Links


ARTES PERFORMATIVAS


POÉTICA E POLÍTICA (VÍDEOS DE FRANCIS ALŸS)

MARC LENOT

2022-02-27



 

 

Francis Alÿs, As Long as I’m Walking, capa do livro.

 

Puxar um cãozinho com rodas em metal magnético que recolhe desperdícios metálicos no chão, ou, da mesma forma, caminhar pela cidade com sapatos de solas magnéticasEmpurrar um bloco de gelo pelas ruas até que ele se derreta. Fazer girar em torno de uma coluna um pastor e o seu rebanho. Deambular aleatoriamente por Veneza com a metade de uma tuba até encontrar por sorte a pessoa com a outra metade. Andar pela cidade com uma pistola na mão até ser parado por um polícia. Olhando para o ar sozinho no meio de uma praça. Uma baqueta de tambor na mão, a bater nas barras das grades das praças. Espalhar tinta no chão para reavivar as fronteiras apagadas. Chutar uma bola inflamada pelas ruas até que ela termine de arder. Andar onze horas por dia durante uma semana, fazendo sem cessar a volta ao seu pequeno atelier, num total de 118 km. Desmontar e remontar uma arma o mais rápido possível. Jogar à bola com uma garrafa, ao aro com um pneu ou uma bobine de filme 35mm, fazer saltar pedras na água, brincar com um papagaio de papel, à macaca, à pedrinha, … Que absurdo! Para que servem estes jogos?

 

Francis Alÿs, The Collector (Colector), 1990-92, páginas 10-11.

Mas como é poético também! Encontramos lá a poesia do acaso, da sorte, como em todos os jogos; vemos também o esforço, a vontade de ir até ao fim de um gesto gratuito. E também essa ideia de “até”, esse desejo de chegar ao ponto final, o desaparecimento do objeto pelo derreter ou pelo fogo. Pensamos em Sísifo, claro, mas também em certas performances discretas de Jiri Kovanda. Deambulamos, medimo-nos a nós mesmos no espaço, à deriva: caminhar é essencial, é uma resistência e uma disciplina poética.

 

Francis Alÿs, Retoque / Painting, 2008, páginas 56-57.

 

Sim, mas: o céu afegão onde voa o papagaio de papel é repentinamente rasgado por um helicóptero militar; os ricochetes tentam atravessar o Estreito de Gibraltar; os soldados a desmontarem a sua arma são um talibã e um britânico da força expedicionária no Afeganistão; a caminhada em redor do estúdio evoca a de Albert Speer na sua cela de Spandau durante vinte anos; a bola flamejante percorre as ruas de Ciudad Juarez, a cidade dos cartéis; a pintura no chão, verde, marca a tristemente célebre fronteira de Jerusalém que Israel cruzou em 1967 e aboliu 13 anos mais tarde ao anexar a parte oriental da cidade para torná-la a "capital eterna, una e indivisível do povo judeu" e, nesse contexto, Alÿs “veste” o seu vídeo com entrevistas de, entre outros, Amira HassEyal Weizman e Michel Warschaski; uma outra pintura no chão, amarela, marca a Zona do Canal do Panamá, ocupada pelos Estados Unidos durante 96 anos; a coluna é a do Zócalo, centro da repressão em 1968 na Cidade do México; o policia que o pára é mexicano, país onde o artista vive e onde se desenrolam muitas das suas ações. Tudo aqui, ou praticamente tudo, é político, não de maneira evidente, militante, mas com alusões, evocações, signos. Para Francis Alÿs, porque é naturalmente dele que se trata, a política, é também os assuntos da polis, da cidade, a maneira como ela se ordena, se estrutura e como os habitantes se organizam em resposta aos seus constrangimentos.

 

 

Francis Alÿs, TRF, 2014, páginas 150-151, fotografia do autor.

 

Este livro, publicado pela JRP Éditions por ocasião da exposição no Museu cantonal de Belas Artes de Lausanne (eu não a vi; a minha última exposição de Alÿs data de 2010 na Tate), apresenta 28 vídeos de Francis Alÿs, cada um com algumas imagens e um curto texto (mas, infelizmente, não os Coldstream); entre os vídeos, uma dezena pertence à série Jogos de crianças. Há também um grande número de desenhos e pinturas do seu projeto afegão entre 2010 e 2014. Duas dessas pinturas são abstratas, formas geométricas coloridas: elas recuperam as insígnias de entidades (TRF: Tactical Recognition Flashes) de soldados britânicos da força expedicionária (o 2º Batalhão de Paraquedistas e o 1º Batalhão do Regimento Mérciano). São imagens do real, mas que recusam a representação da realidade, tal como, na mesma situação, as “fotografias” do Afeganistão de Broomberg & Chanarin, ou como alguns dos trabalhos de Yto Barrada sobre os migrantes.

 

Francis Alÿs, Children’s Games #10 (Papalote), páginas 82-83.

 

No livro, após uma introdução da curadora Nicole Schweizer que salienta o caminhar, o sonho, a criação como meios para o artista "pensar a realidade de uma maneira diferente", um ensaio muito interessante da historiadora da performance Judith Rodenbeck notando, entre outras coisas, os fenómenos de acumulação (como com Fabiola) e de travessia na obra de Alÿs. Segue-se um excelente texto do poeta e historiador de arte Luis Pérez-Oramas que mobiliza Bataille, Deligny (as linhas de vaguear e os interstícios) e… Frans Post, em redor dos Jogos de crianças, conjunto que abrange também o último ensaio da historiadora de arte Julia Bryan-Wilson, mais descritivo e menos convincente na sua tentativa de lê-los através da teoria queer. Breve biografia do artista e boa bibliografia no final do livro; uma entrevista com Alÿs poderia ter completado utilmente este catálogo. O título deste texto é inspirado no subtítulo do seu vídeo em Jerusalém, The Green Line: « Sometimes Doing Something Poetic Can Become Political, and Sometimes Doing Something Political Can Become Poetic. »

 

 

Marc Lenot
É desde 2005 autor do blog Lunettes Rouges, publicado pelo jornal Le Monde. Em 2009 obteve o grau de Mestre com uma dissertação sobre o fotógrafo checo Miroslav Tichý, e em 2016 doutorou-se pela Universidade de Paris com uma tese sobre fotografia experimental contemporânea. Membro da AICA, venceu em 2014 o Prémio de Crítica de Arte AICA França, pela sua apresentação do trabalho da artista franco-equatoriana Estefanía Peñafiel Loaiza.

 




Outros artigos:

2022-11-06


SAMOTRACIAS: ENTREVISTA A CAROLINA SANTOS, LETÍCIA BLANC E ULIMA ORTIZ
 

2022-10-07


ENTREVISTA A EUNICE GONÇALVES DUARTE
 

2022-09-07


PORÉM AINDA. — SOBRE QUASE UM PRAZER DE GONÇALO DUARTE
 

2022-08-01


O FUTURO EM MODO SILENCIOSO. SOBRE HUMANIDADE E TECNOLOGIA EM SILENT RUNNING (1972)
 

2022-06-29


A IMPORTÂNCIA DE SER VELVET GOLDMINE
 

2022-05-31


OS ESQUILOS PARA AS NOZES
 

2022-04-28


À VOLTA DA 'META-PERSONAGEM' DE ORGIA DE PASOLINI. ENTREVISTA A IVANA SEHIC
 

2022-03-31


PAISAGENS TRANSDISCIPLINARES: ENTREVISTA A GRAÇA P. CORRÊA
 

2022-02-27


POÉTICA E POLÍTICA (VÍDEOS DE FRANCIS ALŸS)
 

2022-01-27


ESTAR QUIETA - A PEQUENA DANÇA DE STEVE PAXTON
 

2021-12-28


KILIG: UMA NARRATIVA INSPIRADA PELO LOST IN TRANSLATION DE ANDRÉ CARVALHO
 

2021-11-25


FESTIVAL EUFÉMIA: MULHERES, TEATRO E IDENTIDADES
 

2021-10-25


ENTREVISTA A GUILHERME GOMES, CO-CRIADOR DO ESPECTÁCULO SILÊNCIO
 

2021-09-19


ALBUQUERQUE MENDES: CORPO DE PERFORMANCE
 

2021-08-08


ONLINE DISTORTION / BORDER LINE(S)
 

2021-07-06


AURORA NEGRA
 

2021-05-26


A CONFUSÃO DE SE SER NÓMADA EM NOMADLAND
 

2021-04-30


LODO
 

2021-03-24


A INSUSTENTÁVEL ORIGINALIDADE DOS GROWLERS
 

2021-02-22


O ESTRANHO CASO DE DEVLIN
 

2021-01-20


O MONSTRO DOS PUSCIFER
 

2020-12-20


LOURENÇO CRESPO
 

2020-11-18


O RETORNO DE UM DYLAN À PARTE
 

2020-10-15


EMA THOMAS
 

2020-09-14


DREAMIN’ WILD
 

2020-08-07


GABRIEL FERRANDINI
 

2020-07-15


UMA LIVRE ASSOCIAÇÃO DO HERE COME THE WARM JETS
 

2020-06-17


O CLASSICISMO DE NORMAN FUCKING ROCKWELL!
 

2019-07-31


R.I.P HAYMAN: DREAMS OF INDIA AND CHINA
 

2019-06-12


O PUNK QUER-SE FEIO - G.G. ALLIN: UMA ABJECÇÃO ANÁRQUICA
 

2019-02-19


COSEY FANNI TUTTI – “TUTTI”
 

2019-01-17


LIGHTS ON MOSCOW – Aorta Songs Part I
 

2018-11-30


LLAMA VIRGEM – “desconseguiste?”
 

2018-10-29


SRSQ – “UNREALITY”
 

2018-09-25


LIARS – “1/1”
 

2018-07-25


LEBANON HANOVER - “LET THEM BE ALIEN”
 

2018-06-24


LOMA – “LOMA”
 

2018-05-23


SUUNS – “FELT”
 

2018-04-22


LOLINA – THE SMOKE
 

2018-03-17


ANNA VON HAUSSWOLFF - DEAD MAGIC
 

2018-01-28


COUCOU CHLOÉ
 

2017-12-22


JOHN MAUS – “SCREEN MEMORIES”
 

2017-11-12


HAARVÖL | ENTREVISTA
 

2017-10-07


GHOSTPOET – “DARK DAYS + CANAPÉS”
 

2017-09-02


TATRAN – “EYES, “NO SIDES” E O RESTO
 

2017-07-20


SUGESTÕES ADICIONAIS A MEIO DE 2017
 

2017-06-20


TIMBER TIMBRE – A HIBRIDIZAÇÃO MUSICAL
 

2017-05-17


KARRIEM RIGGINS: EXPERIÊNCIAS E IDEIAS SOBRE RITMO E HARMONIAS
 

2017-04-17


PONTIAK – UM PASSO EM FRENTE
 

2017-03-13


TRISTESSE CONTEMPORAINE – SEM ILUSÕES NEM DESILUSÕES
 

2017-02-10


A PROJECTION – OBJECTOS DE HOJE, SÍMBOLOS DE ONTEM
 

2017-01-13


AGORA QUE 2016 TERMINOU
 

2016-12-13


THE PARKINSONS – QUINZE ANOS PUNK
 

2016-11-02


patten – A EXPERIÊNCIA DOS SENTIDOS, A ALTERAÇÃO DA PERCEPÇÃO
 

2016-10-03


GONJASUFI – DESCIDA À CAVE REAL E PSICOLÓGICA
 

2016-08-29


AGORA QUE 2016 VAI A MEIO
 

2016-07-27


ODONIS ODONIS – A QUESTÃO TECNOLÓGICA
 

2016-06-27


GAIKA – ENTRE POLÍTICA E MÚSICA
 

2016-05-25


PUBLIC MEMORY – A TRANSFORMAÇÃO PASSO A PASSO
 

2016-04-23


JOHN CALE – O REECONTRO COM O PASSADO EM MAIS UMA FACE DO POLIMORFISMO
 

2016-03-22


SAUL WILLIAMS – A FORÇA E A ARTE DA PALAVRA ALIADA À MÚSICA
 

2016-02-11


BIANCA CASADY & THE C.I.A – SINGULARES EXPERIMENTALISMO E IMAGINÁRIO
 

2015-12-29


AGORA QUE 2015 TERMINOU
 

2015-12-15


LANTERNS ON THE LAKE – SOBRE FORÇA E FRAGILIDADE
 

2015-11-11


BLUE DAISY – UM VÓRTEX DE OBSCURA REALIDADE E HONESTA REVOLTA
 

2015-10-06


MORLY – EM REDOR DE REVOLUÇÕES, REFORMULAÇÕES E REINVENÇÕES
 

2015-09-04


ABRA – PONTO DE EXCLAMAÇÃO, PONTO DE EXCLAMAÇÃO!! PONTO DE INTERROGAÇÃO?...
 

2015-08-05


BILAL – A BANDEIRA EMPUNHADA POR QUEM SABE QUEM É
 

2015-07-05


ANNABEL (LEE) – NA PRESENÇA SUPERIOR DA PROFUNDIDADE E DA EXCELÊNCIA
 

2015-06-03


ZIMOWA – A SURPREENDENTE ORIGEM DO FUTURO
 

2015-05-04


FRANCESCA BELMONTE – A EMERGÊNCIA DE UMA ALMA VELHA JOVEM
 

2015-04-06


CHOCOLAT – A RELEVANTE EXTRAVAGÂNCIA DO VERDADEIRO ROCK
 

2015-03-03


DELHIA DE FRANCE, PENTATONES E O LIRISMO NA ERA ELECTRÓNICA
 

2015-02-02


TĀLĀ – VOLTA AO MUNDO EM DOIS EP’S
 

2014-12-30


SILK RHODES - Viagem no Tempo
 

2014-12-02


ARCA – O SURREALISMO FUTURISTA
 

2014-10-30


MONEY – É TEMPO DE PARAR
 

2014-09-30


MOTHXR – O PRAZER DA SIMPLICIDADE
 

2014-08-21


CARLA BOZULICH E NÓS, SOZINHOS NUMA SALA SOTURNA
 

2014-07-14


SHAMIR: MULTI-CAMADA AOS 19
 

2014-06-18


COURTNEY BARNETT
 

2014-05-19


KENDRA MORRIS
 

2014-04-15


!VON CALHAU!
 

2014-03-18


VANCE JOY
 

2014-02-17


FKA Twigs
 

2014-01-15


SKY FERREIRA – MORE THAN MY IMAGE
 

2013-09-24


ENTRE O MAL E A INOCÊNCIA: RUTH WHITE E AS SUAS FLOWERS OF EVIL
 

2013-07-05


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 2)
 

2013-06-03


GENESIS P-ORRIDGE: ALMA PANDRÓGINA (PARTE 1)
 

2013-04-03


BERNARDO DEVLIN: SEGREDO EXÓTICO
 

2013-02-05


TOD DOCKSTADER: O HOMEM QUE VIA O SOM
 

2012-11-27


TROPA MACACA: O SOM DO MISTÉRIO
 

2012-10-19


RECOLLECTION GRM: DAS MÁQUINAS E DOS HOMENS
 

2012-09-10


BRANCHES: DOS AFECTOS E DAS MEMÓRIAS
 

2012-07-19


DEVON FOLKLORE TAPES (II): SEGUNDA PARTE DA ENTREVISTA COM DAVID CHATTON BARKER
 

2012-06-11


DEVON FOLKLORE TAPES - PESQUISAS DE CAMPO, FANTASMAS FOLCLÓRICOS E LANÇAMENTOS EM CASSETE
 

2012-04-11


FC JUDD: AMADOR DA ELETRÓNICA
 

2012-02-06


SPETTRO FAMILY: OCULTISMO PSICADÉLICO ITALIANO
 

2011-11-25


ONEOHTRIX POINT NEVER: DA IMPLOSÃO DOS FANTASMAS
 

2011-10-06


O SOM E O SENTIDO – PÁGINAS DA MEMÓRIA DO RADIOPHONIC WORKSHOP
 

2011-09-01


ZOMBY. PARA LÁ DO DUBSTEP
 

2011-07-08


ASTROBOY: SONHOS ANALÓGICOS MADE IN PORTUGAL
 

2011-06-02


DELIA DERBYSHIRE: O SOM E A MATEMÁTICA
 

2011-05-06


DAPHNE ORAM: PIONEIRA ELECTRÓNICA E INVENTORA DO FUTURO
 

2011-03-29


TERREIRO DAS BRUXAS: ELECTRÓNICA FANTASMAGÓRICA, WITCH HOUSE E MATER SUSPIRIA VISION
 

2010-09-04


ARTE E INOVAÇÃO: A ELECTRODIVA PAMELA Z
 

2010-06-28


YOKO PLASTIC ONO BAND – BETWEEN MY HEAD AND THE SKY: MÚLTIPLA FANTASIA EM MÚLTIPLOS ESTILOS