Links


ARTES PERFORMATIVAS


CINEMA INSUFLÁVEL: ENTREVISTA A SÉRGIO MARQUES

LIZ VAHIA

2023-08-10



 

© Renato Cruz Santos

 

O Cinema Insuflável é uma sala de cinema itinerante com 30 lugares, destinada ao público infantil. É um projecto português da associação cultural Figura Nacional, criado em 2018, e que tem circulado por todo o país e também por alguns sítios além fronteira, fazendo parte da rede Europa Cinemas.

É uma sala de cinema que pode estar todos os dias em sítios diferentes. É um espaço que pretende levar o cinema de qualidade onde não existem ofertas na área, e constituir, muitas vezes, a primeira experiência das crianças com o cinema.

Em junho passado, o Cinema Insuflável ganhou o prémio Acesso Cultura nas vertentes acesso social, físico e intelectual. A Artecapital aproveitou para conversar com Sérgio Marques, autor, coordenador e produtor deste projecto e de vários outros ligados à promoção do cinema, sobre a génese do Cinema Insuflável e a sua missão de “insuflar cinema na cabeça das crianças”.

 

Por Liz Vahia

 

 

 

 

 

LV: Como se deu a génese da ideia de uma sala de cinema itinerante, especialmente dedicada a crianças? Foi uma resposta técnica e programática à falta de espaços de exibição de cinema em muitas zonas de Portugal?

SM: Partiu essencialmente da minha experiência com o cinema ao ar livre e com a construção de sessões que fossem adequadas a cada contexto. Foi assim com o Cinema Fora do Sítio no Porto e no Algarve, com o Fitas na Rua em Lisboa e outros projectos que tinham a intenção de criar encontros entre filmes e públicos. O cinema ao ar livre necessita da noite para acontecer e, por isso, o público infantil muitas vezes falha nestas sessões. Além disso, Portugal é um país muito desigual em termos de oferta cultural. As possibilidades em Lisboa e no Porto são muito diferentes da oferta no resto do país e isto é muito injusto para a população.
A intenção era construir um dispositivo que criasse a ideia de sala de cinema, digna e com excelência técnica, que pudesse oferecer a experiência do escuro durante o dia e que fosse itinerante, de fácil montagem/desmontagem e transporte. No princípio era uma ideia, depois fui fazendo estudos em fábricas de insufláveis, com técnicos de cinema e com um designer. Foi um processo longo.
Já existem muitas formas de ver filmes, inclusive em sala de aula, mas é mais estimulante num cinema, num espaço feito propositadamente para esses momentos. O Cinema Insuflável é mesmo uma sala de cinema, é a sala de cinema das crianças. Muitas vezes somos a primeira sala de cinema onde as crianças vão.
Já sabia que existia um enorme défice de programas de cinema para a infância no país, mas não contava que o Cinema Insuflável tivesse tanta pujança como revelou desde o seu início em 2018. Ainda agora, em 2023, continuamos a circular a partir de pedidos que nos chegam.
Alguns pedidos vêm de autarquias ou entidades que podem assumir os custos associados às sessões de cinema, mas muitos são de escolas, Juntas de Freguesia, Associações de Pais, que não conseguem suportar os custos. Nestes casos, fazemos candidaturas ao ICA (Instituto do Cinema e Audiovisual) para pedir financiamento para responder a estas solicitações. Infelizmente nunca conseguimos apoios suficientes para cumprir todos os pedidos, nós somos uma associação sem fins lucrativos.

 

© Cultura em Expansão

 

LV: A missão do projecto é “insuflar cinema na cabeça das crianças”. O que querem dizer com isso?

SM: Em Inglaterra, nos anos 1990, havia uma campanha de promoção da leitura com o lema “blow your mind, read a book”. Acho que o cinema tem o mesmo poder de explodir a mente. De nos fazer pensar em novos assuntos, encontrar outros mundos ou até nos fazer encontrar connosco mesmos (isto parecem frases de livros de auto-ajuda, desculpa), mas é mesmo preciso multiplicar a vida, senão tudo parece pequeno e insuficiente. O Cinema, ou os livros, ou qualquer criação, pode ser muito potente e isso é tão importante como comer ou dormir, acho eu. Sem isso a vida é muito pouco, e toda a gente deveria ter disponível e poder usufruir desse lado da existência. Mas ainda não há um acesso igual para todos, em Portugal não há seguramente.

 

LV: Parece-te importante promover a “experiência de espectador de cinema” logo desde pequeno (em oposição a ver um filme em casa, por exemplo)?

SM: Não é opor uma experiência à outra. Acho que somos espectadores sempre, em todos os contextos, e é difícil medir os diferentes impactos. Acho que o trabalho é feito mais como uma hipótese. Ou seja, partimos do princípio que nunca sabemos quando acontece o momento em que alguém descobre, a partir do visionamento de um filme, que há muito para descobrir, aprender, crescer e se emocionar. Há uma frase do Serge Daney que diz o que eu quero dizer de uma forma perfeita: “O encontro baseia-se na certeza instantânea de que este filme, que me esperava, sabe algo da minha relação enigmática com o mundo, que eu próprio ignoro e que contém algo como que um segredo por decifrar”.
Gostava que toda a gente descobrisse isto, até porque eu o descobri em criança, numa sala de cinema, e a partir desse momento fiquei com disponibilidade mental para os filmes. Talvez seja a mesma coisa que a descoberta da literatura, houve seguramente um livro (não necessariamente o primeiro) que, depois da sua leitura, me informou que os livros trazem coisas que me podem fazer multiplicar a vida. Esse livro disse-me que posso continuar a procurar noutros livros coisas que nem sabia que precisava de descobrir. Isto faz com que olhe para cada livro como uma possibilidade de descoberta, como uma aventura a viver.
O que acho mesmo muito importante é que possamos ter um olhar mais vasto, que vá mais longe, que esteja mesmo disponível para novas aventuras. E, para isso acontecer, primeiro é preciso que se criem momentos de encontro com os filmes. Há mesmo imensas coisas criadas que são explosivas para a cabeça e é preciso mostrá-las. Criar o momento em que há esse encontro é mais a nossa missão, depois o que pode acontecer a seguir já não é connosco. Mas dou-te um exemplo, em alguns contextos no Cinema Insuflável mostramos uns excertos dos filmes de Chaplin e de Buster Keaton às crianças. Fazemos uma apresentação das personagens, explicamos que o Chaplin é uma personagem pobre, que o Keaton nunca sorri, que lhes acontecem muitas coisas engraçadas, que aquelas imagens têm mais de 100 anos e que naquela altura não havia efeitos especiais, nem computadores. Vemos as reações que as crianças trazem ao ver aquelas imagens e tentamos demonstrar como eram criativos e engenhosos ao fazerem aqueles filmes. Depois dizemos que podem ver os filmes completos em casa, que estão todos no YouTube.
Voltando à questão da experiência do espectador, acho que somos espectadores no cinema, no telemóvel, no sofá da sala, precisamos é de libertar o nosso olhar e ser espectadores de mais coisas do que aquilo que nos chega com muito marketing, muita manipulação. Estamos sempre a ver imagens em movimento, era muito melhor se estas fossem coisas boas, e há tantas a serem produzidas a todo o momento. Também podemos ir crescendo com o que vamos vendo.
Acho mesmo que estar em contacto com bom cinema nos faz exigir mais dos filmes. Sem preconceitos, porque acho que há bom cinema para crianças vindo da Pixar/Disney, da Manga e, também do Irão.

 

© Cinema Insuflável

 

LV: O Cinema Insuflável tem um Manifesto que termina dizendo que “Entrar no cinema insuflável é encontrar-se com a alteridade que os filmes trazem”. Hoje é quase subversivo alguém querer “encontrar-se” com o que é diferente, quando parece que a oferta que nos chega é sempre do que já conhecemos ou de opiniões semelhantes à nossa. Achas que a aproximação ao Outro (outras visões, outros espaços, tempos, comportamentos...) é um dos poderes do cinema?

SM: É um dos poderes do Cinema e da Arte em geral. Com o cinema talvez seja mais fácil porque consumimos muitas imagens e o cinema é um produto de fácil acesso, em casa, nos vários canais disponíveis, na internet, e até acho que a pirataria tem tido um papel fundamental nessa acessibilidade (falo da consequência em si, não estou a emitir uma opinião sobre a pirataria). Por exemplo, em Portugal, nos sites piratas é possível ver filmes e séries e há muita diversidade, incluindo cinema clássico e cinema português, e até estão disponíveis filmes de Bollywood. E pelo pouco que conheço do Cinema de Bollywood, este tem a mesma qualidade que o Cinema Americano, ou seja, boa técnica, tem as suas estrelas e filmes assinados por realizadores reconhecidos, porque não vemos também esse cinema? Em Portugal, no século XXI, ninguém consome cinema de Bollywood, só a comunidade imigrante, e isso tem a ver com o poder da máquina do Cinema americano que consegue dominar e seduzir todo o público. Até o Cinema europeu já tem uma estratégia para se impor no mercado, com as cotas nas salas de cinema em toda a Europa. A pirataria tem muito poder neste momento e gostava que se estudasse mais sobre isso, acho que está a mudar hábitos e gostava de saber se está a mudar a disponibilidade do olhar. Surpreende-me saber que alguns jovens assistem a séries completas, cerca de 10 horas seguidas. Será que não estão também a aprender com esse visionamento? A ser público mais exigente? Ou só estão a repetir um formato igual vezes sem conta?
Uma das coisas que nós temos apreendido com as crianças, desde que lançámos o projecto em 2018, é que as crianças são exigentes com os filmes e com as histórias. Podemos fazer uma escolha muito cuidada, uma seleção de curtas que achamos perfeita para um determinado grupo de crianças, mas o que lhes vai tocar é inesperado. Pode ser porque naquele dia, naquela hora, estavam mais disponíveis para um determinado assunto, ou porque estavam mais sérios ou mais leves, porque o espaço estava mais confortável, por terem um amigo que experienciou algo como no filme... Programar cinema é como uma experiência científica, partimos de uma hipótese, depois ao testar descobrimos que existem inúmeros factores que intervém na acção, a realidade. Se a hipótese não ficou provada, tentaremos outra.

 

© Cinema Insuflável

 

LV: O Cinema Insuflável já viajou para fora de Portugal. Como é que aconteceu (e acontece) a “internacionalização” do projeto?

SM: Quando lançámos o projecto, a equipa constatou que era preciso uma diversidade de curadorias para cumprir com a missão da pluralidade de filmes, intenções e temas. Foi feita uma aproximação a festivais de cinema de todo o mundo e a entidades que trabalham a programação de cinema para a infância, auscultando a possibilidade de partilharem connosco os seus programas de cinema para serem mostrados em Portugal, nas sessões do Cinema Insuflável. Foi muito profícua esta partilha e percebemos, por exemplo, que os filmes que são mostrados na Suécia são muito diferentes dos filmes mostrados no Brasil, e isso é muito rico.
Simultaneamente, entrámos na ECFA - European Children’s Film Association, que é uma rede onde estão todos os festivais e entidades que trabalham o cinema para a infância na Europa. A partir daqui o projecto foi logo acolhido como uma ideia original e uma solução para fazer circular mais o cinema de qualidade a mais crianças. Em 2022, surgiram os primeiros convites para circular por festivais europeus, fomos à Bélgica, Suécia, Noruega e Países Baixos. Em 2023 já estivemos na Roménia e vamos voltar aos Países Baixos em Outubro. Paralelamente, tenho sido convidado para participar em encontros internacionais para falar do projecto.
Neste momento estamos a construir um segundo Cinema Insuflável (em parceria com dois festivais de cinema) que vai servir dois países: a Bélgica e os Países Baixos. Dois festivas de Cinema, o JEF na Antuérpia e o Cinekid em Amesterdão, vão partilhar uma réplica do nosso Cinema Insuflável para circular com os seus programas por vários territórios.
Isto é um grande reconhecimento para nós, termos o nosso projecto replicado em dois países, sendo que o festival Cinekid é o principal festival de cinema para a infância da Europa.
Mas nós somos mais utópicos. Quando criámos o projecto, era para que o cinema de qualidade chegasse a sítios onde faz mais falta e, por isso, agora, queremos muito fazer chegar o Cinema Insuflável a países de África e aos campos de refugiados que existem na Europa. Para os países de África precisamos de arranjar alguém que financie a construção de um novo objecto que sirva alguns países e teríamos de dar formação a uma equipa local. Estamos a falar com entidades na Dinamarca que já desenvolvem alguns projectos de cinema na Tanzânia e no Ruanda.
Angola e Moçambique estão também na nossa mira, mas é muito difícil conseguir financiamento. Quanto à deslocação do Cinema Insuflável a campos de refugiados, já auscultamos várias pessoas que trabalham nos campos e que consideram essencial a ideia de levar cinema às crianças, criar momentos de lazer e esperança. O problema é mesmo o financiamento, já sondámos algumas fundações, não é fácil, mas não costumo desistir rapidamente. O Cinema Insuflável esteve em projecto 8 anos até se concretizar.

 

:::

 

Sérgio Marques (Porto, 1971)
Desde 2012 entre Lisboa e o Porto Frequentou, sem concluir, o curso de Professores de Educação Visual e Tecnológica da ESE, IPP, Porto. Frequentou várias formações, a destacar: FAZ IOP – Formação Empreendedores Sociais – Fundação CalousteGulbenkian -2011 ; What’s the sound of the borders in Porto? Workshop ULTRA-RED/Fundação Serralves – 2011; Estratégias de Programação Cultural, SETEPÉS 2004; Direitos dos Imigrantes, CES FACULDADE de ECONOMIA da Universidade de Coimbra 2004; Gestão Estratégica de Públicos, PORTO 2001 SA/AEP. É autor e coordenador dos projetos originais da Associação Cultural Figura Nacional, alguns exemplos: CINEMA INSUFLÁVEL; CLUBE DE CINEMA DE CAMPANHÃ - EEA Grants/ FCG; RISING CINEMA - Colaborate to Inovatte /Europa Cinemas; VIDEO LUCEM - Cineclube de Faro/ 365 Algarve; CAMPANHÃ É A MINHA CASA - ICA; NOVE E MEIA - CINECLUBE NÓMADA - Cultura em Expansão /CM Porto; FITAS NA RUA - EGEAC/CM Lisboa.
Autor, coordenador, diretor de produção, diretor técnico de vários projetos, próprios e de outras entidades. Colaborou com entidades em todo o país: INATEL, SERRALVES, CCB, CM PORTO, ICA, CM LISBOA, entre outras.




Outros artigos:

2023-12-15


CAFE ZERO BY SOREN AAGAARD, PERFORMA - BIENAL DE ARTES PERFORMATIVAS
 

2023-11-13


SOBRE O PROTEGER E O SUPLICAR – “OS PROTEGIDOS” DE ELFRIEDE JELINEK
 

2023-10-31


O REGRESSO DE CLÁUDIA DIAS. UM CICLO DE CRIAÇÃO DE 10 ANOS A EMERGIR DA COLEÇÃO DE LIVROS DO SEU PAI
 

2023-09-12


FESTIVAL MATERIAIS DIVERSOS - ENTREVISTA A ELISABETE PAIVA
 

2023-08-10


CINEMA INSUFLÁVEL: ENTREVISTA A SÉRGIO MARQUES
 

2023-07-10


DEPOIS DE METADE DOS MINUTOS - ENTREVISTA A ÂNGELA ROCHA
 

2023-05-20


FEIOS, PORCOS E MAUS: UMA CONVERSA SOBRE A FAMÍLIA
 

2023-05-03


UMA TERRA QUE TREME E UM MAR QUE GEME
 

2023-03-23


SOBRE A PARTILHA DO PROCESSO CRIATIVO
 

2023-02-22


ALVALADE CINECLUBE: A PROGRAMAÇÃO QUE FALTAVA À CIDADE
 

2023-01-11


'CONTRA O MEDO' EM 2023 - ENTREVISTA COM TEATROMOSCA
 

2022-12-06


SAIR DE CENA – UMA REFLEXÃO SOBRE VINTE ANOS DE TRABALHO
 

2022-11-06


SAMOTRACIAS: ENTREVISTA A CAROLINA SANTOS, LETÍCIA BLANC E ULIMA ORTIZ
 

2022-10-07


ENTREVISTA A EUNICE GONÇALVES DUARTE
 

2022-09-07


PORÉM AINDA. — SOBRE QUASE UM PRAZER DE GONÇALO DUARTE
 

2022-08-01


O FUTURO EM MODO SILENCIOSO. SOBRE HUMANIDADE E TECNOLOGIA EM SILENT RUNNING (1972)
 

2022-06-29


A IMPORTÂNCIA DE SER VELVET GOLDMINE
 

2022-05-31


OS ESQUILOS PARA AS NOZES
 

2022-04-28


À VOLTA DA 'META-PERSONAGEM' DE ORGIA DE PASOLINI. ENTREVISTA A IVANA SEHIC
 

2022-03-31


PAISAGENS TRANSDISCIPLINARES: ENTREVISTA A GRAÇA P. CORRÊA
 

2022-02-27


POÉTICA E POLÍTICA (VÍDEOS DE FRANCIS ALŸS)
 

2022-01-27


ESTAR QUIETA - A PEQUENA DANÇA DE STEVE PAXTON
 

2021-12-28


KILIG: UMA NARRATIVA INSPIRADA PELO LOST IN TRANSLATION DE ANDRÉ CARVALHO
 

2021-11-25


FESTIVAL EUFÉMIA: MULHERES, TEATRO E IDENTIDADES
 

2021-10-25


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO
 

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS