Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição Janelas, de Ana Elisa Egreja. © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Toalhinha laranjas (2023). Óleo e toalha bordada sobre tela, 30 x 40 x 3,5 cm. © Kubikgallery


Vista da exposição Janelas, de Ana Elisa Egreja. © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Saboneteira laranja com sabonete branco e bucha verde (2023). Óleo sobre tela, 40 x 30 x 3,5 cm. © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Toalhinha cobra coral (2023). Óleo e toalha bordada sobre tela, 40 x 30 x 3,5 cm. © Kubikgallery


Vista da exposição Janelas, de Ana Elisa Egreja. © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Natureza morta com vaso azul e margaridas (2023). Óleo e cortina (em andamento) sobre tela, 56 x 40 x 3,5 cm. © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Natureza morta com vaso azul e margaridas (2023). [pormenor] © Kubikgallery


Vista da exposição Janelas, de Ana Elisa Egreja. © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Prato cia das índias com mamão papaya (2023). Óleo sobre tela, 23 cm diâmetro. © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Prato cia das índias com physalis e ratinho (2023). Óleo sobre tela, 20 cm diâmetro. © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Agnus Dei tropical, 2023. Óleo, renda e persiana sobre tela, 150 x 200 x 4 cm. © Kubikgallery


Vista da exposição Janelas, de Ana Elisa Egreja. © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Pavão de Krishna (2023). Óleo e cortina de miçangas sobre tela, 180 x 270 x 4 cm. © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Pavão de Krishna (2023). [pormenor] © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Pavão de Krishna (2023). [pormenor] © Kubikgallery


Ana Elisa Egreja, Janela com vista para o mar - Praia da Barra, BA
 (2023). Óleo e persiana sobre tela,100 x 70 x 3,5 cm. © Kubikgallery

Outras exposições actuais:

PEDRO TUDELA

U MADE U


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

PRÉ/PÓS - DECLINAÇÕES VISUAIS DO 25 DE ABRIL


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

YAYOI KUSAMA

YAYOI KUSAMA: 1945-HOJE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ANTÓNIO FARIA

AS VIZINHAS


Centro Cultural Bom Sucesso, Alverca do Ribatejo
FÁTIMA LOPES CARDOSO

MARIA DURÃO

EVAS


Kubikgallery, Porto
SANDRA SILVA

COLECTIVA

ENSAIOS DE UMA COLEÇÃO – NOVAS AQUISIÇÕES DA COLEÇÃO DE ARTE MUNICIPAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

TINA MODOTTI

L'ŒIL DE LA RÉVOLUTION


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

COLECTIVA

ANAGRAMAS IMPROVÁVEIS. OBRAS DA COLEÇÃO DE SERRALVES


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

JOÃO BRAGANÇA GIL

TROUBLE IN PARADISE


Projectspace Jahn und Jahn e Encounter, Lisboa
CATARINA PATRÍCIO

JOÃO PIMENTA GOMES

ÚLTIMOS SONS


Galeria Vera Cortês, Lisboa
MADALENA FOLGADO

ARQUIVO:


ANA ELISA EGREJA

JANELAS




KUBIKGALLERY
Rua da Restauração, 2
4050-499 Porto

06 JUL - 10 SET 2023


 


Diluindo os limites entre realidade e fantasia, a prática pictórica de Ana Elisa Egreja (São Paulo, 1983) atrai o olhar e a curiosidade do espetador, envolvendo-o num universo exuberante e fantasioso. À medida que percorremos Janelas [1] em exibição na Kubikgallery (Porto), são-nos desvendadas camadas que se cruzam e intercetam dentro de uma lógica de sobreposições metafóricas e reais que acompanham a exposição. Os ambientes criados por Ana Elisa Egreja, revelam-nos cenas de interiores domésticos que subvertem a realidade, histórias fantásticas que se desenvolvem num tempo cíclico, numa dimensão espácio-temporal indefinida que a pintura permite captar. A perceção do tempo como cíclico ao invés de linear, a estética fantástica e o interesse de Ana Elisa Egreja em mostrar o irreal e o absurdo como algo comum, perpassam o corpo de trabalho da artista em narrativas descritivas criadas a partir de pinturas figurativas. Como um conto, cada pintura tem uma história que encerra em si mesmo, e o personagem principal é sempre a casa e os objetos que estão em volta, que eu escolho representar na pintura, os coadjuvantes para essa história que quero contar. [2] O realismo das obras é realçado pelo caráter detalhista, pela abundância de cores, texturas de materiais e padrões dos ambientes retratados numa harmonia cromática e compositiva, em que cada pintura é pensada e concebida como um mundo possível numa aproximação ao realismo fantástico. Trabalhando tanto com cenas reais como imaginadas, Egreja revela-nos em Janelas uma mistura total entre realidade e fantasia em pinturas algumas das quais encenadas, e outras concebidas a partir de imagens registadas pela artista. Se no início da sua trajetória, Egreja inventava paisagens domésticas a partir da pesquisa de imagens de objetos recorrendo à técnica da colagem digital, nos últimos anos a artista explora a organização cénica e a fotografia, transpondo a imagem construída para a temporalidade da pintura. A familiaridade com os dois métodos de trabalho é visível ao longo da exposição em obras onde retoma a técnica da colagem e introduz elementos decorativos reais.

Como uma encenação teatral, a artista reconfigura o real apresentando-nos universos paralelos – simultaneamente absurdos e familiares - nos quais nos convida a entrar.

O caráter nonsense das suas narrativas fantásticas é-nos revelado em Pavão de Krishna [3], 2023, pintura que nos recebe assim que entramos no espaço da galeria. Conto fantástico em forma de pintura na Casa Modernista da Rua Bahia/Gregori Warchavchik [4], a obra revela-nos uma cena fantasiosa e utópica do pavão enquanto pássaro das Portas do Paraíso. A mestria e o domínio da técnica de pintura a óleo e da materialidade da tinta pela artista, são-nos revelados na reprodução de diversas texturas e relevos, pela presença forte da cor e transparências, pelos jogos de sombra/luz, e movimentos que enfatizam o olhar detalhista da artista e o virtuosismo da representação pictórica que se confunde com fotografia. Observamos o registo realista do ambiente onírico envolvente e a intensidade da luz solar da paisagem exterior que, atravessando a portada de vidro semi-aberta, ilumina o interior de uma sala que somos convidados a habitar. A janela que Ana Elisa Egreja nos oferece em Pavão de Krishna possibilita um prolongamento do interior da sala e a sua relação com o exterior dentro de uma lógica de sobreposições e ambiguidades que acompanham a exposição. A aura nostálgica da composição é reforçada pelo chão alagado da sala, espelho de água que acompanha a largura da janela refletindo o espaço e os seus elementos, num jogo de expansão e duplicação. Flutuando na água, plantas aquáticas acentuam o abandono da sala inundada e povoada por pavões, num diálogo entre a natureza que invade e se funde com a arquitetura construída pelo homem, esbatendo-se as fronteiras entre o espaço público e privado. A exuberância e o tropicalismo da paisagem exterior - com árvores de frutos, aves exóticas e uma cobra coral [5] que se enrosca no corrimão - remetem para uma brasilidade que se estende ao espaço interior da composição, ao acrescentar azulejos modernistas de círculos e semicírculos azuis e verdes de Athos Bulcão que revestem as paredes. Chama-nos a atenção o tratamento pictórico da luz natural do sol que, entrando pela janela semi-aberta, cria sombras nas paredes que alteram ligeiramente o tom dos azulejos. De igual modo destacamos a presença de autocolantes [6] - de dimensão kitsch e pop, mas também religiosa, política e cultural - que pintados no vidro da janela de correr transportam o observador para o tempo histórico atual, criando uma relação interessante com os vários adesivos que, colados nas duas janelas da fachada lateral da galeria, complementam a cenografia e o desenho expositivo. A dimensão cenográfica da obra Pavão de Krishna é acentuada pela introdução de um adereço real sobre a tela: a cortina de missangas, que iludindo o nosso olhar se transmuta, ao surgir refletida - como pintura - no espelho de água.

 

Ana Elisa Egreja, Pavão de Krishna (2023). [pormenor] © Kubikgallery

 

 

Na mesma sala, contrastando com a grandiosa escala da obra anterior, observamos agrupado na parede um conjunto de três pinturas de pequeno formato que simulando pratos Companhia das Índias abrigam sofisticadas composições de frutos e animais - cobra coral, ratos e insetos - que infestam os pratos e comem os alimentos. Artigos domésticos colecionáveis os pratos Cia das Índias evocam a exportação de porcelana chinesa. Ao cariz histórico do conjunto Ana Elisa Egreja introduz frutos exóticos - mamão papaya, caquis e physalis - que remetem para as suas origens sul-americanas. O interesse pela pintura e as suas possibilidades, a qualidade táctil dos elementos que retrata, os relevos, texturas e volumes conseguidos com a tinta a óleo são exploradas por Egreja, tanto em obras de grande formato quanto de pequenas dimensões, conforme nos revelam as imagens da saboneteira e dos dois toalheiros, artigos banais da arquitetura doméstica, que a artista enobrece dando-lhes um foco detalhista. Transportando-nos para o ambiente íntimo do interior da casa, estes elementos quotidianos comuns surpreendem pela linguagem realista: desde a colorida Saboneteira laranja com sabonete branco e bucha verde, 2023, cujo revestimento azulejar (datado) que serve de pano de fundo à composição e criado pela artista, às composições minuciosas de Toalhinha cobra coral, 2023, e Toalhinha laranjas,2023, onde Egreja volta a explorar a relação ente a técnica da pintura e os adereços, ao integrar toalhas bordadas físicas sobre as telas, que libertando-se do suporte quebram as fronteiras entre o mundo pictórico e real. Explorando a tridimensionalidade, Ana Elisa Egreja combina um diálogo entre o plano, matéria, cor e sombra, aspetos que reencontramos em Natureza morta com vaso azul e margaridas, 2023, obra na qual promove a encenação dentro da pintura, confundindo-se os limites entre realidade e ficção. A temática clássica da natureza morta adquire contornos atuais através da simulação pictórica do vidro texturizado canelado - que marcou a arquitetura das décadas de 50 e 60 do século XX – da janela, revelando-nos a cena velada e distorcida. A complementar a composição, a cortina de contas sobre a totalidade da tela que oculta e desoculta a cena retratada, adicionando uma nova camada de texturas e movimentos à pintura.

 

Ana Elisa Egreja, Toalhinha laranjas (2023). [pormenor]  © Kubikgallery

 

 

O interesse da artista pela pintura de interiores e naturezas mortas enquanto temas principais da sua prática e pesquisa, materializa-se na obra Agnus Dei tropical, 2023, onde habitamos e observamos parte de uma sala, cuja decoração clássica, chão em madeira, riqueza dos estampados do sofá, almofadas e motivos decorativos do tapete chamam a atenção. Encimando o sofá, rasga-se uma janela panorâmica de onde avistamos a praia de Botafogo por entre persianas reais, cujo reflexo se revela habilmente espelhado na mesa. Dispersos na mesa, uma variedade de frutas e legumes - diospiros, mamão papaya, physalis, abóboras, cenouras, cajus, mangas, entre outros - compõem a natureza-morta tropical da artista, à qual acrescenta a apropriação da imagem Agnus Dei Pictural (1635-1640) de Francisco de Zurbarán. Na fronteira entre a natureza-morta e pintura religiosa, o significado simbólico do Cordeiro de Deus, enquanto metáfora de sacrifício, (...) aquele que se tem de sacrificar para assegurar a salvação [7], representado vivo, de patas atadas e deitado sobre o sofá da sala, adiciona uma camada narrativa à composição, inserindo-a no realismo mágico. 

Explorando um vocabulário que mistura o popular e o erudito; o banal e o absurdo; o profano e o religioso; a alta e baixa cultura, Ana Elisa recorre com frequência ao excesso na própria pintura, preenchendo-a numa lógica de acumulação que para a própria é sinónimo de conforto. O excesso na pintura a que a artista nos habituou, assim como a ausência de figuras humanas – muito embora hajam indícios da sua presença nas cenas retratadas – são-nos também reveladas em Janela com vista para o mar – Praia da Barra, BA, 2023. Estrategicamente colocado num espaço da galeria voltado para a via publica pública, como uma janela dentro de outra janela, observamos a paisagem estival através das portadas de vidro fechadas. Se o título da obra nos remete para a praia de Porto da Barra em Salvador, os guarda-sóis azuis e brancos pintados pela artista evocam outra geografia – Nice – talvez numa possível crítica da artista ao turismo desenfreado de ambos os destinos. A referência espacial – Sorria você está na Bahia - e temporal da obra é nos revelada pela variedade de autocolantes pintados na janela: desde signos religiosos cristãos e hindus, referências a desenhos animados ou slogans de refrigerantes. Impressionam os jogos lumínicos e cromáticos da paisagem, as variações de tons azuis que dominam a composição e a habilidosa representação das nuvens no céu, dos barcos e da baleia que avistamos a saltar no mar pela janela – talvez a de um quarto – que recorda as de Matisse.

O potencial poético da janela enquanto passagem e o seu caráter dual entre o espaço privado, íntimo e o público, entre o individual e o coletivo são explorados por Ana Elisa Egreja em ambientes onde o absurdo e irreal coexistem como algo normal nos mundos fantásticos que artista pinta e que nos fazem questionar se seria possível a existência na vida real, pois como diz Hans Belting (...) o mundo é um mundo a ser visto e se abre ao olhar por detrás de uma janela simbólica [8].

 

 

Mafalda Teixeira
Mestre em História de Arte, Património e Cultura Visual pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, estagiou e trabalhou no departamento de Exposições Temporárias do Museu d’Art Contemporani de Barcelona. Durante o mestrado realiza um estágio curricular na área de produção da Galeria Municipal do Porto. Atualmente dedica-se à investigação no âmbito da História da Arte Moderna e Contemporânea, e à publicação de artigos científicos.

 


:::

 

Notas

[1] Inaugurada a 6 de julho a exposição Janelas pode ser visitada até dia 10 de setembro de 2023.
[2] Citação da intervenção da artista no vídeo PIPA 2018: Ana Elisa Egreja. Produção: Do Rio Filmes, Ano: 2018, 1’11’’. Disponível em https://www.premiopipa.com/artistas/ana-elisa-egreja/.
[3] Para os hindus o pavão é atributo de várias divindades, entre as quais Krishna – um dos avatares de Vishnu - frequentemente representado com uma pena na cabeça como símbolo do domínio da vaidade, da luxúria, da beleza e da concupiscência.
[4] A Casa de Warchavchik na Rua Bahia, São Paulo, faz parte do conjunto de três edificações concluídas em 1930, consideradas das primeiras obras de arquitetura moderna no Brasil.
[5] Com a sua coloração de cores vibrantes, a cobra coral é um dos animais mais venenosos e letais da natureza, sendo uma das espécies de serpentes mais conhecidas no Brasil. A sua presença enquanto signo é frequente na obra da artista, por vezes associada ao pavão - Pavão de Krishna e Toalhinha cobra coral – o que poderá estar relacionado com simbolismo imortal do pássaro no hinduísmo, capaz de absorver o veneno da serpente e de se manter viva.
[6] Elementos colecionados pela avó da artista dos lugares que visitava, os autocolantes compõem o universo afetivo de Ana Elisa Egreja que os retrata com frequência nas suas pinturas.
[7] CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain: Dicionário de Símbolos. Livraria José Olympio, Editora S.A., Rio de Janeiro, RJ. Tradução: Vera da Costa e Silva...(et.al). 6.ª edição, 1992, p.287.
[8] BELTING, Hans. A janela e o muxarabi: uma história do olhar entre Oriente e Ocidente. In Pensar a Imagem. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. p. 116.

 

 

 

 

 

 



MAFALDA TEIXEIRA