA PELA CURADORA INDEPENDENTE INÊS VALLE

MARIBEL MENDES SOBREIRA

2015-09-17
PARA UMA CONCEPÇÃO DA ARTE SEGUNDO MARKUS GABRIEL

RENATO RODRIGUES DA SILVA

2015-07-22
O CONCRETISMO E O NEOCONCRETISMO NO BRASIL: ELEMENTOS PARA REFLEXÃO CRÍTICA

LUÍS RAPOSO

2015-07-02
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 2: O PRESENTE/FUTURO

LUÍS RAPOSO

2015-06-17
PATRIMÓNIO CULTURAL E OS MUSEUS: VISÃO ESTRATÉGICA | PARTE 1: O PASSADO/PRESENTE

ALBERTO MORENO

2015-05-13
OS CORVOS OLHAM-NOS

Ana Cristina Alves

2015-04-12
PSICOLOGIA DA ARTE – ENTREVISTA A ANTÓNIO MANUEL DUARTE

J.J. Charlesworth

2015-03-12
COMO NÃO FAZER ARTE PÚBLICA

JOSÉ RAPOSO

2015-02-02
FILMES DE ARTISTA: O ESPECTRO DA NARRATIVA ENTRE O CINEMA E A GALERIA.

MARIA LIND

2015-01-05
UM PARQUE DE DIVERSÕES EM PARIS RELEMBRA UM CONTO DE FADAS CLÁSSICO

Martim Enes Dias

2014-12-05
O PRINCÍPIO DO FUNDAMENTO: A BIENAL DE VENEZA EM 2014

MARIA LIND

2014-11-11
O TRIUNFO DOS NERDS

Jonathan T.D. Neil

2014-10-07
A ARTE É BOA OU APENAS VALIOSA?

José Raposo

2014-09-08
RUMORES DE UMA REVOLUÇÃO: O CÓDIGO ENQUANTO MEIO.

Mike Watson

2014-08-04
Em louvor da beleza

Ana Catarino

2014-06-28
Project Herácles, quando arte e política se encontram no Parlamento Europeu

Luís Raposo

2014-05-27
Ingressos em museus e monumentos: desvario e miopia

Filipa Coimbra

2014-05-06
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 2

Filipa Coimbra

2014-04-15
Tanto Mar - Arquitectura em DERIVAção | Parte 1

Rita Xavier Monteiro

2014-02-25
O AGORA QUE É LÁ

Aimee Lin

2014-01-15
ZENG FANZHI

FILIPE PINTO

2013-12-20
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 4 de 4)

FILIPE PINTO

2013-11-28
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 3 de 4)

FILIPE PINTO

2013-10-25
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 2 de 4)

FILIPE PINTO

2013-09-16
PERSPECTIVA E EXTRUSÃO. Uma História da Arte (parte 1 de 4)

JULIANA MORAES

2013-08-12
O LUGAR DA ARTE: O “CASTELO”, O LABIRINTO E A SOLEIRA

JUAN CANELA

2013-07-11
PERFORMING VENICE

JOSÉ GOMES PINTO (ECATI/ULHT)

2013-05-05
ARTE E INTERACTIVIDADE

PEDRO CABRAL SANTO

2013-04-11
A IMAGEM EM MOVIMENTO NO CONTEXTO ESPECÍFICO DAS ARTES PLÁSTICAS EM PORTUGAL

MARCELO FELIX

2013-01-08
O ESPAÇO E A ORLA. 50 ANOS DE ‘OS VERDES ANOS’

NUNO MATOS DUARTE

2012-12-11
SOBRE A PERTINÊNCIA DAS PRÁTICAS CONCEPTUAIS NA FOTOGRAFIA CONTEMPORÂNEA

FILIPE PINTO

2012-11-05
ASSEMBLAGE TROCKEL

MIGUEL RODRIGUES

2012-10-07
BIRD

JOSÉ BÁRTOLO

2012-09-21
CHEGOU A HORA DOS DESIGNERS

PEDRO PORTUGAL

2012-09-07
PORQUE É QUE OS ARTISTAS DIZEM MAL UNS DOS OUTROS + L’AFFAIRE VASCONCELOS

PEDRO PORTUGAL

2012-08-06
NO PRINCÍPIO ERA A VERBA

ANA SENA

2012-07-09
AS ARTES E A CRISE ECONÓMICA

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-06-12
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (II)

MARIA BEATRIZ MARQUILHAS

2012-05-21
O DECLÍNIO DA ARTE: MORTE E TRANSFIGURAÇÃO (I)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2012-03-19
A JANELA DAS POSSIBILIDADES. EM TORNO DA SÉRIE TELEVISION PORTRAITS (1986–) DE PAUL GRAHAM.

FILIPE PINTO

2012-01-16
A AUTORIDADE DO AUTOR - A PARTIR DO TRABALHO DE DORIS SALCEDO (SOBRE VAZIO, SILÊNCIO, MUDEZ)

JOSÉ CARLOS DUARTE

2011-12-07
LOUISE LAWLER. QUALQUER COISA ACERCA DO MUNDO DA ARTE, MAS NÃO RECORDO EXACTAMENTE O QUÊ.

ANANDA CARVALHO

2011-10-12
RE-CONFIGURAÇÕES NO SISTEMA DA ARTE CONTEMPORÂNEA - RELATO DA CONFERÊNCIA DE ROSALIND KRAUSS NO III SIMPÓSIO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO PAÇO DAS ARTES

MARIANA PESTANA

2011-09-23
ARQUITECTURA COMISSÁRIA: TODOS A BORDO # THE AUCTION ROOM

FILIPE PINTO

2011-07-27
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (2.ª parte)

FILIPE PINTO

2011-07-08
PARA QUE SERVE A ARTE? (sobre espaço, desadequação e acesso) (1ª parte)

ROSANA SANCIN

2011-06-14
54ª BIENAL DE VENEZA: ILLUMInations

SOFIA NUNES

2011-05-17
GEDI SIBONY

SOFIA NUNES

2011-04-18
A AUTONOMIA IMPRÓPRIA DA ARTE EM JACQUES RANCIÈRE

PATRÍCIA REIS

2011-03-09
IMAGE IN SCIENCE AND ART

BÁRBARA VALENTINA

2011-02-01
WALTER BENJAMIN. O LUGAR POLÍTICO DA ARTE

UM LIVRO DE NELSON BRISSAC

2011-01-12
PAISAGENS CRÍTICAS

FILIPE PINTO

2010-11-25
TRINTA NOTAS PARA UMA APROXIMAÇÃO A JACQUES RANCIÈRE

PAULA JANUÁRIO

2010-11-08
NÃO SÓ ALGUNS SÃO CHAMADOS MAS TODA A GENTE

SHAHEEN MERALI

2010-10-13
O INFINITO PROBLEMA DO GOSTO

PEDRO PORTUGAL

2010-09-22
ARTE PÚBLICA: UM VÍCIO PRIVADO

FILIPE PINTO

2010-06-09
A PROPÓSITO DE LA CIENAGA DE LUCRECIA MARTEL (Sobre Tempo, Solidão e Cinema)

TERESA CASTRO

2010-04-30
MARK LEWIS E A MORTE DO CINEMA

FILIPE PINTO

2010-03-08
PARA UMA CRÍTICA DA INTERRUPÇÃO

SUSANA MOUZINHO

2010-02-15
DAVID CLAERBOUT. PERSISTÊNCIA DO TEMPO

SOFIA NUNES

2010-01-13
O CASO DE JOS DE GRUYTER E HARALD THYS

ISABEL NOGUEIRA

2009-10-26
ANOS 70 – ATRAVESSAR FRONTEIRAS

LUÍSA SANTOS

2009-09-21
OS PRÉMIOS E A ASSINATURA INDEX:

CAROLINA RITO

2009-08-22
A NATUREZA DO CONTEXTO

LÍGIA AFONSO

2009-08-03
DE QUEM FALAMOS QUANDO FALAMOS DE VENEZA?

LUÍSA SANTOS

2009-07-10
A PROPÓSITO DO OBJECTO FOTOGRÁFICO

LUÍSA SANTOS

2009-06-24
O LIVRO COMO MEIO

EMANUEL CAMEIRA

2009-05-31
LA SPÉCIALISATION DE LA SENSIBILITÉ À L’ ÉTAT DE MATIÈRE PREMIÈRE EN SENSIBILITÉ PICTURALE STABILISÉE

ROSANA SANCIN

2009-05-23
RE.ACT FEMINISM_Liubliana

IVO MESQUITA E ANA PAULA COHEN

2009-05-03
RELATÓRIO DA CURADORIA DA 28ª BIENAL DE SÃO PAULO

EMANUEL CAMEIRA

2009-04-15
DE QUE FALAMOS QUANDO FALAMOS DE TEHCHING HSIEH? *

MARTA MESTRE

2009-03-24
ARTE CONTEMPORÂNEA NOS CAMARÕES

MARTA TRAQUINO

2009-03-04
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA III_A ARTE COMO UM ESTADO DE ENCONTRO

PEDRO DOS REIS

2009-02-18
O “ANO DO BOI” – PREVISÕES E REFLEXÕES NO CONTEXTO ARTÍSTICO

MARTA TRAQUINO

2009-02-02
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA II_DO ESPAÇO AO LUGAR: FLUXUS

PEDRO PORTUGAL

2009-01-08
PORQUÊ CONSTRUIR NOVAS ESCOLAS DE ARTE?

MARTA TRAQUINO

2008-12-18
DA CONSTRUÇÃO DO LUGAR PELA ARTE CONTEMPORÂNEA I

SANDRA LOURENÇO

2008-12-02
HONG KONG A DÉJÀ DISPARU?

PEDRO DOS REIS

2008-10-31
ARTE POLÍTICA E TELEPRESENÇA

PEDRO DOS REIS

2008-10-15
A ARTE NA ERA DA TECNOLOGIA MÓVEL

SUSANA POMBA

2008-09-30
SOMOS TODOS RAVERS

COLECTIVO

2008-09-01
O NADA COMO TEMA PARA REFLEXÃO

PEDRO PORTUGAL

2008-08-04
BI DA CULTURA. Ou, que farei com esta cultura?

PAULO REIS

2008-07-16
V BIENAL DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE | PARTILHAR TERRITÓRIOS

PEDRO DOS REIS

2008-06-18
LISBOA – CULTURE FOR LIFE

PEDRO PORTUGAL

2008-05-16
SOBRE A ARTICIDADE (ou os artistas dentro da cidade)

JOSÉ MANUEL BÁRTOLO

2008-05-05
O QUE PODEM AS IDEIAS? REFLEXÕES SOBRE OS PERSONAL VIEWS

PAULA TAVARES

2008-04-22
BREVE CARTOGRAFIA DAS CORRENTES DESCONSTRUTIVISTAS FEMINISTAS

PEDRO DOS REIS

2008-04-04
IOWA: UMA SELECÇÃO IMPROVÁVEL, NUM LUGAR INVULGAR

CATARINA ROSENDO

2008-03-31
ROGÉRIO RIBEIRO (1930-2008): O PINTOR QUE ABRIU AO TEXTO

JOANA LUCAS

2008-02-18
RUY DUARTE DE CARVALHO: pela miscigenação das artes

DANIELA LABRA

2008-01-16
O MEIO DA ARTE NO BRASIL: um Lugar Nenhum em Algum Lugar

LÍGIA AFONSO

2007-12-24
SÃO PAULO JÁ ESTÁ A ARDER?

JOSÉ LUIS BREA

2007-12-05
A TAREFA DA CRÍTICA (EM SETE TESES)

SÍLVIA GUERRA

2007-11-11
ARTE IBÉRICA OU O SÍNDROME DO COLECCIONADOR LOCAL

SANDRA VIEIRA JURGENS

2007-11-01
10ª BIENAL DE ISTAMBUL

TERESA CASTRO

2007-10-16
PARA ALÉM DE PARIS

MARCELO FELIX

2007-09-20
TRANSNATURAL. Da Vida dos Impérios, da Vida das Imagens

LÍGIA AFONSO

2007-09-04
skulptur projekte münster 07

JOSÉ BÁRTOLO

2007-08-20
100 POSTERS PARA UM SÉCULO

SOFIA PONTE

2007-08-02
SOBRE UM ESTADO DE TRANSIÇÃO

INÊS MOREIRA

2007-07-02
GATHERING: REECONTRAR MODOS DE ENCONTRO

FILIPA RAMOS

2007-06-14
A Arte, a Guerra e a Subjectividade – um passeio pelos Giardini e Arsenal na 52ª BIENAL DE VENEZA

SÍLVIA GUERRA

2007-06-01
MAC/VAL: Zones de Productivités Concertées. # 3 Entreprises singulières

NUNO CRESPO

2007-05-02
SEXO, SANGUE E MORTE

HELENA BARRANHA

2007-04-17
O edifício como “BLOCKBUSTER”. O protagonismo da arquitectura nos museus de arte contemporânea

RUI PEDRO FONSECA

2007-04-03
A ARTE NO MERCADO – SEUS DISCURSOS COMO UTOPIA

ALBERTO GUERREIRO

2007-03-16
Gestão de Museus em Portugal [2]

ANTÓNIO PRETO

2007-02-28
ENTRE O SPLEEN MODERNO E A CRISE DA MODERNIDADE

ALBERTO GUERREIRO

2007-02-15
Gestão de Museus em Portugal [1]

JOSÉ BÁRTOLO

2007-01-29
CULTURA DIGITAL E CRIAÇÃO ARTÍSTICA

MARCELO FELIX

2007-01-16
O TEMPO DE UM ÍCONE CINEMATOGRÁFICO

PEDRO PORTUGAL

2007-01-03
Artória - ARS LONGA VITA BREVIS

ANTÓNIO PRETO

2006-12-15
CORRESPONDÊNCIAS: Aproximações contemporâneas a uma “iconologia do intervalo”

ROGER MEINTJES

2006-11-16
MANUTENÇÃO DE MEMÓRIA: Alguns pensamentos sobre Memória Pública – Berlim, Lajedos e Lisboa.

LUÍSA ESPECIAL

2006-11-03
PARA UMA GEOSOFIA DAS EXPOSIÇÕES GLOBAIS. Contra o safari cultural

ANTÓNIO PRETO

2006-10-18
AS IMAGENS DO QUOTIDIANO OU DE COMO O REALISMO É UMA FRAUDE

JOSÉ BÁRTOLO

2006-10-01
O ESTADO DO DESIGN. Reflexões sobre teoria do design em Portugal

JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO

2006-09-18
IMAGENS DA FOTOGRAFIA

INÊS MOREIRA

2006-09-04
ELLIPSE FOUNDATION - NOTAS SOBRE O ART CENTRE

MARCELO FELIX

2006-08-17
BAS JAN ADER, TRINTA ANOS SOBRE O ÚLTIMO TRAJECTO

JORGE DIAS

2006-08-01
UM PERCURSO POR SEGUIR

SÍLVIA GUERRA

2006-07-14
A MOLDURA DO CINEASTA

AIDA CASTRO

2006-06-30
BIO-MUSEU: UMA CONDIÇÃO, NO MÍNIMO, TRIPLOMÓRFICA

COLECTIVO*

2006-06-14
NEM TUDO SÃO ROSEIRAS

LÍGIA AFONSO

2006-05-17
VICTOR PALLA (1922 - 2006)

JOÃO SILVÉRIO

2006-04-12
VIENA, 22 a 26 de Março de 2006


'O QUE CALQUEI?' SOBRE A EXPOSIÇÃO UM MÊS ACORDADO DE ALEXANDRE ESTRELA



MADALENA FOLGADO

2022-02-25




 

 

Escrever tem vindo a constituir para mim uma oportunidade de encontro, de compreender um pouco mais sobre, mas principalmente de me posicionar sob, algo que desconheço. Há precisamente um mês ficou acordado com a ARTECAPITAL que escreveria sobre a exposição Um mês acordado, de Alexandre Estrela. Esta é uma aproximação que sinto como oportuna, e não tanto uma opinião; escreve-se a partir de um kairós e não tanto um chronos. Neste sentido, e por uma aproximação ser, vou fazer referência a alguns acontecimentos pessoais, que me aproximaram um pouco mais desta exposição. No passado dia 17, tive a oportunidade de ouvir o Alexandre Estrela falar presencialmente pela segunda vez. Agora, no contexto de uma visita guiada a Um mês acordado, com lugar na Galeria Zé dos Bois, com curadoria de Gerard Faggionato e Natxo Checa, e que esteve patente precisamente durante um mês, de 21 de Janeiro a 21 de Fevereiro de 2022.

Em ambas as vezes que ouvi o Alexandre Estrela falar presencialmente, deu a conhecer, e creio de maneira muito generosa, o modo como as suas instalações de vídeo surgiram; o modo como nos acontecimentos mais prosaicos e periféricos se instala uma tal lente – nós mesmos –, que simula essa causalidade maior [1] que sempre nos escapará – felizmente, para nosso descanso, e noites bem dormidas. Como mencionou na visita, a dada altura, alguns de nós passamos a crer que o sono pode ser descartável, o efeito de uma conspiração que nos impede de ficar extraordinariamente lúcidos e por exemplo descobrir padrões na música, ou criar os mais variados inventos. Diria que a criança que nos habita, ou a pulsão de criar, resiste ao sono para poder, enquanto o mundo dorme, “inventar um [outro] mundo da qual ela é o rei, o tirano do desejo do Tudo” uma vez que “O criador é uma criança invadida pelo desejo do tudo de que se deve fazer o luto” [2] – Ao, finalmente, dormirmos, enfrentamos essa outra pequena morte enquanto morte do eu, esse processo de rendição que é também o sono. É que cair no sono, pode um ser cair em si; ou em si, na nota musical. Ou pode ser ainda que nos erodamos numa queda infinita, como numa outra instalação vídeo de Alexandre Estrela, numa outra exposição [3].

Marie-José Mondzain diz-nos que “Quem quer tudo, quer reinar. Ora a imagem não é um reino. Qualquer arte é uma arte da imagem, quer essas imagens sejam da ordem visual ou não” [4]. Estou em crer que os movimentos serendipitosos que o Alexandre Estrela desencadeia, são obra das ninfas (mas já lá chegamos). Ainda segundo a filósofa “A criação só é possível se produzir a abolição dos reinos. Renunciar ao duplo gozo sucessivamente pelo prometido pelo Tudo e pelo Nada é o que constrói o advento da imagem” [5]. As projeções do Alexandre Estrela são armadilhas para ninfas, a saber, ninfa significa simultaneamente “fonte de água” e noiva, i.e., “jovem preparada para as núpcias”; numa síntese dos dois significados Apolo, deus da música, poesia, profecia, tiro ao arco, medicina, vida pastoril e…sol referia-se às ninfas como “águas mentais”; no mito, ele próprio toma a ninfa Telfusa [6].

As ninfas são as espectrais imagens artísticas, de natureza profética, não computáveis, o casamento é portanto de outra ordem de visível. Na origem do termo psiquiátrico ninfomania, está precisamente a ideia, segundo as investigações de Paracelso, o médico renascentista, que estas belas mulheres espectrais precisariam de copular com humanos e com eles terem filhos, para receberem uma alma, e tornarem-se então humanas [7], o mesmo que dizer materializarem-se. Roberto Calasso diz-nos que elas são “a matéria mental fremente, oscilante, brilhante de que são feitos os simulacros, os eídola. […] De cada vez que se divisa a Ninfa, vibra a matéria divina que se plasma nas epifanias e se introduz na mente, potência que antecede e sustem a palavra. A partir do momento em que essa potência se manifesta, a forma segue-a e adapta-se, articula-se segundo esse fluxo." [8]

Reformulando: As projeções do Alexandre Estrela são armadilhas para ninfas colocadas exatamente no limite entre o computável e o incomputável, precisamente na “superabundância do possível”. Ai mesmo, onde o autor do texto da folha de sala situa os “privados do conforto do sono, os loucos, os que estão num longo e cansado estado de vigília, [que] no seu devaneio, conhecem, recordam ou reconhecem os padrões infinitos, as imagens cintilantes, as figuras fumegantes que brilham na noite, repetindo-se, flutuando e morrendo” [9]. Não me refiro aos insones que, a altas horas da madrugada, por servidão voluntária, contribuem para a repetição desses outros padrões, talvez não tão luminosos, mas utilitariamente (militarmente) capturados pelos algoritmos das redes sociais. Ser de graça, não é Ser nem a graça ela mesmo (grace). Eles ou elas, e os seus discursos, confundem-se com os invasivos ‘ads’ que alimentam. Precisamos de desconforto: o dos insones, e o das instalações do Alexandre Estrela. Também  Daniel Faria, o poeta do verso do título, ou Rainer Maria Rilke, aos quais farei referencia em breve, conheceram esse desconforto. Sinto-os por isso mais próximos do Alexandre Estrela, do que desses lugares tornados tacitamente comuns, onde por vezes ficam reféns, via posts de citações. É em parte essa a pro-vocação, do título. O Alexandre Estrela disse-nos na visita que gostava de fazer posters, o poster azul que aqui publico, desenhado por Ana Baliza, é uma fotografia do que levei para casa, disponível a quem visitasse a exposição.

Certo é que o mundo está encantado [10], no texto da folha de sala é mencionado esse riso cúmplice bergonsiano para com os insones, o artista, e as repetições. Também eu no decurso da escrita deste ensaio me ri, entre muitas outras coisas, do surgimento do tema das ninfas, cujo desenvolvimento ficará para outro momento. Ri ainda, e por relação a uma das obras Universal Score, no qual a imagem “cintila a duas velocidades” [11], de como em tempos – insones – a minha mente tentava fazer coincidir o movimento oscilante da sombra dos ramos de uma árvore, que finalmente vim a descobrir qual era, porque atravessava um enfiamento muito improvável até chegar ao quarto onde trabalho, com uma música eletrónica que o algoritmo do YouTube me predestinava naquele instante. A sombra dos ramos deste álamo – do género científico populus, vim mais tarde a saber – dançava ao som de Populous, um projeto de um músico italiano, que o algoritmo me apresentava naquele instante, não particularmente do meu agrado. Despidos pelo Inverno, num destes dias em que escrevo, os ramos dançavam apresentando-se como delicados vasos sanguíneos, já não em três, mas em quatro orifícios das persianas (a outra velocidade). Fotografei com o telemóvel: desenham quatro A’s…tamanha a eficiência energética: “A questão da criação torna-se assim, inseparável do seu destino, fazer alguma coisa é fazer o luto do tudo para recorrer à superabundância do possível” [12].   

O que o Alexandre Estrela faz é então, e prosseguindo na superabundância do possível o seguinte: “se eu me concentrar num fragmento de tempo / não é hoje, nem amanhã / mas se eu me concentrar num fragmento de tempo, / agora, / esse fragmento revelará todo tempo”. [13] Cito Maria Gabriel Llansol, e o Livro das Comunidades. A sua obra é um portal para o lugar-comum, mas não esse, o das banalidades. A primeira vez que me cruzei com este livro ri-me cumplicemente quando li as notas de rodapé. Nesta obra, assim como em outras, a escritora dá-nos a ver anacronismos enquanto “temporalidades heterogéneas a trabalhar em consonância” [14], constelações, que se abrem na aceitação do que está disponível agora; no disparo da intuição. A intuição tem qualquer coisa, a meu ver, de um testemunhar de um desdobramento, revelando posteriormente como uma causalidade maior se ri de nós, na manipulação da nossa atenção – a atenção é precisa e preciosa, a mais valiosa mercadoria. A escritora faz-nos nessas mesmas notas de rodapé saber que descobriu a origem de termos, de coincidências não-programadas em geral, depois do disparo desse “agora”, razão pela qual dei eu também o meu exemplo, o da projeção no meu quarto. Maria Gabriela Llansol cria assim no legente espaço para a aparição, para o tal “advento da imagem” em-cada-um-de-nós, despossessando o lugar-comum [15].

As ninfas, de acordo com a reflexão de Calasso trazem com elas a luz, mas também a tentação do conhecimento por posse; a sombra do poder [16]. Para que não restem dúvidas, as ninfas não são objetivamente mulheres, note-se o exemplo da ninfa dargeriana, referido por Agamben [17]. O perigo é a violência dessa tomada de posse pelos algoritmos que, afinal, somos nós. Quando o ego – ou o desejo do Tudo, aliado à mania, e à necessidade de aparecer – nos torna ninfomaníacos: Na tentativa de ter uma alma, vendemo-la ao diabo, a saber, nós mesmos. Para que possamos perceber o que é uma coincidência não-programada, o Alexandre Estrela mostra-nos como se programa uma coincidência [18], aquilo ao qual os algoritmos respondem, sabendo que a nossa mente está desenhada para encontrar sentido. Referiu na visita que procurou encontrar uma maneira de fazer com que nossa perceção fizesse um pequeno esforço ativo, para que toda a atmosfera insone por ele criada fizesse sentido. E, que na realidade não faz. Fomos portanto convidados a ser mais conscientes desta nossa habilidade, a de nos sincronizarmos e criar sentido, e perceber o quão a nossa atenção é desviada e vendida ao desbarato. E, ainda, que enquanto a aproximação não é a sorte grande, we better fake it until e make it. 

Como referiu, nas instalações-vídeo, os batimentos de imagem estão quase subtilmente sincronizados com o som, constituem uma espécie de stacattos de som e de imagem, criando portanto interrupções. Giorgio Agamben, referindo-se às ninfas, fala-nos precisamente dessas pausas carregadas de tensão, de tempo, fazendo referência à “phantasmata”, um estilo presente no Tratado da Arte da Dança e Coreografia, escrito no século XV, por Domenico da Piacenza, no qual este ensina:

 

I say that whoever wants to learn this art, needs to dance through phantasmata; note that phantasmata are a kind of corporeal swiftness that is controlled by the understanding of the measure…This necessitates that at each tempo you appear as if you had seen Medusa’s head, after having performed the movement, you should appear entirely made of stone in that instant and in the next you should put wings like a falcon moved by hunger, according to the above rule, that is to say, employing measure, memory, manner with measure of ground and air. [19]

 

Suspendamos desta citação o aspeto corpóreo para daqui a pouco, com Daniel Faria. Quando os stacattos de som e imagem, aqui em relação com a phantasmata, são suspensos alternadamente – como aliás os ecrãs se encontram, i.e., suspensos por cabos –, referentes a duas das três projeções de vídeo, Um mês acordado de 2018 e Universal Score de 2019, apercebemo-nos de uma espécie de espessura pétrea dos ecrãs. Como referiu Alexandre Estrela, as imagens projetadas querem ser esculturas, precisam de uma certa complementaridade, ser embebidas na História da Arte, sem nunca o chegar a ser. Os ecrãs aludem talvez por isso à escrita cuneiforme, e às ninfas, na medida em que, uma vez mais como referi, precisam elas mesmas de uma complementaridade para ganhar alma; ou, simplesmente, de camadas de informação geológica; i. e., serem saturadas de tempo.

Retomando Llansol, e a concentração ou a atenção, e deste modo, a maneira como Alexandre Estrela 'arrisca' Um mês acordado, de 2018, numa série de instantes, em tempo real, i.e., a criação de um filme experimental – a instalação ela mesma. Segundo o que o próprio relatou, já a altas horas da madrugada, e extremamente cansados, o artista convida o engenheiro com quem estava naquele momento a trabalhar, a aprender como se fazia um filme experimental, a partir da projeção de uma imagem estática num acrílico rotativo. Ao deparar-se com o que via, o engenheiro diz-lhe que o que vê o lembra do que via quando alucinou, por estar um mês acordado. Eis que inicia a gravação de voz do então depoente e a sua, e em loop. Nada mais do que ouvimos na exposição, a par de qualquer coisa como uns sons drone, i.e., zumbidos, e/ou sirenes, todos eles intensamente audíveis, mas como se capturados muito perifericamente, o que de facto nos remete para a desconcertante perceção insone do mundo. Ainda segundo o artista e a propósito da espessura dos ecrãs, a partir das imagens próximas ao que se poderia ver em modo de alucinação, Alexandre Estrela decide torna-las ainda mais concretas; como se a alucinação evoluísse para um encontro de terceiro grau, criando então um relevo em sua função no ecrã.

A exposição começa com Van Allen Belt, de 2019, o que pode em modo insone sugerir, pela homofonia, o nome da extinta banda de rock. Este título refere-se antes a uma teoria conspiracionista, de que existe à volta da Terra uma camada de irradiação enorme, que impede a matéria viva de sair e entrar da nossa atmosfera. O que vemos filmado é o nascer do sol e ocaso em Timor, interessou-lhe criar uma imagem global de energia, o que pressupôs projetar as imagens de ambos os momentos em diálogo, i.e., polarizando-se. Como mencionou, em calmaria e excitação, resultando num efeito flitter, uma vez mais, segundo o artista, um clássico do cinema experimental. O ecrã torna-se então uma camada espessa e impeditiva para dar lugar a uma projeção; e, uma projeção é uma imagem com informação. O ecrã está perfurado, os seus quatro furos atravessam a barreira, podemos vê-los projetados na parede atrás do ecrã, segundo Alexandre Estrela: A matéria não sai…mas as imagens saem da nossa realidade. Como as ninfas, digo eu. 

Desta primeira sala, passamos para a seguinte com Um mês acordado e Universal score, que se repetem, respetivamente, duas e uma vez, nas demais salas. Mas não sabemos ainda o que sucede; é que por um lado cada projeção constitui em si mesma um apelo a sincronizarmos a informação áudio e visual, o que como referi, não acontece intencionalmente por um triz. Por outro, cada projeção está de facto sincronizada com a sua(s) gémea(s) nas demais salas, dando a ver o relevo dos ecrãs, quando suspensas. Diria, estimulando também uma certa paranoia; um efeito de gaslighting, segundo o artista, como se as projeções nos fossem seguindo e se tornassem uma máquina que se vai equilibrando e desequilibrando, numa única imagem global, participada pela nossa tentativa de sincronização. Alexandre Estrela falou-nos ainda sobre como criou o ecrã de Universal Score: Encontrou um manual de gravura antigo, e criou um desenho no interior do retângulo, na própria placa de impressão, placa essa a partir da qual foi feita uma réplica, o ecrã desta projeção de vídeo. Nesta projeção, como refere, a pauta das pautas, procurou uma espécie de universalismo da música contemporânea, sugerido pelas inúmeras e sucessivas possibilidades de inflexões decorrentes das tentativas de sincronização entre som e imagem, uma vez mais, abrindo espaço para a aparição da imagem, nas suas palavras, para a criação das muitas pautas subjetivas.

Na minha prática meditativa, procuro sempre um som drone ao redor para me concentrar; a não haver melhor, o som de um simples ar condicionado resulta, enquanto a comunicação extraterrestre possível. Como também, de um modo geral, recordo como no meu tempo de 'directas' este tipo de som abria uma espécie de portal-canal de concentração, que persistia, mesmo quando, por exemplo, o zumbido do frigorífico que o escavava parava. Alexandre Estrela fez referência ao seu interesse por música drone, de como foi à procura de música deste tipo, para fazer com que passasse por um acrílico em rotação, e por conseguinte, desse batimento surgisse uma espécie de flutuação. Creio que todos procuramos (mesmo os que não sabem) essa tal “melodia de fundo” que Rainer Maria Rilke nos fala, que nos demanda uma escuta ativa e uma boa dose de solitude (ainda que em Um mês acordado não haja de todo uma melodia): “Aquele que captasse toda a melodia, seria em simultâneo o mais solitário e o mais inserido na comunidade. Isto porque ouviria o que ninguém ouve e porque só ele compreende, na sua plenitude, o que os outros, por muito que se esforcem, só distinguem de uma forma obscura e incompleta”. [20] Será talvez este o espírito de certos insones, e de suas criações noturnas. Por vezes, a melodia dá lugar ao seu contrário, para que possamos, por oposição, testemunhar renovadamente o continuum.

No texto da folha de sala, Marco Bene faz referência à projeção de vídeo de Alexandre Estrela do seguinte modo: “Como uma pele fina, a imagem cobre o ecrã e os seus contornos”. Refere também que Um mês acordado alude às imagens de cores fluorescentes que vemos quando pressionamos as pálpebras; os fosfenos, que são fenómenos entópticos. Mais corporeamente ainda, recordo-me de um insight que tive a propósito de um poema de Daniel Faria, imediatamente antes do poeta e eu cairmos no sono, no qual  pergunta: “O que calquei?”. Naquele instante, percebi que as pétalas de algumas flores, como as rosas, têm a mesma textura das nossas pálpebras, no gesto de delicadamente esfregar os olhos com sono antes de dormir. As consequências deste insight operaram a um nível mais profundo, do inconsciente, que não cabe aqui desenvolver. Antes de visitar a exposição, ainda que a visita guiada estivesse marcada cedo, às 18h30, havia dormido muito pouco, estava cheia de sono. Por volta da hora registada no screenshot, consultei o site da ZDB, para rever a hora e preparar-me para o que ia ver. Eis que, entre eventos, me deparo com a imagem de um dos membros do projeto musical Bandua, a fazer o mesmo gesto. Uma coisa é certa, os ecrãs do Alexandre Estrela são bem distintos dos ecrãs dos nossos smartphones, não têm a perigosa polidez, e por conseguinte, a falta de resistência que Byung-Chul Han refere, mas também não têm a suavidade das pétalas de rosa, nem tampouco avistamos ninfas…O que esta exposição tem, é com certeza a dose certa de desconforto para que nos mantenhamos acordados.

"Foram pétalas / Ou olhos de deusas / O que calquei? // Não / Não digam // Eu sei / Que foram sonhos". [21]

Agora sim, boa noite. 

 

Madalena Folgado

É mestre em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Artes da Universidade Lusíada de Lisboa e investigadora do Centro de Investigação em Território, Arquitetura e Design; e do Laboratório de Investigação em Design e Artes, entre outras coisas. 

 

::: 

 

 Notas

[1] Situo a noção de causalidade em Timothy Morton, “What If Art Were a Kind of Magic?” in Art Review, 10 December 2015,  https://artreview.com/november-2015-feature-timothy-morton-charisma-causality/ acedido virtualmente a 24 de Fevereiro 2022. 
[2] Marie-José Mondzain, "Nada Tudo Qualquer Coisa. Ou a arte das imagens como poder de transformação", in AAVV, A República Por Vir, org. Rodrigo Silva e Leonor Nazaré, 2010, p. 114.
[3] Instalação vídeo Third Reason, de 2021, na exposição com o mesmo nome, com curadoria de Natxo Checa, que esteve patente na galeria Rialto6, de 15 de Setembro de 2021 a 14 de Janeiro de 2022. 
[4] Marie-José Mondzain, op. cit., p.114
[5Ibid. p.112.
[6] Roberto Calasso, "Águas Mentais" in Roberto Calasso, A Literatura e os Deuses, 2003, p. 34. 
[7] Giorgio Agamben, Nymphs, London, New York, Calcutta, Seagull Books, p.45.
[8] Roberto Calasso, op. cit., p.35.
[9] Marco Bene, in Um mês acordado, (texto da folha de sala da exposição).
[10] Cf. Erika Fisher-Lichte, Estética do Performativo, Lisboa, Orfeu Negro. Refiro-me à ideia de "reencantamento do mundo", que perpassa esta obra, na qual um novo ilumisnismo tem um papel preponderante, não no sentido de anular o mistério, antes, de celebrar o espanto, que emerge das mais recentes descobertas científicas. 
[11] Marco Bene, op.cit..
[12] Marie-José Mondzain, op. cit., p.107.
[13] Maria Gabriel Llansol, O Livro das Comunidades, Porto, Afrontamento, 1977, p. 76.
[14] Georges Didi-Huberman, Diante do tempo: História de arte e o anacronismo das imagens. Lisboa, Orfeu Negro, 2017, p.156.  
[15] Cf. Silvina Rodrigues Lopes, Teoria da Des-possessão, Lisboa, Averno.
[16] Roberto Calasso, op. cit., p.33.
[17] Giorgio Agamben, op cit., pp. 16,17, 18. O pensador dá como exemplo o extraoridinário processo de montagem do artista, assim considerado postumamente, Henry Darger. 
[18] A expressão "coincidência programada" foi encontrada por Marco Bene no texto da folha de sala. 
[19] Giorgio Agamben, op cit, pp. 7, 8.
[20] Rainer Maria Rilke, Notas sobre a melodia das coisas, Sl, Licorne, 2014, p. 46.
[21] Daniel Faria, Poesia, Lisboa, Assírio e Alvim, 2015, p. 437.