Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


João Jacinto, Sem título, 2023, técnica mista sobre papel, 49,5x65 cm. Cortesia do artista e Galeria 111.


João Jacinto, Sem título, 2023, técnica mista sobre papel, 57x75,5 cm. Cortesia do artista e Galeria 111.


João Jacinto, Sem título, 2023, técnica mista sobre papel, 57x75,5 cm. Cortesia do artista e Galeria 111.


João Jacinto, Sem título, 2022, técnica mista sobre papel, 189x150 cm. Cortesia do artista e Galeria 111.


João Jacinto, Sem título, 2022, técnica mista sobre papel, 193x150 cm. Cortesia do artista e Galeria 111.


João Jacinto, Sem título, 2022, técnica mista sobre papel, 208x150 cm. Cortesia do artista e Galeria 111.


João Jacinto, Sem título, 2022, técnica mista sobre papel, 208x150 cm. Cortesia do artista e Galeria 111.

Outras exposições actuais:

PATRICIA GERALDES

ALENTAR, AO ALENTO, ALIMENTO


Galeria Ocupa, Porto
SANDRA SILVA

PILAR MACKENNA

CONSTELAÇÕES E DERIVAS


Galeria Pedro Oliveira, Porto
CLÁUDIA HANDEM

PEDRO CABRITA REIS

ATELIER


Mitra – Polo de Inovação Social, Lisboa
MARC LENOT

PEDRO TUDELA

U MADE U


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

PRÉ/PÓS - DECLINAÇÕES VISUAIS DO 25 DE ABRIL


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

YAYOI KUSAMA

YAYOI KUSAMA: 1945-HOJE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ANTÓNIO FARIA

AS VIZINHAS


Centro Cultural Bom Sucesso, Alverca do Ribatejo
FÁTIMA LOPES CARDOSO

MARIA DURÃO

EVAS


Kubikgallery, Porto
SANDRA SILVA

COLECTIVA

ENSAIOS DE UMA COLEÇÃO – NOVAS AQUISIÇÕES DA COLEÇÃO DE ARTE MUNICIPAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

TINA MODOTTI

L'ŒIL DE LA RÉVOLUTION


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

ARQUIVO:


JOÃO JACINTO

BAIXO ELÉTRICO




GALERIA 111
R. Dr. João Soares, 5B
1600-060 Lisboa

04 MAR - 29 ABR 2023


 

 

Observo as pequenas partículas esparsas que se alojam nos desenhos de João Jacinto, presentes na exposição “Baixo Elétrico”. Um efeito granulado alastra-se no plano da folha de papel. Olho, com mais atenção, e perscruto ritmos e silêncios, sobre um fundo luminoso.

Os movimentos da mão, realizados pelo artista, sobre a superfície húmida (e branca) do papel, descrevem lastros e pontículos, pulsações que respeitam o tempo na cadência dos intervalos, dos silêncios entre esses mesmos vestígios. Pontuações crepusculares esboroadas convertem-me, e conduzem a uma ideia do desenho, ou de pintura, assente no indizível, no que só pode ser descrito através da matéria, da propriedade perecível e plástica dos materiais.

As partículas, num jogo de “rarefacção e de saturação” [1], vão-se situando e aspergindo na obra pictórica de João Jacinto. Conduzem-me a estímulos ópticos, a tentativas de completude, a uma noção de “conjuntos e subconjuntos” [2], à “divisibilidade da matéria” [3] de que falava Deleuze, e à ideia impressa pelo filósofo “de que a matéria se define ao mesmo tempo pela tendência para construir sistemas fechados e pelo inacabamento dessa tendência”, ou, por outro lado, no princípio de que “todo o sistema fechado é também comunicante” [4].


As múltiplas versões de árvores de João Jacinto, indicam-nos “um para lá do plano”, um “fora de campo” [5], propriedade do que é ilimitado, contínuo. Além dos contornos do desenho, dados pela moldura da folha de papel, estabelece-se uma comunicação com um conjunto muito mais vasto, um universo muito mais amplo [6], que se configura muito além da visão do observador.

 

João Jacinto, Sem título, 2022, técnica mista sobre papel, 225x150 cm.

 

Existe, por outro lado, um desvio do enquadramento (no sentido tradicional) da própria imagem da árvore partilhada. Um desvio que nos desperta para a ideia do que não se vê, mas que existe, está presente [7].

A contemporaneidade permite atribuir, à obra de arte, a possibilidade de resgate das formas que povoaram o passado [8]. Dá luz verde, permissão para que habitemos no mesmo plano essas mesmas imagens que configuraram a história de arte [9], fora dos termos cronológicos. Porém, ao contrário da desterritorialização da imagem contemporânea de que falara José Gil [11], a obra de João Jacinto, aponta caminhos, conduz ao gesto primordial, à própria essencialidade da pintura. Dimana algo originário, iniciático, próprio de uma “nova pintura” [12].

O que comove é o modo persuasivo como João Jacinto invoca a luz. Matéria cara e relevante, no passado, tanto para Turner como para Monet [13].

Remete-me também para a gotejante, brumosa, e líquida pintura de que Danto [14] falava, ao evocar o mais fervoroso defensor da constelação materialista, Clement Greenberg. Naquele lugar em que a pintura só pode ser arte, e não pode ser outra coisa, muito menos manifestação social, moda transitória ou expressão popular.

 

 


:::

 

 

Notas

[1] Deleuze, G. (2016). A Imagem-Movimento, Cinema I. Documenta. Pág. 32 a 37.
[2] Ibidem
[3] Ibidem
[4] Ibidem
[5] Ibidem
[6] Conceito de Gilles Deleuze.
[7] Conceito de Gilles Deleuze.
[8] Gil, J. (2018). Caos e Ritmo. Relógio D´Água
[9] Ibidem
[10] Termo dado por José Gil à imagem utilizada na arte contemporânea, no mesmo livro.
[11] Ibidem
[12] Nas palavras de Pierre Francastel, quando descrevia o Impressionismo, no livro Francastel, P. (1988) O Impressionismo, Edições 70.
[13] Ibidem
[14] Danto, A (2006), Após o fim da Arte , A Arte Contemporânea e os Limites da História. Editora da Universidade de São Paulo.



CARLA CARBONE