Links


ARTES PERFORMATIVAS


PORÉM AINDA. — SOBRE QUASE UM PRAZER DE GONÇALO DUARTE

CATARINA REAL

2022-09-07



 

                          Quase um prazer @Stolen Books

 

 

Quase Um Prazer, de Gonçalo Duarte, é um livro que reúne uma selecção de desenhos realizados no rescaldo da agitação pandémica e que ao longo do tempo foram acumulados em pilhas. Desenhados originalmente a acrílico são atravessados por perigos e ruínas dos quais podemos depreender episódios breves de uma funesta visão sobre o mundo. 

Lançado pela Stolen Books, no ainda-estranho ano de 2022.

de resto...

Quase Um Prazer é construído da mesma maneira que um outro artista, francês, dizia fascinado quanto a um outro artista elaborador de romances: juntam-se desenhos e decide-se que é um livro. Isto quer dizer que qualquer momento — o narrativo, o narrativo ilustrado, ou aquele que se remete a um mutismo qualquer — pode ser reunido com outros, parentes ou dissemelhantes, e assim contar histórias, várias, e variadas. Isto é uma liberdade; um livro não é construído, constrói-se.

 

 

       

 Quase um prazer @Stolen Books                                           

 

                                                                                                                          

Se o marco pandémico lhes poderá, a estes desenhos reunidos em livro por Gonçalo Duarte, dar um tom de desconfiança — ou desesperança? — para com o mundo, que nos terá tocado a todos, pode-se também ver que a emoção comum já lá estava mesmo antes de ser partilhada. Chamar-lhe-ei desilusão sem horizonte, que não será o mesmo que uma visão depressiva ou afundada de mundo, mas antes o marasmo em que qualquer movimento parece ficar condenado aos mesmos resultados. Não fossem as três cores da risografia em que acabou por ser impresso, ter-lhe-ia tanto receio como aos mais certeiros aforismos de Cioran. É que a consciência da ruína que nos circunscreve e o perigo que ela mesma é para as ilusões que vamos fundando para suportar o peso (ou o aborrecimento) do mundo é de um veneno lento, muito mais eficaz, do que o da víbora cornuda ou dos rastejantes patetas.

Um livro cheio de contradições, como um comentário documental ao mundo, cheio de peso que se tenta aligeirar pela cor, e com desenhos repletos de verdade. Bem, da verdade que está à mão de cada um de nós e que não poderá inevitavelmente estar longe das pontas soltas, estratégias e desenlaces que são incompreensíveis. Sentidos, nem sempre consentidos, então repletos de verdade. Pontualmente marcados por uma ou outra mentira que pareceu permitir ao autor que a ainda-ideia de livro se mantivesse. Atenção, que a mentira cheira-se. Possibilidades novas também, mas para tal a linha de visão baixa ainda não é suficiente. Livros, desenhos, mantemos o vocabulário.

Os movimentos de transformação das imagens são lascivos o suficiente para a brutalidade de determinados cortes nos trazer de volta — consecutivamente deixamos de ser enganados, para voltarmos a ser enganados. Isto podia, em análise, justificar o título. Contudo, é como se este ainda-não de prazer pleno fosse um teasing  bem encaixado: promissor e cheio de tesão. Ou sou só eu?

De resto, podemos contar com tudo o que constitui o universo de Duarte, formas autofágicas, dubiamente prenhes, que luzem representações proto-humanas, sombras que continuamente procuram a dissolução do indivíduo que anda à rasca (...à rasquinha!) ou ao seu pacato descanso, perseguições, ataques, cobras cínicas, um ou outro indivíduo desapossado ou injustiçado, qualquer palermice para aliviar o peso, rotundas, vilezas, mesquinhas conexões e uma tremenda e vigorosa desilusão que toma as mais variadas formas; o sufoco, o anseio, os pesadelos, as insónias. Enfim, o fim do sonho, mas algumas flores. Tudo colorido, e terminado a lágrimas.  
 

 

 

  Quase um prazer @Stolen Books

 

:::

 

Gonçalo Duarte (n.1990, Setúbal) vive e trabalha em Lisboa. Tem bandas desenhadas publicadas em cinco antologias editadas pela Chili Com Carne, numa antologia da G. Floy/ComicHeart e numa antologia da letã kuš!. É guitarrista em Equations e Live Low e impressor em serigrafia na Oficina Loba.

 

 

"Roubar um livro é uma ofensa elegante", como diz um ditado chinês de origem desconhecida.

A Stolen Books é uma editora independente que edita, produz e publica múltiplos de livros de artista em edição limitada.

Trabalhando com nomes consagrados ao lado de novos e futuros talentos, a Stolen Books reproduz projetos visuais, propositadamente concebidas para o formato de livro. Assim, estas publicações visam reduzir o desfasamento entre a visão dos artistas – que trabalham nas fronteiras entre as artes visuais, cinema, vídeo, fotografia, design, publicidade, música – e a do público.

 

 

 

 




Outros artigos:

2022-09-07


PORÉM AINDA. — SOBRE QUASE UM PRAZER DE GONÇALO DUARTE
 

2022-08-01


O FUTURO EM MODO SILENCIOSO. SOBRE HUMANIDADE E TECNOLOGIA EM SILENT RUNNING (1972)
 

2022-06-29


A IMPORTÂNCIA DE SER VELVET GOLDMINE
 

2022-05-31


OS ESQUILOS PARA AS NOZES
 

2022-04-28


À VOLTA DA 'META-PERSONAGEM' DE ORGIA DE PASOLINI. ENTREVISTA A IVANA SEHIC
 

2022-03-31


PAISAGENS TRANSDISCIPLINARES: ENTREVISTA A GRAÇA P. CORRÊA
 

2022-02-27


POÉTICA E POLÍTICA (VÍDEOS DE FRANCIS ALŸS)
 

2022-01-27


ESTAR QUIETA - A PEQUENA DANÇA DE STEVE PAXTON
 

2021-12-28


KILIG: UMA NARRATIVA INSPIRADA PELO LOST IN TRANSLATION DE ANDRÉ CARVALHO
 

2021-11-25


FESTIVAL EUFÉMIA: MULHERES, TEATRO E IDENTIDADES
 

2021-10-25


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO
 

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS