Links


ARTES PERFORMATIVAS


PAISAGENS TRANSDISCIPLINARES: ENTREVISTA A GRAÇA P. CORRÊA

LIZ VAHIA

2022-03-31



 

 

 

Graça P. Corrêa é investigadora no Centro de Filosofia da Ciência da Universidade de Lisboa, onde desenvolve trabalho que relaciona a estética com a filosofia e a ciência. Dirigiu o projeto de investigação pós-doc “Paisagens Transdisciplinares do Gótico”, visando um estudo teórico e sensorial-estético do legado Gótico-Romântico em diferentes media, desde a literatura, o teatro, performance, as artes plásticas, a arquitectura ou o cinema. Neste momento encontra-se a desenvolver um projeto que aborda o processo da empatia na ciência-arte-filosofia, visando promover a acção pro-social através das artes, especialmente através das tecnologias dramatúrgicas e de performance teatral.
Fez o seu doutoramento em Estudos Artísticos (Theatre and Film Studies) no Graduate Center da City University of New York, no seguimento de um Mestrado em Educação e Encenação de Teatro (Theatre Education and Directing) realizado no Emerson College em Boston. Do seu percurso académico fazem ainda parte uma licenciatura em Arquitectura e o Curso de Teatro da ESTC. Por isso não é de estranhar que a par da carreira académica seja também encenadora, dramaturga, cenógrafa e tradutora de teatro, com produções apresentadas em Portugal e nos Estados Unidos.

Recentemente lançou o livro “Gothic Theory and Aesthetics: Transdisciplinary Landscapes in Film, Theatre, Architecture and Literature”, que serviu de mote para esta conversa com a Artecapital.

 

>>>

 

Capa do livro Gothic Theory and Aesthetics: Transdisciplinary Landscapes in Film, Theatre, Architecture and Literature. Caleidoscópio. 2021.

 


LV: No teu livro “Gothic Theory and Aesthetics: Transdisciplinary Landscapes in Film, Theatre, Architecture and Literature”, lançado recentemente, pretendes fazer uma abordagem ao imaginário gótico ao longos dos tempos e em variadas produções culturais. Podes dizer-nos o que caracteriza a estética gótica e que é comum a tantas disciplinas, desde a literatura, ao cinema ou à arquitectura, só para citar talvez as mais conhecidas?

GPC: O termo Gótico é de tal forma eclético que se aplica igualmente a um determinado período literário (1750-1820, sobretudo na Inglaterra e nos Estados Unidos), a estilos arquitectónicos de épocas distintas (Gótico medieval e Neo-Gótico) e a um inventário de temas e símbolos recorrentes em diferentes media, tais como os acessórios e atributos da moda gótica (cores escuras, objetos em couro e metal, cruzes, correntes, botas, etc.). O que é que caracteriza este imaginário tão alargado? Uma atração pela irreverência e “barbaridade” (daí o termo gótico aplicado à estética, que foi cunhado pelo historiador Renascentista Giorgio Vasari para desaprovar de uma arquitetura excessivamente ornamentada, nada regular nem funcional, que teria sido inventada pelos “bárbaros” Godos); um fascínio pelo que é misterioso e estranho, pelo que nos inquieta apesar de nos ser familiar (provocando um efeito “uncanny” ou “unheimlich”); uma oposição às ideias civilizacionais tradicionais, aos valores imperialistas e patriarcais. Daí a obsessão da estética gótica—na literatura, no cinema, na arquitetura, na pintura, no teatro—por espaços ambíguos e ininteligíveis tais como florestas selvagens e sombrias, castelos, ruínas, passagens subterrâneas, poços, alçapões, túneis, portas falsas, gárgulas, criptas, labirintos, espirais e escadas de caracol; por indefinições e recorrências temporais; por personagens revoltadas ou em fuga; pelo hibridismo humano-vegetal, humano-mineral e humano-animal.

 

Fall of House of Usher, baseado em Edgar Allan Poe, dir. Jean Epstein, 1928.

 


LV: Há figuras deste imaginário que, de tão disseminadas na cultura popular, já nem sabemos bem de onde vêm. Achas que é importante voltar às ideias e ao seu contexto de origem, para perceber também porque prevaleceram ao longo do tempo e porque ainda hoje continuam a povoar o que se faz em literatura ou no cinema, por exemplo?

GPC: Considero muito relevante voltar ao contexto de origem do modo Gótico-Romântico para entender como esta estética-teoria recorre ciclicamente em períodos de crise social, económica e ética, como forma de negociar alteridades: subjetiva, sexual, racial, política e de classe. O modo Gótico surge intimamente ligado ao Romantismo, é o próprio Vitor Hugo quem sugere que o Romantismo é um movimento duplo, composto por duas correntes inseparáveis, “uma que vê tudo do céu, e a outra que parte das profundezas do inferno".
O modo Gótico opõe-se ao racionalismo iluminista, é portanto obscuro, selvagem, emocional e eminentemente feminino, tanto na criação e crítica, como na recepção. Em The Art of Darkness, Ann Williams chega mesmo a afirmar que a estética gótica vem manifestar a presença perigosa e assustadora do feminino, que é a alteridade mais persistente da nossa civilização. O Gótico é também uma estética associada às revoltas sociais, às revoluções francesa e americana do final do século XVIII, de reação ao terror gerado pelo autoritarismo. Surge para nos lembrar que a tecnociência não consegue dominar definitivamente a Natureza não-humana, nem tão-pouco é capaz de explicar a existência de fenómenos paranormais ou sobrenaturais. Por isso abordo no livro a arquitetura e paisagismo neo-góticos, como por exemplo na Quinta da Regaleira em Sintra; o teatro de Percy Shelley, do Sturm und Drang de Goethe e de Schiller; a literatura de Emily Brontë e de Charlotte Brontë, os contos extraordinários de Edgar Allan Poe e também a ficção de Alexandre Herculano; o cinema de Alfred Hitchcock, Stanley Kubrick, David Lynch, Lars von Trier, Alejandro Amenábar e Guillermo del Toro.

 

Shadow of a Doubt, Alfred Hitchcock, 1943.

Shining, Stanley Kubrick, 1980.

 


LV: A relação entre humano e natureza na teoria gótico-romântica é bastante desafiadora da visão utilitarista que prevaleceu ao longo do século XX. Será que podemos tirar daí algo que nos possa ajudar a pensar hoje a nossa relação com o planeta?

GPC: Desde o seu surgimento que o modo Gótico-Romântico está associado a posturas eco-filosóficas e ético-políticas que procuram desafiar não só a interpretação teológico-clerical do cosmos e da natureza, como também o cientificismo, utilitarismo e tecnicismo da nossa civilização desde a Idade Moderna. As obras Góticas revelam um interesse pelo conhecimento “secreto” e pelas “artes secretas”, pela ciência e alquimia medievais. Embora em algumas universidades e centros de pesquisa internacionais se investiguem atualmente fenómenos tais como inteligência animal e vegetal, aparições e comunicações após a morte, experiências de quase morte (EQM/NDE), experiências fora do corpo (EFC/OBE), percepção psíquica ou extra-sensorial (PES/ESP) e outros estados alterados da consciência, estes processos continuam a ser rejeitados ou ignorados pelos guardiões da ciência oficial. A sensibilidade Gótica assinala aliás uma mudança radical na percepção da natureza não-humana. Contra o classicismo antropocêntrico, o modo Gótico retira o ser humano do centro do cosmos para o substituir pela sublimidade insondável e aterradora da Natureza. Ao revelar em obras artísticas a existência de uma materialidade não-humana, dinâmica e autopoiética, o modo Gótico sublinha valores ecocêntricos que contrastam com a atitude vigente de exploração, utilização e modificação intensiva dos recursos naturais com vista a um crescimento económico antropocêntrico aparentemente infinito.

 

Melancholia, Lars von Trier, 2011.

 


LV: Se nos reportarmos ao contexto português, que exemplos darias como paradigmas dessa estética gótica?

GPC: Segundo parece, a censura imposta por Pina Manique à publicação de romances Góticos estrangeiros na época em que primeiramente surgiram, resultou numa quase completa ausência de ficção literária portuguesa de tradição Gótica, tal como refere Maria Leonor Machado de Sousa em A Literatura Negra ou de Terror em Portugal (1978). Contudo conseguimos detetar alguns efeitos Góticos na ficção portuguesa, como por exemplo em Os Canibais de Álvaro de Carvalhal (1868), nas obras de juventude de Camilo Castelo Branco e de Eça de Queirós, em algum teatro de Almeida Garrett, em Mário de Sá-Carneiro e mais recentemente em As Núpcias de Natália Correia e na ficção de José Luís Peixoto e de Ana Teresa Pereira. No meu livro, exploro a estética gótico-romântica do romance Eurico o Presbítero de Alexandre Herculano (1844), o qual utiliza o excesso emocional e sensorial góticos para concretizar uma critica à corrupção política em Portugal e propor um retorno a noções pré-modernas de coragem, liberdade, amor e ética.

 

LV: Como é que te aproximaste academicamente deste tema da estética gótico-romântica?

GPC: O Romantismo é um movimento que sempre me fascinou, desde muito jovem, é uma questão intuitiva; sempre me senti atraída pela literatura, poesia, pintura, escultura, música, arquitectura e teatro românticos. Quando realizei o meu doutoramento em Nova Iorque, no Graduate Center da CUNY, acabei por escrever uma tese que abordou o movimento internacional do Simbolismo nas artes; e surpreendeu-me descobrir que o movimento Simbolista de Mallarmé se inspirou muitíssimo no pré-Romantismo alemão, bem como no Romantismo inglês da literatura gótica, da irmandade pré-Rafaelita e do Arts & Crafts Movement. Descobri igualmente que tanto o Simbolismo como o Romantismo Gótico vieram por sua vez inspirar o movimento Surrealista que surgiu nos anos 30 na França. O que mais me deslumbra nas Artes está, portanto, interligado; é como um movimento de ideias e imagens recorrentes que ora ressurgem, ora ficam adormecidas para voltar a surgir: “Ever present never twice the same”.

 

AUTOMATA, texto e encenação Graça Corrêa, Inimpetus 2017. Imagem cortesia Graça Corrêa.

 


LV: Aparte do teu trabalho de investigadora, desenvolves projectos na área do teatro. São duas actividades separadas ou há uma contaminação criativa entre os dois campos?

GPC: Começaram por ser atividades separadas mas agora estão cada vez mais próximas, são intersecionais. Quando fui convidada para o Centro de Filosofia das Ciências da Universidade de Lisboa pela então coordenadora do centro, Professora Olga Pombo, integrei a linha temática de Ciência e Arte, pelo que comecei a investigar as relações entre estes dois campos tão aparentemente distintos. Numa altura em que estava a estudar as implicações éticas de algumas tecnologias actuais, nomeadamente na área dos robots humanoides ou com aparência humana, dei comigo a escrever uma comédia distópica sobre um futuro próximo, que seguidamente resultou num espetáculo multimédia de enorme sucesso, “Automata”, apresentado na Inimpetus em Lisboa em 2017. Enquanto investigadora da Faculdade de Ciências da UL, encontro-me a desenvolver um projeto intitulado “Advancement of Emotional Thought and Empathy towards Otherness through Dramaturgy and Performance Technology”, o qual aborda o processo da empatia na ciência-arte-filosofia, visando promover a acção pro-social através das artes, especialmente através das tecnologias dramatúrgicas e de performance teatral. No âmbito dessa pesquisa fui dramaturga e encenadora de Beatrix Cenci, espetáculo produzido em 2021 pelo TEC-Teatro Experimental de Cascais, no qual explorei estéticas góticas e técnicas de empatia dialógica, entre actor e espetador, em relação a temas de etnia e de igualdade de género.

 

BEATRIX CENCI, texto e encenação de Graça Corrêa, TEC 2021. © José Teresa Marques

 

LV: Estás a trabalhar nalgum projecto teatral neste momento? O que vamos poder ver teu nos próximos tempos nessa área?

GPC: Estou presentemente a trabalhar num programa performativo sobre empatia ecológica através da arte, com enfoque no teatro. Será realizado no inicio de Junho de 2022 pelos alunos finalistas da Escola Profissional de Teatro de Cascais, como ponto culminante de um workshop sobre empatia, aliás candidatámo-nos à primeira edição do festival do New European Bauhaus. Também estou a escrever uma comédia: sabe bem rir, nos tempos crispados que correm.

 

 




Outros artigos:

2022-11-06


SAMOTRACIAS: ENTREVISTA A CAROLINA SANTOS, LETÍCIA BLANC E ULIMA ORTIZ
 

2022-10-07


ENTREVISTA A EUNICE GONÇALVES DUARTE
 

2022-09-07


PORÉM AINDA. — SOBRE QUASE UM PRAZER DE GONÇALO DUARTE
 

2022-08-01


O FUTURO EM MODO SILENCIOSO. SOBRE HUMANIDADE E TECNOLOGIA EM SILENT RUNNING (1972)
 

2022-06-29


A IMPORTÂNCIA DE SER VELVET GOLDMINE
 

2022-05-31


OS ESQUILOS PARA AS NOZES
 

2022-04-28


À VOLTA DA 'META-PERSONAGEM' DE ORGIA DE PASOLINI. ENTREVISTA A IVANA SEHIC
 

2022-03-31


PAISAGENS TRANSDISCIPLINARES: ENTREVISTA A GRAÇA P. CORRÊA
 

2022-02-27


POÉTICA E POLÍTICA (VÍDEOS DE FRANCIS ALŸS)
 

2022-01-27


ESTAR QUIETA - A PEQUENA DANÇA DE STEVE PAXTON
 

2021-12-28


KILIG: UMA NARRATIVA INSPIRADA PELO LOST IN TRANSLATION DE ANDRÉ CARVALHO
 

2021-11-25


FESTIVAL EUFÉMIA: MULHERES, TEATRO E IDENTIDADES
 

2021-10-25


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO
 

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS