Links

O ESTADO DA ARTE





































Outros artigos:

2024-03-09


CAMINHOS NATURAIS DA ARTIFICIALIZAÇÃO: CUIDAR A MANIPULAÇÃO E ESMIUÇAR HÍPER OBJETOS DA BIO ARTE
 

2024-01-31


CRAGG ERECTUS
 

2023-12-27


MAC/CCB: O MUSEU DAS NOSSAS VIDAS
 

2023-11-25


'PRATICAR AS MÃOS É PRATICAR AS IDEIAS', OU O QUE É ISTO DO DESENHO? (AINDA)
 

2023-10-13


FOMOS AO MUSEU REAL DE BELAS ARTES DE ANTUÉRPIA
 

2023-09-12


VOYEURISMO MUSEOLÓGICO: UMA VISITA AO DEPOT NO MUSEU BOIJMANS VAN BEUNINGEN, EM ROTERDÃO
 

2023-08-10


TEHCHING HSIEH: HOW DO I EXPLAIN LIFE AND CHANGE IT INTO ART?
 

2023-07-10


BIENAL DE FOTOGRAFIA DO PORTO: REABILITAR A EMPATIA COMO UMA TECNOLOGIA DO OUTRO
 

2023-06-03


ARCOLISBOA, UMA FEIRA DE ARTE CONTEMPORÂNEA EM PERSPETIVA
 

2023-05-02


SOBRE A FOTOGRAFIA: POIVERT E SMITH
 

2023-03-24


ARTE CONTEMPORÂNEA E INFÂNCIA
 

2023-02-16


QUAL É O CINEMA QUE MORRE COM GODARD?
 

2023-01-20


TECNOLOGIAS MILLENIALS E PÚBLICO CONTEMPORÂNEO. REFLEXÕES SOBRE A EXPOSIÇÃO 'OCUPAÇÃO XILOGRÁFICA' NO SESC BIRIGUI EM SÃO PAULO
 

2022-12-20


VENEZA E A CELEBRAÇÃO DO AMOR
 

2022-11-17


FALAR DE DESENHO: TÃO DEPRESSA SE COMEÇA, COMO ACABA, COMO VOLTA A COMEÇAR
 

2022-10-07


ARTISTA COMO MEDIADOR. PRÁTICAS HORIZONTAIS NA ARTE E EDUCAÇÃO NO BRASIL
 

2022-08-29


19 DE AGOSTO, DIA MUNDIAL DA FOTOGRAFIA
 

2022-07-31


A CULTURA NÃO ESTÁ FORA DA GUERRA, É UM CAMPO DE BATALHA
 

2022-06-30


ARTE DIGITAL E CIRCUITOS ONLINE
 

2022-05-29


MULHERES, VAMPIROS E OUTRAS CRIATURAS QUE REINAM
 

2022-04-29


EGÍDIO ÁLVARO (1937-2020). ‘LEMBRAR O FUTURO: ARQUIVO DE PERFORMANCES’
 

2022-03-27


PRATICA ARTÍSTICA TRANSDISCIPLINAR: A INVESTIGAÇÃO NAS ARTES
 

2022-02-26


OS HÁBITOS CULTURAIS… DAS ORGANIZAÇÕES CULTURAIS PORTUGUESAS
 

2022-01-27


ESPERANÇA SIGNIFICA MAIS DO QUE OPTIMISMO
 

2021-12-26


ESCOLA DE PROCRASTINAÇÃO, UM ESTUDO
 

2021-11-26


ARTE = CAPITAL
 

2021-10-30


MARLENE DUMAS ENTRE IMPRESSIONISTAS, ROMÂNTICOS E SUMÉRIOS
 

2021-09-25


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
 

2021-08-16


MULHERES ARTISTAS: O PARADOXO PORTUGUÊS
 

2021-06-29


VIVER NUMA REALIDADE PÓS-HUMANA: CIÊNCIA, ARTE E ‘OUTRAMENTOS’
 

2021-05-24


FRESTAS, UMA TRIENAL PROJETADA EM COLETIVIDADE. ENTREVISTA COM DIANE LINA E BEATRIZ LEMOS
 

2021-04-23


30 ANOS DO KW
 

2021-03-06


A QUESTÃO INDÍGENA NA ARTE. UM CAMINHO A PERCORRER
 

2021-01-30


DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE
 

2020-12-29


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO - PARTE II
 

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

FOMOS AO MUSEU REAL DE BELAS ARTES DE ANTUÉRPIA

MANUELA HARGREAVES

2023-10-13




 


Este artigo é um “vol d’oiseau” sobre a coleção do KMSKA (Museu Real de Belas Artes de Antuérpia), algumas notas sobre artistas e trabalhos que mais me chamaram a atenção, num conjunto muito vasto de 650 obras expostas, que para ser dissecado, teríamos de percorrer espaçadamente o tempo longo da história.

Encerrado durante onze anos, o KMSKA reabriu recentemente, esventrado no seu interior para dar lugar a uma arquitetura contemporânea, longe daquela que os dois arquitetos tinham em mente em finais do século XIX, quando a cidade de Antuérpia fez a encomenda. Nessa altura o edifício original e amplo foi adaptado aos grandes formatos de três pintores gloriosos de Antuérpia: Rubens, Van Dyck e Jordaens. Esta amplidão original, objeto de uma fragmentação progressiva dos espaços ao longo do século XX, guiou o trabalho de restauro e renovação do edifício. Invisível do exterior, a superfície de quatro pátios originais foi desmantelada, acrescentado um vasto espaço suplementar, criando uma espécie de museu vertical com um grande fosso central, que dá uma visão algo abrupta do que se passa nos patamares inferiores. Nos últimos pisos, redes foram postas para prevenção de quedas acidentais ou não.

A coleção é imensa, sobretudo dos Países Baixos setentrionais e meridionais, e estende-se pela Idade Média tardia, Renascimento, Idade Moderna e algumas obras Contemporâneas. O período medieval já tardio corresponde a um momento de experimentação artística intenso, aqui representado por uma série de obras “major” de Van der Weiden (o tríptico “Os sete sacramentos”), Van Eyck (“Madona na fonte”), Hans Memling (um impressionante “Calvário”) e a mais enigmática e perturbadora “Madona rodeada de serafins e querubins” de Jean Fouquet. Originalmente fazendo parte de um díptico realizado para a capela pessoal de Étienne Chevalier, os dois painéis foram separados no século XVIII, a parte esquerda (conservada na Gemäldegalerie de Berlim), revela a arte do retrato, o mecenas e Saint Étienne, a parte direita de um surrealismo “avant la lettre”, não de todo incomum nesta época, como acontece com Bosch, Bruegel, Dieric Bouts, entre outros, representa uma Madona com criança, verdadeiramente contraditória na sua formulação entre o sagrado e o profano. As cores dominantes frias e intensas, azul, vermelho, e branco, criam um écran tricolor impactante, dominado pela figura central de uma madona com o seio branco glacial desnudado, e um menino no colo que enigmaticamente aponta para uma direção aparentemente desconhecida. O fundo dominado por figuras celestes de um tom vermelho carmim evocativo do inferno, têm pontos de luz nos olhos, quais estrelas que brilham no firmamento. A história em torno desta obra aponta para a amante oficial do rei de França Agnès Sorel, ser a modelo de Fouquet.

 

Jean Fouquet, Madona rodeada de serafins e querubins, c.1450.

 

 

Uma “Vénus frigida”, dá continuidade ao tema que Rubens melhor pintou, o nu sensual sob um véu mitológico que permite a consubstanciação dos desejos carnais numa sociedade dominada pelo estado religioso, que à vez era permissiva e controladora da sexualidade. Este trecho mitológico diz-nos que sem alimento (Cères) e sem vinho (Bacchus), o ardor amoroso (Vénus) esmorece, e Cupido sentado sobre as setas, acanhado sob o véu que partilha com a sua musa, não mais cumpre a sua função estimuladora.

O século XVII, idade de ouro dos Países Baixos, em contrapartida de um declínio comercial de Antuérpia, vê crescer os seus artistas e a criação que nasce da abundância de encomendas e da fluidez de dinheiro: Rubens, Van Dyck, Jordaens, Vermeer, Rembrandt, Ter Boch, Franz Hals, entre outros foram os seus atores.

A sociedade burguesa enriquecida pelo comércio com as colónias na América, nomeadamente no Brasil, na Indonésia e em África, encomenda obras aos artistas como forma de se fazer retratar e construir uma identidade social através da imagem. São estas elites que permitem aos artistas viver, de forma segura e vender a preços acima do mercado. Emerge deste foyer artístico e intelectual uma escola que enobrece aquilo que se vai chamar mais tarde pintura de género.

Disso é exemplo a obra da artista Michaelina Wautier, seguramente uma das poucas mulheres artistas a estar representada, com o tema de duas jovens raparigas como santas, num cenário aparentemente saído do quotidiano, hibridação do retrato, da natureza morta e da história hagiográfica. Podemos questionar esta lacuna porquanto havia nesta altura diversas mulheres a trabalharem este tema do retrato e da natureza morta no norte da Europa, entre estas Clara Peteers, Maria Van Osterwijck, Raquel Ruysch, Judith Leyster, Maria Sibylla Merian, que tendo sucesso na sua época, viram os seus nomes apagados até uma história recente. Ou seja, apesar das exposições que têm dado visibilidade ao trabalho “apagado” destas artistas, como é o caso da exposição individual de Clara Peeters no Museu Nacional do Prado em 2016, existe todo um processo estrutural a realizar de integração destas obras em coleções.

Continuando o percurso, ultrapassamos num tempo cronológico veloz múltiplas obras que não couberam neste artigo, nomeadamente parte da coleção dedicada ao fim do século XIX (Cabanel, Tissot, esculturas de Constantin Meunier, Edgar Degas, um impressionante auto retrato de Léon Spilliaert), e detemo-nos na exposição de James Ensor, cabeça de cartaz, já que o museu detém uma quantidade significativa de obras deste autor pós impressionista, que conjuga na sua pintura vários modos de ser (e ver). Realista, simbolista, expressionista, seguindo palavras suas “ E sempre se combinam ou alternam este gosto do excecional, do anormal, e da procura da luz”, disso se dá conta quer nas pinturas impressionistas executadas com a mestria de um grande artista, “Mulher degustando ostras”(várias vezes recusada nas grandes exposições da época), e “O salão burguês”; nas telas que preanunciam a abstração como aquela que retrata o tema clássico “Adão e Eva expulsos do Paraíso”, e “A Queda dos anjos rebeldes” que toma uma outra de Frans Floris do seculo XVI como tema, e a transforma em pintura contemporânea. Nas suas obras mais particulares como “A Intriga”, de caráter profundamente expressionista, desmascara e critica a sociedade em cenário carnavalesco, num retrato satírico e pungente; a máscara, elemento favorito na obra de Ensor, surge como meio de desmascarar a natureza humana, desvelar “a alma da perversidade”. Essa máscara pode assumir a forma de caveira ou esqueleto, uma “vanitas” moderna que tem a mesma função. O carater inovador da sua pintura foi reconhecido pelos seus pares, Emil Nolde, Kirschner, Grosz comungam com ele muito do seu simbolismo expressionista.

 

James Ensor, O salão burguês, 1881.

 

 

Numa coleção desta dimensão quebram-se critérios estritamente cronológicos para dar lugar àquela ideia de que arte não tem espaço nem tempo, mas circula livremente num universo próprio. A aceleração do tempo e a globalização tornaram os parâmetros cronológicos obsoletos para dar lugar a outras interpretações e leituras. Sobre este jogo de estéticas e tempos diferentes fala-nos o filósofo Bernard Henri Levy, referindo que “a arte não tem história”, pois o tempo da arte não é o mesmo da história corrente; o seu tempo será de um mundo supra lunar, onde as obras circulam como meteoros ou cometas, encontram-se e entram em colisão. De forma similar, e completando este cruciforme de planos temporais e espaciais, circulam num mundo sem fronteiras, obras de artistas de diversos continentes, havendo neste momento uma preocupação dos curadores em refletir essa diversidade, numa poética mais conceptual e abstrata das exposições.

Fra Angelico, Van Eyck, Rubens, Magritte, Paul Delvaux, Anish Kapoor, Van der Weiden, Jean Fouquet, Van Dyck, Anselm Kiefer, Grosz, estabelecem diálogos entre si por vezes a partir de pormenores que partilham: os espinhos de uma crucificação de Cristo do século XVI e uma tela coberta de pregos do alemão Günter Uecker, as mulheres nuas de Delvaux e uma Madonna com o menino de Dieric Bouts.

No cosmos artístico, o tempo e o espaço são uma abstração.

 

 

 

Manuela Hargreaves
Doutorada em Estudos do Património- ramo História da Arte (FLUP), docente e investigadora, colabora de forma regular com várias instituições de ensino superior, bem como museus e galerias, na teia de interação entre criação artística, mercado da arte e dinâmicas culturais. Realizou de forma sistemática entrevistas a quarenta e cinco agentes do mundo artístico português, que se encontram publicadas nos livros “Colecionismo e Mercado da Arte em Portugal” e “Mulheres e Cultura Artística em Portugal”. Nos últimos anos a sua investigação tem incidido sobre as questões de Arte e Género, de que são exemplo os livros “Mulheres e Cultura Artística em Portugal”, e “Deslaçar o Fio da História – Mulheres Artistas em Portugal” editado recentemente.