Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


MMP | MNSR ©Rui Pinheiro


MMP | MNSR ©Rui Pinheiro


MMP | MNSR ©Rui Pinheiro


MMP | MNSR ©Rui Pinheiro


MMP | MNSR ©Rui Pinheiro

Outras exposições actuais:

DAYANA LUCAS

DIA-A-DIA


Galeria Lehmann + Silva, Porto
SANDRA SILVA

CHRISTIAN ROSA

TO PAINT IS TO LOVE AGAIN


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

MAFALDA SANTOS

COMO FAREMOS PARA DESAPARECER


Galeria Presença (Porto), Porto
CLÁUDIA HANDEM

PATRICIA GERALDES

ALENTAR, AO ALENTO, ALIMENTO


Galeria Ocupa, Porto
SANDRA SILVA

PILAR MACKENNA

CONSTELAÇÕES E DERIVAS


Galeria Pedro Oliveira, Porto
CLÁUDIA HANDEM

PEDRO CABRITA REIS

ATELIER


Mitra – Polo de Inovação Social, Lisboa
MARC LENOT

PEDRO TUDELA

U MADE U


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

PRÉ/PÓS - DECLINAÇÕES VISUAIS DO 25 DE ABRIL


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

YAYOI KUSAMA

YAYOI KUSAMA: 1945-HOJE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ANTÓNIO FARIA

AS VIZINHAS


Centro Cultural Bom Sucesso, Alverca do Ribatejo
FÁTIMA LOPES CARDOSO

ARQUIVO:


COLECTIVA

CENTRO DE ARTE CONTEMPORÂNEA – 50 ANOS: A DEMOCRATIZAÇÃO VIVIDA




MUSEU NACIONAL DE SOARES DOS REIS
Palácio dos Carrancas Rua D. Manuel II
4050-342 Porto

07 JUN - 29 DEZ 2024

50 anos do CAC, “A democratização vivida”

 


Em 1976 inaugurou o Centro de Arte Contemporânea (CAC), no Porto, com o fim de responder à ausência de um museu nacional de arte moderna. Como tal, o projeto veio dar palco à criação artística contemporânea, na qual incluiu conteúdo internacional, considerando fundamental o cruzamento entre o que se desenvolvia dentro e fora do território nacional. Mas, sem dúvida, o CAC foi sobretudo orientado para acolher, representar e apoiar a comunidade artística portuguesa.

Hoje, apresenta-se a exposição “CAC 50 anos – A democratização vivida”, na galeria das esculturas do Museu Nacional Soares dos Reis, no Porto, com curadoria de Miguel von Hafe Pérez. Trata-se de uma notável mostra, densa, rica e estimulante, que conta com obras de alguns dos mais relevantes artistas portugueses que consolidaram a instituição do CAC, tais como Alberto Carneiro, Álvaro Lapa, Ângelo de Sousa, Artur Rosa, Augusto Gomes, Helena Almeida, Jorge Pinheiro, Júlio Pomar, Emília Nadal e Eduardo Nery.

Sendo a exposição, por si só, meritória e imprescindível de visitar, com uma exímia curadoria que honra os nomes que a compõem, reconhece-se, igualmente, que o seu valor está intrinsecamente ligado ao seu contexto histórico.

Recorde-se, pois, que o Centro de Arte Contemporânea funcionou até 1980 nas imediações do Museu Nacional Soares dos Reis e que a sua criação, liderada por Fernando Pernes, Etheline Rosas e Mário Teixeira da Silva, constituiu um importante passo no processo de democratização desencadeado pelo 25 de Abril. Aliás, a exposição agora patente integra o programa das Comemorações dos 50 anos da Revolução.

Ocorre que, face ao quadro socio-político da época, marcado pela luta pela democracia e por acontecimentos tais como o Maio de 68, o panorama artístico portuense florescia no sentido de uma arte cada vez mais livre, radical e universal. Porém, apesar das relevantes e fundamentais iniciativas da Escola Superior de Belas-Artes do Porto e do surgimento de plataformas alternativas tais como o Teatro Experimental do Porto, continuava a faltar um espaço dedicado a reunir e a expôr a criação artística contemporânea.

No dia 10 de junho de 1974, o Museu Nacional Soares dos Reis foi lugar de uma manifestação enunciada como o “Enterro do Museu Nacional de Soares dos Reis”, ocasião essa que constituiu um ponto de partida para a atual exposição.

Como assinala Miguel von Hafe Pérez, “não se havia cumprido ainda dois meses da Revolução dos Cravos e já no Porto uma ação de rua inscreve um momento inédito na história da construção de centros culturais e espaços museológicos dedicados à criação contemporânea”.

Cinquenta anos depois, o curador conduz-nos numa exposição que remete para o referido momento, recordado e ilustrado através de arquivos fotográficos, aos quais se juntam documentação e catálogos do CAC, na ala onde se inicia e finaliza a exposição.

Recorrendo às palavras do curador, o CAC é “um museu que nasce de uma ação popular”, “de uma reclamação da cidade”, “para desenvolver e implementar um programa que, olhando retrospetivamente, pareceria impossível de concretizar”. Como também indica, tratou-se de uma “abertura do Porto à internacionalização da arte”.

O Museu Nacional Soares dos Reis foi então palco de novas práticas e expressões artísticas, bem como de inovadoras propostas curatoriais, algumas das quais convocadas pelo curador na atual exposição. Rememoram-se, também, exposições concretizadas pela valiosa parceria entre o CAC, a Fundação Calouste Gulbenkian e a Sociedade Nacional de Belas-Artes de Lisboa, da qual resultaram inúmeros projetos. Aliás, foi justamente a colaboração com outras instituições que possibilitou o sucesso do CAC.

Orientado por esse sistema que cimentou e promoveu a criação artística portuguesa, Miguel von Hafe Pérez concebeu diversas secções expositivas, na sua maioria correspondentes a exposições passadas, das quais recuperou alguns dos respetivos cartazes. Como esclarece, “tentei responder à memória das várias exposições de quando o centro foi criado”.

Comece-se por referir a primeira exposição coletiva do CAC, concretizada, precisamente, no Museu Soares dos Reis e, depois, exibida na Sociedade de Belas-Artes. Intitulada “Levantamento da Arte do Século XX do Porto”, esteve patente de julho a outubro de 1975 e nela participaram mais de 100 artistas nortenhos, com o intuito de retratar as tendências plásticas do norte do país. Um dos nomes em causa foi Nadir Afonso, agora representado através das obras “Jazz Band” (1971) e “Les Ponts de Paris” (n.d.). Também de Nadir Afonso é lembrada a sua mostra individual, na galeria do Jornal de Notícias, em junho de 1979, com obras expressivas, cujas forma e geometria são sempre admiráveis e desafiantes.

Uma outra mostra recordada, “O Erotismo na arte moderna portuguesa”, de 1977, que também decorreu no Soares dos Reis, foi expressão manifesta de uma ousadia revolucionária e do desígnio de rutura com o conservadorismo prevalecente na esfera artística da época. Dessa exposição, Miguel von Hafe Pérez recupera uma obra de Paula Rego, “O príncipe azul” da série “A Bela Adormecida” (1974), e um singular trabalho de Álvaro Lapa, “Os treze cartões de arte moderna” (1973).

Constata-se, assim, na atual exposição, serem várias as obras representativas do espólio de arte contemporânea portuguesa. Assinalem-se ainda “Curvatura/Variação 5D” (1971), de Zulmiro de Carvalho, cuja dimensão e cor vermelha sobressaem no espaço, ou, mais discreto mas igualmente cativante, o trabalho fotográfico “The Waves” (1978), de Julião Sarmento, que remete para a reconhecida obra literária de Virgínia Wolf. Também imprescindível de referir, a “Mensagem inequívoca VI” (1977), de Jorge Pinheiro.

Indique-se, ademais, que algumas das peças agora expostas integram o acervo do Museu Soares dos Reis, tal sendo o caso de uma belíssima tela de Ângelo de Sousa, de 1972. Porém, e tome-se precisamente esta obra como exemplo, o curador colocou-a em diálogo com diferentes autores, nomeadamente, Alberto Carneiro e a sua magnífica série “Operação estética em Vilar do Paraíso” (1973), a qual, por sua vez, não pertence à coleção do museu.

Na totalidade, nesta exposição, exibe-se um impressionante e rico conjunto de obras que atravessam as décadas de 70 e 80. Simultaneamente, a mostra reforça o lugar do Museu Soares dos Reis no atual contexto artístico contemporâneo.

Enquanto tal, a exposição concebida por Miguel von Hafe Pérez consiste numa rara oportunidade de recordar e celebrar uma das mais importantes épocas de afirmação da criação artística portuguesa, em especial portuense, ao mesmo tempo desdobrando-se e revelando-se sob a forma de uma curadoria inteligente, dinâmica e, efetivamente, contemporânea.

 

 

 

Constança Babo
É doutorada em Arte dos Media e Comunicação pela Universidade Lusófona. Tem como área de investigação as artes dos novos media e a curadoria. É mestre em Estudos Artísticos - Teoria e Crítica de Arte, pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, e licenciada em Artes Visuais – Fotografia, pela Escola Superior Artística do Porto. Tem publicado artigos científicos e textos críticos. Foi research fellow no projeto internacional Beyond Matter, no Zentrum für Kunst und Medien Karlsruhe, e esteve como investigadora na Tallinn University, no projeto MODINA.

 



CONSTANÇA BABO