Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS



Performance, © Eduardo Mangueira


Performance, © Eduardo Mangueira


©Eduardo Mangueira


©Eduardo Mangueira


©Eduardo Mangueira


©Eduardo Mangueira


©Eduardo Mangueira


©Filipa Almeida


©Eduardo Mangueira


©Eduardo Mangueira


©Eduardo Mangueira

Outras exposições actuais:

PATRICIA GERALDES

ALENTAR, AO ALENTO, ALIMENTO


Galeria Ocupa, Porto
SANDRA SILVA

PILAR MACKENNA

CONSTELAÇÕES E DERIVAS


Galeria Pedro Oliveira, Porto
CLÁUDIA HANDEM

PEDRO CABRITA REIS

ATELIER


Mitra – Polo de Inovação Social, Lisboa
MARC LENOT

PEDRO TUDELA

U MADE U


Kubikgallery, Porto
CONSTANÇA BABO

COLECTIVA

PRÉ/PÓS - DECLINAÇÕES VISUAIS DO 25 DE ABRIL


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
CONSTANÇA BABO

YAYOI KUSAMA

YAYOI KUSAMA: 1945-HOJE


Museu de Serralves - Museu de Arte Contemporânea, Porto
MAFALDA TEIXEIRA

ANTÓNIO FARIA

AS VIZINHAS


Centro Cultural Bom Sucesso, Alverca do Ribatejo
FÁTIMA LOPES CARDOSO

MARIA DURÃO

EVAS


Kubikgallery, Porto
SANDRA SILVA

COLECTIVA

ENSAIOS DE UMA COLEÇÃO – NOVAS AQUISIÇÕES DA COLEÇÃO DE ARTE MUNICIPAL


Galeria Municipal do Porto, Porto
CONSTANÇA BABO

TINA MODOTTI

L'ŒIL DE LA RÉVOLUTION


Jeu de Paume (Concorde), Paris
MARC LENOT

ARQUIVO:


DUARTE ÁGUAS

CONTOS ERÓTICOS




ÓOCIOO
Rua do Heroísmo, 139B, Bonfim


23 FEV - 13 ABR 2023

Sobretudo não morrer

 

 

A distância  e, ao mesmo tempo, a proximidade — que define a contemporaneidade, tem o seu fundamento nessa proximidade com a origem, que em nenhum ponto pulsa com mais força do que no presente.

 

Giorgio Agamben
 

 

A convite do Óocioo, espaço independente de arte no Porto, de 23 de Fevereiro a 13 de Abril, Duarte Águas apresenta-nos os seus “Contos eróticos” numa exposição individual e numa aproximação destemida. Neste espaço e neste tempo — nesta cidade —  o Duarte leva-nos a caminhar pelo seu mundo criativo, que não é imaginário, numa exposição de um erotismo em potência, onde o revelado chama o corpo e os sentidos a envolverem-se. Na sua novidade, este lugar aqui criado tem um ser próprio, um dinamismo próprio. 
"Contos Eróticos" inaugurou com uma performance do artista e da sua amante, como o próprio a chama — Ana Malhou. Não contratou ninguém, não ensaiou com ninguém e não elaborou nada a não ser aquilo que poderia muito bem ter acontecido na sua vida real —que já acontece. O artista não procura criar coisas novas nem objectos para expor, mas sim levar aquilo que já vive por si, que já é seu, que experiencia, que ama, que existe antes de tudo — no seu tempo, neste tempo (e) para este tempo. Não fogem de si — são a esperança de podermos ser poéticos mesmo na própria vida. 
A performance foi um gesto de amor. Deitado numa banca de mercado, que construiu à mão, com madeira, cimento e azulejo, o artista apresentava-se despido, e apenas de óculos de sol (já lá vamos) enquanto Ana o lavava. Numa engenharia desembaraçada e elaborada, Duarte construiu um sistema que levava a àgua até si, quente, e,  através de um tubo, o vapor esvoaçava até à entrada, onde as pessoas, chegadas à exposição, podiam sentir o salpicar de um erotismo em expansão. Esta imagem fez-me relembrar um filme de que gosto muito, “De amore se vive”, em que uma criança a caminho da adolescência nos conta que a sua imagem de amor é, ao fim do dia, poder tomar banho com a sua amada, mas, atenção: é ele que a lava a ela e ela que o lava a ele. 
Os óculos de sol vêm de uma ideia do artista que se liga com um dos seus contos eróticos expostos. Numa moldura antiga e em papel amarelado, Duarte inventa um povo que erotiza os olhos, em vez dos órgãos genitais. Caminham e vivem despidos de roupas mas vendados nos olhos — segredo que só desvendam na entrega profunda e amorosa com alguém. Como será ver os olhos de alguém pela primeira vez? 
Então, o Duarte despe-se, mas cobre os seus olhos - que isso não é para todos. E Ana, demorada e cuidadosamente, lava-o. 
Esta exposição propõe-nos a re-olhar o romance da vida, a sepultar a rigidez e a precisão, a tornar-nos mais elásticos e a abrirmos as asas como o papagaio que, entusiasmado, sente o verdadeiro valor daquele banho.
É uma exposição para o corpo e para a imaginação. Podemos, sim, viver fantasias, tapar os olhos, ousar os sentidos. É isso a sensualidade. São contos que nos lembram que não podemos perder a capacidade de contar histórias — que isso é vital e sensual  — são contos em forma de imagem, de flores, de nuvens. Nestas histórias, em potência para serem filmes, entro na imaginação e intimidade do Duarte. Temos a história de uma entrevista de trabalho que seria adornada com flores e um céu azul, o desejo de petrificar sémen e enviar pela janela à amante que dorme na espera, o erotismo de um olhar num banco público, de madrugada. São histórias que fazem parte da sua vida e que são reais. Note-se que, não tendo o deadline para a exposição, na sua vivacidade própria e no seu timming real, tendo deixado tempo para o Duarte lixar o banco público como queria, para tornar a sua superfície suave ao sentar, o artista fê-lo a seguir — porque as coisas não acabam. Na carência que sente nos objectos do mundo, o Duarte cuida. Foi lixar o banco, no fundo, para pedir desculpa, pelas suas próprias palavras. O gesto real está aí. Está em não esquecer. Fê-lo porque se posiciona contra essa distância entre as coisas e as pessoas….; entre o que são as coisas e o que são mesmo as coisas.
Podemos seguir esta linha de histórias e saber que o erótico está em todo o lado. Está, sobretudo, na anima de criar, de não sucumbir, de, “sobretudo, não morrer”.[1] É isto o vivo, o libidinoso  —  a capacidade de ver, de olhar, de contar histórias na cama uns para os outros, de nos adormecermos, de nos acordarmos, de nos lavarmos, de nos reinventarmos  — de saber que o espelho onde fica gravada uma imagem tem de ser nosso… (espero que ele se lembre.) Essa imagem que já foi embora mas não está perdida. 

O Duarte não quer títulos, nem folhas, nem textos, mas eu quero escrever sobre ele e os seus contos  —  porque quero participar da sua revolução que nos mostra que o poético está em todo o lado, que as coisas circulam se houver energia e fluxo, que o vapor de um banho inflama todos os corpos. São fábulas que não mentem, mas antes suscitam as nossas próprias fábulas, os nossos próprios contos  —  porque tirar prazer das coisas e fazê-las, mesmo com o mínimo de condições possível, só com as nossas mãos, o nosso amor e atenção, é ser o mais actual e contemporâneo possivel.

 

“Isso significa que o contemporâneo não é apenas aquele que, percebendo o escuro do presente, nele apreende a resoluta luz; é também aquele que dividindo e interpolando o tempo, está à altura de transformá-lo e de colocá-lo em relação com os outros tempos, de nele ler de modo inédito a história, de ‘citá-la’ segundo uma necessidade que não provém do seu arbítrio, mas de uma exigência à qual ele não pode responder. É como se aquela invisível luz, que é o escuro do presente, projetasse a sua sombra sobre o passado, e este, tocado por esse facho de sombra, adquirisse a capacidade de responder às trevas do agora” [2] 

 

Não podemos responder, não podemos compreender, mas podemos ser. 

“O poeta, enquanto contemporâneo, é essa fratura, é aquilo que impede o tempo de compor-se e, ao mesmo tempo, o sangue que deve suturar a quebra (...) Numa anotação dos seus cursos no College de France, Roland Barthes resume-a deste modo: O contemporâneo é o intempestivo." [3]

 

O Duarte é a fractura, o intempestivo, o contemporâneo. O poeta à solta, para roubar uma expressão de Agostinho da Silva, citada pela minha colega e amiga Madalena Folgado. 

 

"Perceber no escuro do presente essa luz que procura nos alcançar e não pode fazê-lo, isso significa ser contemporâneo. Por isso os contemporâneos são raros. E por isso ser contemporâneo é, antes de tudo, uma questão de coragem: porque significa ser capaz não apenas de manter fixo o olhar no escuro da época, mas também de perceber nesse escuro uma luz que, dirigida para nós, distancia-se infinitamente de nós. Ou ainda: ser pontual num compromisso ao qual se pode apenas faltar. (...) E essa urgência é a intempestividade, anacronismo que nos permite apreender o nosso tempo na forma de um "muito cedo" que é, também, um "muito tarde': de um "já" que é, também, um "ainda não': E, do mesmo modo, reconhecer nas trevas do presente a luz que, sem nunca poder nos alcançar, está perenemente em viagem até nós." [4]

 

Nessa viagem, resta-nos contar as nossas histórias, iluminá-las ou reconhecê-las na sombra; e nunca esperar que passe — ou esperar que nunca passe. Tornarmo-nos conscientes e, por isso, mais atentos para habitarmos a vida, como ela é. Os seus contos são a celebração pura do acto criativo, são a aceitação da festa da vida, com todas as suas cores. É a transformação criativa da precariedade em romance, do parado em dança, da escuridão em clareza (awareness), nem que, para isso, seja preciso um reflector.  É um convite a inventarmos o que não temos. É uma questão sobre o mundo de hoje, mais do que nunca — e sobre saber olhar esse tempo. É o contemporâneo. A importância do quente, do olhar, do acordar. Saber que umas flores falsas, com as cores que sonhámos, podem mudar o rumo de uma entrevista, saber que vale a pena acordarmos alguém de noite para fazermos amor — que isso é, mais uma vez, e, sobretudo, não morrer. Que, de olhos fechados, por vezes, vemos mais e melhor. Os  amantes  e  os  loucos  são  de cérebro quente, vive neles uma fantasia criadora, e conseguem ver aquilo que o frio entendimento jamais poderá compreender. Esta exposição é carnal e divertida sem ser infantil —cumpre-se na sua existência. No motor da sua força interior, faz-nos querer cumprir-nos também, em cada gesto, no que de mais poético, e, portanto, vital, existe em nós. É um amor que não pode ser comandado porque é ele quem comanda — o que, já sabemos, não vem sem luto — sabendo que é nesse lugar que ousamos contar as nossas histórias.

Vejo um desejo em movimento, vivo — vejo um não podermos deixar de querer. Vejo esse desejo que alavanca, que  possibilita — e ao possibilitar inaugura e resgata a capacidade de amar e criar.   Abre-se um caminho para que  Eros,  enquanto força de vida, de alguma forma, coloque (ainda) mais vida na vida.

Esse lugar, onde se fazem as coisas só (que é tudo!) pelo prazer de as fazer. Talvez seja necessário relembrar e tentar resgatar essa vitalidade tão potencializadora e enérgica, esse erotismo. Chamo a estes contos do Duarte o mesmo que Harald Szeemann sonhava sobre o futuro das exposições — os poems in space. Esta exposição encaminha a sua vida e conduz o seu afeto e prazer pelas veredas e paredes em que pulsa o coração, nos contos que respiram e nos sorriem. Por intermédio do corpo, portanto, podemos rever-nos a nós e ao mundo — nos nossos mistérios, nos lugares desconhecidos da imaginação e da paixão, e esquecer, nem que seja por breves momentos, os aprisionamentos, conquistando as libertações possíveis.

A imaginação do Duarte funciona como um receptáculo no qual as figuras são depositadas e se tornam imagens — mais — se tornam histórias. O artista larga o passivo, recusa o estático — para assumir a autoria do gesto erótico que rompe a barreira. A parceria dos corpos aqui presentes suspende o trânsito habitual dos enlaces sensuais — expande-o —  escolha do próprio sujeito, impulsionado pelo desejo, pela vibração do seu afeto, implicando a iminência do gesto transgressivo. Fazem-nos ver a beleza de um gesto, a cor das flores, os cheiros, a água, as nuvens — e saber que é nisso que repousa a vida, na sua tristeza e na sua alegria. No seu todo.

 

“E tudo isto poderá parecer uma colecção de grandes ideias, vagamente poéticas, destinadas a tranquilizar a consciência ou animar os espíritos, mas quem escolhe ficar na vida saber que isto é algo de tão concreto como o som das cigarras, num dia de Verão. É, sobretudo, não morrer.” (...) Recusar a morte e ir ter com o mundo, ser nómada, descobrir o que se esconde para lá da montanha, viajar até ao outro lado da noite. Talvez até transformar uma ínfima parte desse mundo, ou nunca chegar a consegui-lo.” [5]

 

Nessa espera sem compromisso, nessa sombra consciente da luz, nessa recusa da morte para sermos vida.

Esta exposição são as cigarras de verão que, afinal, podemos ouvir já na Primavera.
É “sentir que os cotovelos da morte roçam os nossos cotovelos, e ainda assim ficar na vida porque só quem está na vida pode imaginar as deambulações da morte e traduzi-las numa história que sirva para a vida” [6]. Saber que não podemos só arder em fogo raso — que somos a soma, a união — que somos juntos. E, por isso, mais. É saber que os nossos contos eróticos podem ser sopros rejubilantes de vida, e que, por eles, pelas cigarras, vale a pena estar na vida. E que isso, que isto, que a exposição do Duarte é não morrer. É, sobretudo, não morrer. 

 

 

:::

 

Duarte Águas 

Artista plástico e músico, licenciado em Pintura na Faculdade de Belas Artes de Lisboa, 2015. Reside neste momento no Porto.

 

Filipa Almeida

Nasceu em Lisboa, em 1996, cidade onde vive e trabalha. Licenciou-se em Ciências da Cultura e da Comunicação, na Faculdade de Letras. Realizou uma Pós- Gradução em Curadoria de Arte na Nova FCSH, um curso de Estética na SNBA, e está neste momento a realizar o Mestrado em Práticas Tipográficas e Editoriais Contemporâneas na FBAUL. 

Ibid, p.58

Notas

[1] Texto de Tiago Rodrigues, para a peça "Sopro", no Teatro Dona Maria II. Link disponível aqui

[2] Giorgio Agamben, O que é o Contemporâneo? e outros ensaios, 2009, p.72 Link disponível aqui 

[3] Ibid, p.58

[4] Ibid, p.66

[5] Texto de Tiago Rodrigues, para a peça "Sopro", no Teatro Dona Maria II. Link disponível aqui

[6] Ibid

 

 

 

 

 

 



FILIPA ALMEIDA