Links

EXPOSIÇÕES ATUAIS


Vista da exposição. © Galeria 111


Vista da exposição. © Galeria 111


Fátima Mendonça, Menina do Mar, 2020-2022. Técnica mista sobre papel, 42,6x41,8cm. © Artista / Galeria 111


Fátima Mendonça, A guerra, 2020-2022. Técnica mista sobre papel, 59x42cm. © Artista / Galeria 111


Fátima Mendonça, O Vento, 2020-2022. Técnica mista sobre papel, 55x42cm. © Artista / Galeria 111


Fátima Mendonça, Lágrimas, 2020-2022. Técnica mista sobre papel, 47,3x41,8cm. © Artista / Galeria 111


Fátima Mendonça, Diário-dias incertos, 2020-2022. Técnica mista sobre papel, 47,5x46 cm. © Artista / Galeria 111

Outras exposições actuais:

JULIANA MATSUMURA

DIÁFANO


Atelier Concorde, Lisboa
MADALENA FOLGADO

MANUEL CALDEIRA

ACAPELLA


Rui Freire — Fine Art, Lisboa
CARLA CARBONE

MARIA CAPELO

O DIA JÁ FECHA AS PORTAS


MAAT, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

COLECTIVA

MISTIFÓRIO


Culturgest (Porto), Porto
MAFALDA TEIXEIRA

COLECTIVA

FRONTEIRAS POROSAS / PASSADO PRESENTE


Largo Residências / Quartel do Largo do Cabeço de Bola, Lisboa
MARC LENOT

MANUELA MARQUES

ECHOES OF NATURE


MNAC - Museu do Chiado , Lisboa
MARC LENOT

COLECTIVA

EDIÇÃO LIMITADA. 66 FOTÓGRAFOS – 66 IMAGENS


Galeria de Santa Maria Maior, Lisboa
FÁTIMA LOPES CARDOSO

JOÃO SALGUEIRO BAPTISTA

ABISMO


Celeiro da Patriarcal, Vila Franca de Xira
FILIPA ALMEIDA

COLECTIVA

[TEMPO] DESTEMPO


Plataforma Revólver, Lisboa
JOANA CONSIGLIERI

LUÍSA FERREIRA

A CIÊNCIA CURA


Museu do Neo-Realismo, Vila Franca de Xira
FÁTIMA LOPES CARDOSO

ARQUIVO:


FÁTIMA MENDONÇA

DIÁRIO - DIAS INCERTOS




GALERIA 111
R. Dr. João Soares, 5B
1600-060 Lisboa

14 JAN - 25 FEV 2023


 

 

Em Diário – Dias Incertos, os desenhos aderem à parede, aparentemente colados. Distribuem-se relativamente juntos, mas separados o suficiente para constituírem a sua autonomia. Os pregos que os seguram são quase invisíveis. Não se emolduram numa armadura de vidro e madeira – estão despidos, querendo agarrar-se ao grande branco para não caírem.

A obra de Fátima Mendonça constrói-se na incerteza – parece haver nela um tremor constante, uma ansiedade, talvez a vontade intrínseca de criar, aqui, sinónimo de expelir. A textura das suas composições, somatórios de cores sobrepostas ou violentamente traçadas, leva o papel, muitas vezes, a fazer-se pedra, numa plasticidade a lembrar a fase bruta de Dubuffet, como em Casa (semear). Será, no entanto, algo injusta esta comparação: na “ingenuidade deliberada” (nas palavras de David Santos) que o artista francês via como oportunidade de diferenciação formal, sempre veículo para uma teorização mais profunda, a obra de Mendonça não se parece preocupar com mais nada, para além do registo sincero, sempre intenso, das suas vivências ou pensamentos.

A palavra aparece constantemente associada ao desenho, signo de comentário ou jogo, dando lugar, por exemplo, ao humor jocoso: veja-se a última obra da exposição, um descrito Retrato de Perfil que é cabeça de um burro, ou o Cisne Brinquedo onde o processo de representação da boca de um cisne, parece ter levado a artista a notar a sua semelhança com um pénis, processo mental que se torna transparente no ato pictórico. No entanto, o universo de Fátima parece elaborar-se, sobretudo, no drama, no medo, quer pessoal ou contextual, mas sempre vivido intimamente: em A Guerra, faz-se uma obra cáustica, especialmente intensa, onde hélices de aviões distendidas parecem espinhos que espetam.

Ainda assim, o humor e o drama não são elementos isolados: alimentam-se mutuamente, tudo é passível de várias leituras. Estamos num universo fechado, sempre chocante na sua veemência, que se fez reflexo da vida, porque também é ele um diário, registo continuado de vivências. O título da exposição parece-me uma sincera definição do contexto de produção destas obras, mas, simultaneamente, a súmula conceptual de todo o trabalho de Fátima.

As obras que aqui vemos estabelecem relações concretas com temas já anteriormente abordados pela artista, como a mesma identifica na folha de sala: a casa, o autorretrato, o sexo. Especialmente, a casa que arde, aqui recorrente, esquelética, com chamas a trespassarem-lhe as vigas, como em Casa Protegida, contradição que pode ser aceitação do medo. Ou um cantileno desesperado para travar o pânico. Algures à frente, vemos uma casa preta, queimada. Nas suas claustrofobias parece ver-se o isolamento pandémico que originou a construção desta exposição.

Entre si, os desenhos estabelecem também mitologias fechadas, cruzamentos específicos que se constroem numa visão atenta da exposição: por exemplo, o final Retrato de Perfil parece cruzar-se com uma outra composição anterior, onde, num círculo, uma personagem tímida, embaraçada, é legendada como Cabeça de Burra. Os temas, mais ou menos aleatórios, vão voltando como memórias remoídas, trabalhadas insistentemente, obsessivamente pela cabeça da artista. A força e subjetividade com que se expelem parecem refletir a incapacidade de se conseguirem dizer por palavras. A vergonha de um mundo fechado feito pujança. Obras-catarse. Se quisermos evocar comparações, talvez o nome mais sensato seja o de Adília Lopes:

 

“Quando fomos apresentados
em pequenos
beijaste a mão direita
dela
a minha
viraste-a do avesso
para beijares a tua
o que fizeste
cortei a minha mão direita
como manda a Bíblia
e deitei-a fora
sou feliz porque sou inteligente”

 

Adília Lopes, Tu (pintado com o pé)

 

Fátima Mendonça, Dois murros, 2022. Lápis e pastel sobre papel, 42x42cm. © Artista / Galeria 111

 

As mãos são o elemento principal de uma das obras chave da exposição, Dois Murros. Aqui, não se cortam, mas, com semelhante violência ingénua, fecham-se fortes e femininas. Parece ver-se nesta obra de Fátima uma espécie de orgulho mais assumido, uma afirmação mais concreta – como nas suas representações de vulvas e clítoris, aqui também recordadas em novas composições. Para vermos estes Dois Murros, olhamos para cima como uma figura de adoração, grave: compõem um retrato sem cara, um par de mãos vincadas, rígidas, prontas para o soco, com as unhas pintadas de vermelho. O fechamento do pulso, disposto ao combate, é uma potência combustora pronta a ser devolvida. Por exemplo, ao visitante. À sua volta observam-se também momentos contemplativos, porque as obras de Fátima também o conseguem ser: um conjunto de papoilas emerge de um verde aguado, hipnótico; mais atrás, traça-se um presépio sob uma noite tranquila; desenham-se também várias árvores, hirtas ou emaranhadas, sempre com flores ou fruto.

Tudo é perpassado por uma impulsiva credulidade que faz cada cena – muitas vezes simples, apresentando só uma ação, um elemento, um cenário – assemelhar-se a um cromo numa caderneta agigantada, aqui aberta, espalhada. Não mencionei ainda os animais de estimação, as mulheres que choram, as caveiras, os retratos retorcidos e assombrados. O seu Diário é extenso, passível de várias colheitas. Escreve-se em pequenos contos filtrados por uma imaginação onde o surreal se torna apenas um verídico mental, mais intenso.

Uma bonita exposição de uma artista imperdível.

 

 



MIGUEL PINTO