Links

O ESTADO DA ARTE


KW Institute. Fotografia: Constança Babo.


30 anos do KW: KW em 1991.


30 anos do KW: KW em 1997


30 anos do KW: KW em 2017.


Joseph Kosuth, Berliner Chronik. Fotografia: Constança Babo.


Amelie von Wulffen.


José Leonilson.

Outros artigos:

2021-10-30


MARLENE DUMAS ENTRE IMPRESSIONISTAS, ROMÂNTICOS E SUMÉRIOS
 

2021-09-25


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
 

2021-08-16


MULHERES ARTISTAS: O PARADOXO PORTUGUÊS
 

2021-06-29


VIVER NUMA REALIDADE PÓS-HUMANA: CIÊNCIA, ARTE E ‘OUTRAMENTOS’
 

2021-05-24


FRESTAS, UMA TRIENAL PROJETADA EM COLETIVIDADE. ENTREVISTA COM DIANE LINA E BEATRIZ LEMOS
 

2021-04-23


30 ANOS DO KW
 

2021-03-06


A QUESTÃO INDÍGENA NA ARTE. UM CAMINHO A PERCORRER
 

2021-01-30


DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE
 

2020-12-29


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO - PARTE II
 

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

30 ANOS DO KW

CONSTANÇA BABO

2021-04-23




 


No próximo dia 1 de julho celebram-se os 30 anos do KW Institute for Contemporary Art, que ocupa um lugar central no campo da arte contemporânea, principalmente no contexto da cidade de Berlim. Também intitulado Kunst-Werke Berlin, é reconhecido enquanto um espaço dinâmico, de desenvolvimento cultural e artístico, cujo programa vanguardista é pautado por eventos multidisciplinares e sucessivas colaborações com artistas e instituições nacionais e internacionais. Atualmente e desde 2016, mediante a direção de Krist Gruijthuijsen, o Instituto tem sido marcadamente dirigido para e por artistas.

Ao próprio diretor, e também curador sénior, colocou-se a seguinte questão sobre o presente e o futuro do KW:

Constança Babo - A data dos 30 anos assinala o passado, mas também anuncia o futuro do KW. Desde o início da sua direção que se observa uma nova estratégia, a partir do ponto de vista dos artistas, estabelecendo-se relações entre diferentes práticas artísticas e culturas, a partir daí debruçando-se sobre problemáticas sociais e políticas, como é próprio do Instituto. Pergunto-lhe quais são as preocupações centrais bem como a estratégia da programação do KW para os próximos meses.

Krist Gruijthuijsen - O nosso programa procura, sempre, responder às tendências globais, nacionais e locais, através do ponto de vista artístico e visual, sendo que as várias problemáticas atuais emergem nas várias vertentes que desenvolvemos. Por exemplo, encontramos a questão da descolonialização no Metabolic Museum-University, desenvolvido pela curadora associada Clémentine Deliss, nos filmes que produzimos enquanto parte da KW Production Series, mas também na próxima mostra da artista americana Renée Green.

Ao longo do ano passado, submergimos na esfera do digital ao contratar o curador Nadim Samman que lançará a extensão digital da instituição no próximo mês. Como instituição, vamos lentamente dissolvendo as hierarquias entre apresentação, produção e investigação no âmbito de desenvolver diferentes colaborações que tenham, também, por sua vez, distintas relações com o tempo. [1]

Com efeito, desde a sua fundação, o KW afirma enquanto preocupação central a análise crítica das tendências e práticas artísticas contemporâneas ligadas à atualidade sociopolítica. Nesse contexto, refira-se como exemplo o valioso projeto expositivo REALTY, iniciado em 2017 e assinado pelo curador do Instituto, Tirdad Zolghadr, que se debruça sobre a gentrificação e o capitalismo.

Requer-se igualmente realçar o caráter pioneiro e o papel fundamental do Instituto no panorama artístico e cultural da capital alemã. Situado no centro da cidade, foi fundado por Klaus Biesenbach e um grupo de jovens artistas, sensivelmente um ano e meio após a queda do muro de Berlim, numa época de profundas mudanças na cidade. Desde então, a instituição tem definida enquanto missão contribuir para o desenvolvimento da que é, hoje, uma das maiores capitais de cultura do mundo. A estrutura física do Instituto resulta da recuperação de dois edifícios, um classificado como património cultural e uma antiga fábrica. O complexo que a partir daí se construiu, estruturado em torno de um icónico pátio, divide-se em distintas alas, destacando-se a assinada pelo arquiteto Hans Düttmann e o Café Bravo, da autoria de Dan Graham, concebido em 1999 com a colaboração da arquiteta Johanne Nalbach.

Ora, considerando a data que se assinala este ano, impõe-se não só recordar o percurso do Instituto como também refletir sobre a sua atual posição no campo da produção, da exposição e disseminação da arte contemporânea. O KW propõe fazê-lo sob dois pontos de vista, um retrospetivo, de exposições e eventos apresentados no passado, e outro que se projeta no futuro. Como tal, recuperam-se obras e retomam-se colaborações, ao mesmo tempo que se inauguram novas. A programação [2] foi desenvolvida com a colaboração da Berlin Biennale for Contemporary Art, parceira do Instituto desde a sua fundação, em 1996, também por Klaus Biesenbach e, ainda, Nancy Spector e Hans Ulrich Obrist.

O programa do aniversário do KW inaugurou no passado dia 15 de janeiro com uma instalação de som de Susan Philipsz, intitulada Rosa [3], em homenagem à ativista política Rosa Luxemburg. A obra, concebida em 2002 durante uma residência artística no instituto, reproduz-se, agora, diariamente, às 12h, no pátio. Da extensa e diversificada agenda que se anuncia, refiram-se desde já as exposições coletivas. A primeira, Zeros and Ones, que decorrerá de julho a setembro, com a co-curadoria entre a curadora assistente do KW, Kathrin Bentele, Ghislaine Leung e Anna Gritz, seguindo-se, entre outubro e janeiro de 2022, Understudies: I, Myself Will Exhitib Nothing, comissariada por Iman Issa. As mostras contam com nomes tais como Louise Lawler e o cineasta Sergei Parajanov, respetivamente.

Sobre as mostras individuais destaca-se a da artista berlinense Amelie von Wulffen, uma das mais relevantes pintoras contemporâneas alemãs, cuja obra cruza a história nacional e a herança cultural da Alemanha com uma narrativa autobiográfica, através de uma imagética interpelante e impressionante. Também partindo da pintura, mas estendendo-se à tridimensionalidade, sob a forma de instalações de médias-grandes dimensões, encontra-se o trabalho do artista neozelandês Michael Stevenson que, entre julho e setembro, apresenta a sua primeira exposição individual em Berlim. Com um caráter mais heterogéneo, refira-se a obra da artista americana Renée Green, conhecida pela sua abordagem multicultural à história e à memória, incorrendo nos campos da escrita, da instalação, do filme e do som, entre outros media. A sua mostra no KW, entre outubro 2021 e janeiro de 2022, tem a particularidade de ser concebida em colaboração com o programa de residências artísticas DAAD - Artists-in-Berlin Program. Um outro nome internacional a destacar é o de José Leonilson, artista brasileiro que, a partir de 2 de maio, exibe a que consiste na sua primeira retrospetiva na Europa, com o título Drawn, e obras datadas entre 1975 e 1993.

Sobre os artistas que retornam ao KW, destaque-se Katharina Sieverding, com o projeto Deutschland wird deutscher. Os seus cartazes que, em 1993, não somente invadiram o Instituto como as ruas da cidade de Berlim, ressurgem, de abril a maio, tão marcantes quanto então. Também Sissel Tolaas regressa ao KW com um projeto muito particular intitulado KWOPE_2012 que consiste na produção de sabões a partir de partículas de margarina recolhidas na antiga fábrica do edifício. Ao programa ainda se juntam várias performances, das quais se destaca a do coreógrafo e artista multidisciplinar italiano Michele Rizzo, a 27 e 29 de maio. É também fundamental referir nomes incontornáveis da arte contemporânea, caso de Joseph Kosuth com Berliner Chronik, que consiste na inscrição de uma citação de Walter Benjamin na fachada interior do edifício, datada de 1994, na ocasião da sua primeira mostra no KW, a qual permanece enquanto uma das exposições mais especiais do Instituto.

Por fim, porque nos últimos anos, principalmente no contexto da recente pandemia global, tem-se evidenciado a relevância e a urgência da expansão da arte para o universo digital, apresenta-se o KW Digital: The Last Museum. Ora, se na última Berlin Biennale, em 2020, se propôs a ideia de um Inverted Museum que recuperasse o que a história e os museus da cultura ocidental capturam, procura-se agora o nascimento do novo. Trata-se, pois, de ir de encontro ao futuro ao invés do passado. Com curadoria de Nadim Samman, curador da programação digital do KW, inaugura-se uma exposição coletiva que, como é próprio do online, organiza-se em rede. Neste particular caso, uma ligação entre seis continentes é estabelecida pelo Instituto e os cinco artistas Nicole Foreshew, Juliana Cerqueira Leite, Jakrawarl Nilthamrong, Zohra Opoko e Charles Stankievech. Transita-se entre as esferas virtual e real, explorando a tensão entre ambas, bem como a especificidade do local, nomeadamente a própria internet e as suas poéticas. Com acesso livre a partir da página do KW [4], é passível de explorar entre os dias 30 de abril e 6 de junho.

A programação celebrativa também contempla um leilão de arte organizado em colaboração com a prestigiada leiloeira Grisebach, distribuído em dois momentos, um primeiro em junho e um segundo em dezembro, contando estes com obras de mais de 60 artistas relevantes no percurso do KW. Anuncia-se, ainda, um importante livro, que constitui a primeira publicação dedicada à história do Instituto, bem como ao papel deste no campo cultural de Berlim. Assim se celebram as três décadas do KW ao longo deste ano, reaproximando o instituto, a cultura e a arte, do público, como muito se anseia.

 

 

Constança Babo
Doutoranda em Arte dos Média na Universidade Lusófona do Porto e bolseira FCT, tendo como área de investigação o objeto artístico dos novos média e os seus modelos expositivos. É mestre em Estudos Artísticos - Teoria e Crítica de Arte pela Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto e licenciada em Artes Visuais - Fotografia pela Escola Superior Artística do Porto. Tem publicado artigos científicos e textos críticos.

 

 

:::

 

Notas

[1] “Our program always tries to respond to the global, national as well as local tendencies filtered through a visual and artistic lens. Many current issues emerge into the various strands we have developed. For example, the subject of decoloniality finds itselfs in the Metabolic Museum-University developed by associate curator Clémentine Deliss, but also in the films we develop as part of our KW Production Series as well as in the upcoming survery of American artist Renée Green. 
Over the past year, we have submerged ourselves into the digital sphere by hiring curator Nadim Samman, who will be launching our digital arm of the institution in the upcoming month. As an institution, we are slowly erasing the hierarchies between presentation, production and research in order to develop different collaborations that have a different relation to time.”
[2] Programação completa em www.kw-berlin.de - 30 anos
[3] Excerto da instalação sonora em www.kw-berlin.de - Susan Philipsz
[4] www.kw-berlin.de