Links

O ESTADO DA ARTE


Vista da exposição Rare Earth, Tony Cragg, 2023-24. © MNAC


Vista da exposição Rare Earth, Tony Cragg, 2023-24. © MNAC


Tony Cragg, Early Form (2014). © Michael Richter


Vista da exposição Rare Earth, Tony Cragg, 2023-24. © MNAC


Vista da exposição Rare Earth, Tony Cragg, 2023-24. © MNAC


Tony Cragg, In Frequencies (2019). © Michael Richter


Vista da exposição Rare Earth, Tony Cragg, 2023-24. © MNAC


Tony Cragg, In No Time (2018). © Michael Richter


Vista da exposição Rare Earth, Tony Cragg, 2023-24. © MNAC


Vista da exposição Rare Earth, Tony Cragg, 2023-24. Em primeiro plano Spectrum (1979); ao fundo The Worm Returns (1985). © MNAC


Tony Cragg, Foreign Body (2015). © Michael Richter


Tony Cragg, Spring (2016). © Michael Richter


Vista da obra de Tony Cragg Upright (2016), Terreiro do Paço, Lisboa. © CML

Outros artigos:

2024-07-13


JÚLIA VENTURA, ROSTO E MÃOS
 

2024-05-25


NAEL D’ALMEIDA: “UMA COISA SÓ É GRANDE SE FOR MAIOR DO QUE NÓS”
 

2024-04-23


ÁLBUM DE FAMÍLIA – UMA RECORDAÇÃO DE MARIA DA GRAÇA CARMONA E COSTA
 

2024-03-09


CAMINHOS NATURAIS DA ARTIFICIALIZAÇÃO: CUIDAR A MANIPULAÇÃO E ESMIUÇAR HÍPER OBJETOS DA BIO ARTE
 

2024-01-31


CRAGG ERECTUS
 

2023-12-27


MAC/CCB: O MUSEU DAS NOSSAS VIDAS
 

2023-11-25


'PRATICAR AS MÃOS É PRATICAR AS IDEIAS', OU O QUE É ISTO DO DESENHO? (AINDA)
 

2023-10-13


FOMOS AO MUSEU REAL DE BELAS ARTES DE ANTUÉRPIA
 

2023-09-12


VOYEURISMO MUSEOLÓGICO: UMA VISITA AO DEPOT NO MUSEU BOIJMANS VAN BEUNINGEN, EM ROTERDÃO
 

2023-08-10


TEHCHING HSIEH: HOW DO I EXPLAIN LIFE AND CHANGE IT INTO ART?
 

2023-07-10


BIENAL DE FOTOGRAFIA DO PORTO: REABILITAR A EMPATIA COMO UMA TECNOLOGIA DO OUTRO
 

2023-06-03


ARCOLISBOA, UMA FEIRA DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM PERSPETIVA
 

2023-05-02


SOBRE A FOTOGRAFIA: POIVERT E SMITH
 

2023-03-24


ARTE CONTEMPORÂNEA E INFÂNCIA
 

2023-02-16


QUAL É O CINEMA QUE MORRE COM GODARD?
 

2023-01-20


TECNOLOGIAS MILLENIALS E PÚBLICO CONTEMPORÂNEO. REFLEXÕES SOBRE A EXPOSIÇÃO 'OCUPAÇÃO XILOGRÁFICA' NO SESC BIRIGUI EM SÃO PAULO
 

2022-12-20


VENEZA E A CELEBRAÇÃO DO AMOR
 

2022-11-17


FALAR DE DESENHO: TÃO DEPRESSA SE COMEÇA, COMO ACABA, COMO VOLTA A COMEÇAR
 

2022-10-07


ARTISTA COMO MEDIADOR. PRÁTICAS HORIZONTAIS NA ARTE E EDUCAÇÃO NO BRASIL
 

2022-08-29


19 DE AGOSTO, DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA
 

2022-07-31


A CULTURA NÃO ESTÁ FORA DA GUERRA, É UM CAMPO DE BATALHA
 

2022-06-30


ARTE DIGITAL E CIRCUITOS ONLINE
 

2022-05-29


MULHERES, VAMPIROS E OUTRAS CRIATURAS QUE REINAM
 

2022-04-29


EGÍDIO ÁLVARO (1937-2020). ‘LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES’
 

2022-03-27


PRATICA ARTÍSTICA TRANSDISCIPLINAR: A INVESTIGAÇÃO NAS ARTES
 

2022-02-26


OS HÁBITOS CULTURAIS… DAS ORGANIZAÇÕES CULTURAIS PORTUGUESAS
 

2022-01-27


ESPERANÇA SIGNIFICA MAIS DO QUE OPTIMISMO
 

2021-12-26


ESCOLA DE PROCRASTINAÇÃO, UM ESTUDO
 

2021-11-26


ARTE = CAPITAL
 

2021-10-30


MARLENE DUMAS ENTRE IMPRESSIONISTAS, ROMÂNTICOS E SUMÉRIOS
 

2021-09-25


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
 

2021-08-16


MULHERES ARTISTAS: O PARADOXO PORTUGUÊS
 

2021-06-29


VIVER NUMA REALIDADE PÓS-HUMANA: CIÊNCIA, ARTE E ‘OUTRAMENTOS’
 

2021-05-24


FRESTAS, UMA TRIENAL PROJETADA EM COLETIVIDADE. ENTREVISTA COM DIANE LINA E BEATRIZ LEMOS
 

2021-04-23


30 ANOS DO KW
 

2021-03-06


A QUESTÃO INDÍGENA NA ARTE. UM CAMINHO A PERCORRER
 

2021-01-30


DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE
 

2020-12-29


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO - PARTE II
 

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

CRAGG ERECTUS

JOÃO BORGES DA CUNHA

2024-01-31




 

A fortuna das exposições de Tony Cragg no panorama, e já na história, das mostras do muito empenhado Portugal-da-Grande-Arte-Contemporânea parece assombrada por coincidências de agenda e de calendário que se encarregam de recusar ao escultor a irresistível dimensão que ele transporta, secundarizando-o no instantâneo de cada momento em que se apresenta entre nós. Ou mais desmoralizador e injusto, empurrando-o para o circuito de uma suposta “arte séria”, onde o peso dos nomes consagrados é esmagador, território para iniciados e esteti-nautas, o que faz com que os demais, aquela legião entusiasta e legitimadora daquilo que é o “contemporâneo”, se precipitem até ao último evento de aparato à beira-rio.

Quando em 2004, há duas décadas, a obra do artista teve a primeira exposição em Portugal só a ela dedicada, com o título singelíssimo «Tony Cragg», estávamos em Serralves, na antiga Casa e nos Jardins, e expunham-se dezassete peças. Mais abaixo, no Museu, decorria a exposição «Behind the Facts: interfunktionen 1968-1975», com Robert Smithson, Bruce Nauman, John Baldessari, Gilbert & George et alia, em peças de segunda linha, mas que vinham envernizadas por passagem pela Fundação Joan Miró em Barcelona, que lhes dedicou um catálogo de quinhentas páginas, onde se defendia a tese de que ali é que estava a raiz do contemporâneo. No artigo do jornal Expresso que dedicou ao balanço de 2004, Alexandre Pomar dizia na altura que a desilusão do ano era nada mais do que «Tony Cragg», a exposição, isto porque curadores e instituição não tinham sabido atribuir-lhe a importância devida, pois que: « em vez de catálogo, as esculturas de Tony Cragg […] que ficam na memória como uma das mais ambiciosas exposições já realizadas no Porto, só tiveram direito a uma folha de meia dúzia de linhas informativas e a uma lista de títulos com imagens microscópicas, enquanto a estratégia de promoção do museu dava toda a prioridade a uma muito duvidosa operação de revivalismo pós-68 («Interfunktionen»). A contestação do objecto artístico que aí se pretendia ilustrar como bandeira da arte contemporânea era contrariada pelas esculturas de Cragg, e era este, de facto, o artista contemporâneo. Por isso se fez silêncio à sua volta».

Mas nesse mesmo ano, Cragg teve outro rival a sul. Anthony Gormley ocupava a Fundação Gulbenkian com a exposição «Mass and Empathy», numa operação tão ambiciosa que não se contentou com o CAM nem com os jardins e entrou pelas caves, arrecadações e garagens do edifício da sede, alcandorando-se logo ao estatuto de exposição da década, mesmo que o que nela se via não passasse de ilusionismo.

Desta vez, com a exposição extensa, rigorosa, muito refinada, e por isso excelentíssima, que é «Rare Earth» no MNAC (e com catálogo de louvar), Tony Cragg aterra em Lisboa no mesmo instante em que está montada uma operação artístico-empresarial, em torno de um só nome, na frente Belém-Alcântara dominada pelo MAAT, e que parece ter o sabor daquelas exposições-do-mundo-do-regime, tradição que vai sempre bem com os lugares que se querem montras-da-nação. E é assim que, em contrapartida, associada à iniciativa do MNAC à volta de Cragg, com o patrocínio da edilidade, temos apenas três esculturas do artista colocadas no espaço público de Lisboa, a Praça do Comércio, em situação pouco memorável, que não as honra, e, mais sério, que desperdiça a oportunidade do cosmopolitismo (para evitar dizer um superlativo “universalismo”) que delas emana. E que falta faz que tivessem antes ido esconjurar o paroquialismo iconográfico e o provincianismo artístico de outros pontos da cidade onde vigoram o deslumbramento pela história e o espavento da novidade.

É bom que se diga que começar a falar das obras de Tony Cragg, e da exposição «Rare Earth», colocando-as no centro de uma peripécia que é a do contexto mais ou menos desafortunado da respectiva recepção, não é facécia que esteja movida por uma lógica fulanizada entre protagonistas e antagonistas, ou que reclame um maior reconhecimento do artista, que não necessita de mais outorgas. A questão é antes a de que se há obra que tem o condão de, quase didacticamente, levar os públicos descrentes a reconciliar-se com a arte contemporânea, de conseguir desfazer muitos dos equívocos e contradições em que a arte se enredou, de reunir “apocalípticos e integrados”, de aplacar reaccionarismos e refrear os chefes da claque da contemporaneidade militante; em suma, de conferir um módico de sanidade onde reina uma folia já muito rouca, as peças de Tony Cragg compõem essa exactíssima obra. Por isso, não deve malbaratar-se esse efeito reparador desferindo sobre ela o golpe de retórica da guarda avançada, aquela que pugna pela proeminência da arte pública, e pelo actual primado da comunhão obrigatória entre o artístico e o político, e toda essa ganga de uma "arte de causas". Cragg solicita que dele nos aproximemos numa sorte de suspensão sobre o mundo, mas não naquela pose escolar da ingenuidade e da inocência face às coisas, antes num estado de espírito todo muito mais dado à protopatia, isto é: o que é que se vai ver? - pouco importa, logo se verá, e o espanto há-de dar-se.

E o que se vê em «Rare Earth» é a história de um artista que começou pela conceptual art, passou pela land art e o novo objectualismo, praticou a assemblage, o ready-made e o spatial turn, sempre com fulgor assinalável, e que hoje se dedica a um formalismo visceral, que já ninguém acharia possível e muito menos suportável. Mas cujos resultados corajosos dão a experimentar corpo a corpo, quase carne com carne, aquilo que materialmente mais próximo há do imaginário feroz do cinema distópico, dos cenários convolutos das cinturas pós-industriais, da figuração aflitiva dos desastres ecológicos, da silhueta contorcida da manipulação técnica e genética; na verdade, do retrato mais desassombrado do "derretimento" global. Não se pense, porém, que a expensas de um figurativismo rasteiro ou, ao contrário, através de alusões esotéricas. Tudo é antes feito com um propósito encantatório que transforma a exposição num autêntico pavilhão de curiosidades [uma Wunderkammer] (e nunca as salas do MNAC foram tão adequadas), posto que o destino mais certo de quem lá vai é perder-se, não obstante a linha do percurso estar irrepreensivelmente desenhada. É certo que o formalismo desusado do Tony Cragg de agora tem fronteiras de risco que lhe colocarão muitos detractores à porta. Os processos de concepção e de produção não se afastam daqueles a que muito do actual design high-tech deita mão, e ocorrem a cada tanto sobressaltos decorativistas que só ofenderão aqueles que deixaram há muito de saber o verdadeiro significado do termo décor. Veja-se esta peça e aquela outra: pois que não são tal e qual um pé-de-candeeiro da marca "x"? Pois é, mas todos estes candeeiros, consolas, cómodas, aparadores, contadores e demais parafernália, são os totens com que Cragg compõe, com virtuosismo, uma paisagem estética cheia de qualidades catárticas sobre o nosso deslassamento ambiental, e onde a escultura enquanto expressão - diz o artista no belíssimo vídeo «Inside | Outside» que acompanha a exposição -, «ultrapassa todos os interesses, porque não é nem natureza nem indústria [cultura]». De onde lhe virá, dizemos nós, a capacidade de baixar as expectativas e esvaziar a pressão numa atmosfera muito calhada a demagogias arty e a tonitruâncias camp. Talvez não seja fácil de encontrar proclamação mais alinhada com os ventos da contemporaneidade estética e mais artisticamente engagé do que esta. Portanto, quanto a uma arte de causas, é isto.

 

Eroded Landscape,1998. Sandblasted glass, 252x150x150 © M. Richter

 

Com cinquenta e quatro obras expostas, entre esculturas, instalações, objets trouvés e desenhos, não será prudente achar que em «Rare Earth» tudo se equivale. De resto, dentro de um horizonte temporal que recua a 1979, com a instalação «Spectrum», muito conseguida e magnética, mesmo que acusando um tanto já a passagem do tempo, o que agora a agrava com um certo ar a lugar-comum; e chegando a 2021, com uma série de quatro peças gráficas sem título, a lápis sobre papel, e cuja necessidade no seio desta exposição não está demonstrada, dado o aspecto demasiado bem-comportado que encerram; os momentos altíssimos sucedem-se com tal encadeamento que não cai mal dizer de «Rare Earth» que é uma cordilheira de triunfos. Já só por si, a sala de abertura, onde as duas primeiras peças da exposição, «Eroded Landscapes» (1998) e «Foreign Body» (2015), se debatem num diálogo exquis riquíssimo, é um trunfo curatorial tão saliente que numa tirada cheia de soberba pode mesmo dizer-se que consumam logo ali, e apenas entre elas, todo o alcance da exposição. E em exposição que assim abre, aceita-se mal que feche com a muito desinspirada «Spring» (2016) e o seu zoomorfismo fora de escala a passar a mensagem, infelizmente demagógica, de que com a diligente imitação da natureza, a arte lá se vai desenvencilhando. Mas pode dar-se o caso de que tenha sido somente uma infelicidade de colocação, que aqui não perdoa o equívoco em que pode tornar-se enclausurar as obras de Tony Cragg em espaços museológicos, quando o que elas exigem é 'open air'. E disto se ressente precisamente a campanha paralela Cragg-in-Terreiro-do-Paço. É que a Praça do Comércio não é galeria diferente de qualquer recinto 'arquitecturado' de um museu, que acanha e oprime estas esculturas. No limite, que chega a apoucá-las. É por isso que a preciosa lição que «Rare Earth», no MNAC, persegue tem de buscar-se num par ou dois de obras a que uma espécie de acaso oferece experiências de recorte raro. Para não cair num registo particularmente opinativo, nem judicioso, é o que sucede com a comovente instalação «The Worm Returns» (1985), que faria a inveja de um Arman; com as sombras projectadas nas paredes do museu pela peça insólita «Red Figure» (2008), que um Murnau teria levado para o seu «Nosferatu»; e com o par «Hollow Columns» (2010) e «Elliptical Column» (2009), ambas em aço inox, e que postas na sala-auditório onde é projectado o vídeo «Inside | Outside» (2018), adquirem cintilações caleidoscópicas que farão corar um Kapoor. Mas a jóia indiscutível de «Rare Earth» está produzida em alumínio e é uma síntese dos muitos Craggs que tem havido, o do vazio cultural, o das visões escatológicas, o do virtuosismo formal, e sobretudo o do gosto desesperado pelas vistas trocadas de um real truncado. Ironias. Chama-se «Upright» (2016) ["Erecto"/"Vertical"] e faça-se dela um ícone da cidade. De Lisboa, por exemplo.

 

 


João Borges da Cunha
Doutorado em Estudos de Cultura, Universidade Católica Portuguesa. Arquitecto, Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa. Professor no Departamento de Arquitectura da ECATI [Escola de Comunicação], Universidade Lusófona. Investigador nos centros ARQ.Id e CECC. Publicou ensaio, teatro e ficção.