Links

O ESTADO DA ARTE


Vista da exposição Vistas de Exposição – Exposições Magnas da ESBAP 1952–1968. Imagem cortesia FBAUP.


Vista da exposição Vistas de Exposição – Exposições Magnas da ESBAP 1952–1968. Imagem cortesia FBAUP.


Vista da exposição Vistas de Exposição – Exposições Magnas da ESBAP 1952–1968. Imagem cortesia FBAUP.


Vista da exposição Vistas de Exposição – Exposições Magnas da ESBAP 1952–1968. Imagem cortesia FBAUP.


Vista da exposição Vistas de Exposição – Exposições Magnas da ESBAP 1952–1968. Imagem cortesia FBAUP.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.


Vista da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.

Outros artigos:

2021-10-30


MARLENE DUMAS ENTRE IMPRESSIONISTAS, ROMÂNTICOS E SUMÉRIOS
 

2021-09-25


'A QUE SOA O SISTEMA QUANDO LHE DAMOS OUVIDOS'
 

2021-08-16


MULHERES ARTISTAS: O PARADOXO PORTUGUÊS
 

2021-06-29


VIVER NUMA REALIDADE PÓS-HUMANA: CIÊNCIA, ARTE E ‘OUTRAMENTOS’
 

2021-05-24


FRESTAS, UMA TRIENAL PROJETADA EM COLETIVIDADE. ENTREVISTA COM DIANE LINA E BEATRIZ LEMOS
 

2021-04-23


30 ANOS DO KW
 

2021-03-06


A QUESTÃO INDÍGENA NA ARTE. UM CAMINHO A PERCORRER
 

2021-01-30


DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE
 

2020-12-29


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO - PARTE II
 

2020-11-29


11ª BIENAL DE BERLIM
 

2020-10-27


CRITICAL ZONES - OBSERVATORIES FOR EARTHLY POLITICS
 

2020-09-29


NICOLE BRENEZ - CINEMA REVISITED
 

2020-08-26


MENSAGENS REVOLUCIONÁRIAS DE UM TEMPO PERDIDO
 

2020-07-16


LIÇÕES DE MARINA ABRAMOVIC
 

2020-06-10


FRAGMENTOS DO PARAÍSO
 

2020-05-11


TEORIA DE UM BIG BANG CULTURAL PÓS-CONTEMPORÂNEO
 

2020-04-24


QUE MUSEUS DEPOIS DA PANDEMIA?
 

2020-03-24


FUCKIN’ GLOBO 2020 NAS ZONAS DE DESCONFORTO
 

2020-02-21


ELECTRIC: UMA EXPOSIÇÃO DE REALIDADE VIRTUAL NO MUSEU DE SERRALVES
 

2020-01-07


SEMANA DE ARTE DE MIAMI VIA ART BASEL MIAMI BEACH: UMA EXPERIÊNCIA MAIS OU MENOS ESTÉTICA
 

2019-11-12


36º PANORAMA DA ARTE BRASILEIRA
 

2019-10-06


PARAÍSO PERDIDO
 

2019-08-22


VIVER E MORRER À LUZ DAS VELAS
 

2019-07-15


NO MODELO NEGRO, O OLHAR DO ARTISTA BRANCO
 

2019-04-16


MICHAEL BIBERSTEIN: A ARTE E A ETERNIDADE!
 

2019-03-14


JOSÉ MAÇÃS DE CARVALHO – O JOGO DO INDIZÍVEL
 

2019-02-08


A IDENTIDADE ENTRE SEXO E PODER
 

2018-12-20


@MIAMIARTWEEK - O FUTURO AGENDADO NO ÉDEN DA ARTE CONTEMPORÂNEA
 

2018-11-17


EDUCAÇÃO SENTIMENTAL. A COLEÇÃO PINTO DA FONSECA
 

2018-10-09


PARTILHAMOS DA CRÍTICA À CENSURA, MAS PARTILHAMOS DA FALTA DE APOIO ÀS ARTES?
 

2018-09-06


O VIGÉSIMO ANIVERSÁRIO DA BIENAL DE BERLIM
 

2018-07-29


VISÕES DE UMA ESPANHA EXPANDIDA
 

2018-06-24


O OLHO DO FOTÓGRAFO TAMBÉM SOFRE DE CONJUNTIVITE, (UMA CONVERSA EM TORNO DO PROJECTO SPECTRUM)
 

2018-05-22


SP-ARTE/2018 E A DIFÍCIL TAREFA DE ESCOLHER O QUE VER
 

2018-04-12


NO CORAÇÂO DESTA TERRA
 

2018-03-09


ÁLVARO LAPA: NO TEMPO TODO
 

2018-02-08


SFMOMA SAN FRANCISCO MUSEUM OF MODERN ART: NARRATIVA DA CONTEMPORANEIDADE
 

2017-12-20


OS ARQUIVOS DA CARNE: TINO SEHGAL CONSTRUCTED SITUATIONS
 

2017-11-14


DA NATUREZA COLABORATIVA DA DANÇA E DO SEU ENSINO
 

2017-10-14


ARTE PARA TEMPOS INSTÁVEIS
 

2017-09-03


INSTAGRAM: CRIAÇÃO E O DISCURSO VIRTUAL – “TO BE, OR NOT TO BE” – O CASO DE CINDY SHERMAN
 

2017-07-26


CONDO: UM NOVO CONCEITO CONCORRENTE À TRADICIONAL FEIRA DE ARTE?
 

2017-06-30


"LEARNING FROM CAPITALISM"
 

2017-06-06


110.5 UM, 110.5 DOIS, 110.5 MILHÕES DE DÓLARES,… VENDIDO!
 

2017-05-18


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 2: "UMA HISTÓRIA DA VISÃO E DA CEGUEIRA"
 

2017-04-26


INVISUALIDADE DA PINTURA – PARTE 1: «O REAL É SEMPRE AQUILO QUE NÃO ESPERÁVAMOS»
 

2017-03-29


ALGUMAS REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO CONTEMPORÂNEO DE FEIRA DE ARTE
 

2017-02-20


SOBRE AS TENDÊNCIAS DA ARTE ACTUAL EM ANGOLA: DA CRIAÇÃO AOS NOVOS CANAIS DE LEGITIMAÇÃO
 

2017-01-07


ARTLAND VERSUS DISNEYLAND
 

2016-12-15


VALORES DA ARTE CONTEMPORÂNEA: UMA CONVERSA COM JOSÉ CARLOS PEREIRA SOBRE A PUBLICAÇÃO DE O VALOR DA ARTE
 

2016-11-05


O VAZIO APOCALÍPTICO
 

2016-09-30


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 2
 

2016-08-25


TELEPHONE WITHOUT A WIRE – PARTE 1
 

2016-06-24


COLECCIONADORES NA ARCO LISBOA
 

2016-05-17


SONNABEND EM PORTUGAL
 

2016-04-18


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (II)
 

2016-03-15


COLECCIONADORES AMADORES E PROFISSIONAIS COLECCIONADORES (I)
 

2016-02-11


FERNANDO AGUIAR: UM ARQUIVO POÉTICO
 

2016-01-06


JANEIRO 2016: SER COLECCIONADOR É…
 

2015-11-28


O FUTURO DOS MUSEUS VISTO DO OUTRO LADO DO ATLÂNTICO
 

2015-10-28


O FUTURO SEGUNDO CANDJA CANDJA
 

2015-09-17


PORQUE É QUE OS BLOCKBUSTERS DE MODA SÃO MAIS POPULARES QUE AS EXPOSIÇÕES DE ARTE, E O QUE É QUE PODEMOS DIZER SOBRE ISSO?
 

2015-08-18


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 2
 

2015-07-29


OS DESAFIOS DO EFÉMERO: CONSERVAR A PERFORMANCE ART - PARTE 1
 

2015-06-06


O DESAFINADO RONDÒ ENWEZORIANO. “ALL THE WORLD´S FUTURES” - 56ª EXPOSIÇÃO INTERNACIONAL DE ARTE DE VENEZA
 

2015-05-13


A 56ª BIENAL DE VENEZA DE OKWUI ENWEZOR É SOMBRIA, TRISTE E FEIA
 

2015-04-08


A TUMULTUOSA FERTILIDADE DO HORIZONTE
 

2015-03-04


OS MUSEUS, A CRISE E COMO SAIR DELA
 

2015-02-09


GUIDO GUIDI: CARLO SCARPA. TÚMULO BRION
 

2015-01-13


IDEIAS CAPITAIS? OLHANDO EM FRENTE PARA A BIENAL DE VENEZA
 

2014-12-02


FUNDAÇÃO LOUIS VUITTON
 

2014-10-21


UM CONTEMPORÂNEO ENTRE-SERRAS
 

2014-09-22


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro - Parte II
 

2014-09-03


OS NOSSOS SONHOS NÃO CABEM NAS VOSSAS URNAS: Quando a arte entra pela vida adentro – Parte I
 

2014-07-16


ARTISTS' FILM BIENNIAL
 

2014-06-18


PARA UMA INGENUIDADE VOLUNTÁRIA: ERNESTO DE SOUSA E A ARTE POPULAR
 

2014-05-16


AI WEIWEI E A DESTRUIÇÃO DA ARTE
 

2014-04-17


QUAL É A UTILIDADE? MUSEUS ASSUMEM PRÁTICA SOCIAL
 

2014-03-13


A ECONOMIA DOS MUSEUS E DOS PARQUES TEMÁTICOS, NA AMÉRICA E NA “VELHA EUROPA”
 

2014-02-13


É LEGAL? ARTISTA FINALMENTE BATE FOTÓGRAFO
 

2014-01-06


CHOICES
 

2013-09-24


PAIXÃO, FICÇÃO E DINHEIRO SEGUNDO ALAIN BADIOU
 

2013-08-13


VENEZA OU A GEOPOLÍTICA DA ARTE
 

2013-07-10


O BOOM ATUAL DOS NEGÓCIOS DE ARTE NO BRASIL
 

2013-05-06


TRABALHAR EM ARTE
 

2013-03-11


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (III)
 

2013-02-12


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS: META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (II)
 

2013-01-07


A OBRA DE ARTE, O SISTEMA E OS SEUS DONOS. META-ANÁLISE EM TRÊS TEMPOS (I)
 

2012-11-12


ATENÇÃO: RISCO DE AMNÉSIA
 

2012-10-07


MANIFESTO PARA O DESIGN PORTUGUÊS
 

2012-06-12


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (II)


 

2012-05-16


MUSEUS, DESAFIOS E CRISE (I)
 

2012-02-06


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (III - conclusão)
 

2012-01-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (II)
 

2011-12-07


PARAR E PENSAR...NO MUNDO DA ARTE
 

2011-04-04


A OBRA DE ARTE NA ERA DA SUA REPRODUTIBILIDADE DIGITAL (I)
 

2010-10-29


O BURACO NEGRO
 

2010-04-13


MUSEUS PÚBLICOS, DOMÍNIO PRIVADO?
 

2010-03-11


MUSEUS – UMA ESTRATÉGIA, ENFIM
 

2009-11-11


UMA NOVA MINISTRA
 

2009-04-17


A SÍNDROME DOS COCHES
 

2009-02-17


O FOLHETIM DE VENEZA
 

2008-11-25


VANITAS
 

2008-09-15


GOSTO E OSTENTAÇÃO
 

2008-08-05


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO II – O DISCURSO NO PODER
 

2008-06-30


CRÍTICO EXCELENTÍSSIMO I
 

2008-05-21


ARTE DO ESTADO?
 

2008-04-17


A GULBENKIAN, “EM REMODELAÇÃO”
 

2008-03-24


O QUE FAZ CORRER SERRALVES?
 

2008-02-20


UM MINISTRO, ÓBICES E POSSIBILIDADES
 

2008-01-21


DEZ PONTOS SOBRE O MUSEU BERARDO
 

2007-12-17


O NEGÓCIO DO HERMITAGE
 

2007-11-15


ICONOLOGIA OFICIAL
 

2007-10-15


O CASO MNAA OU O SERVILISMO EXEMPLAR
 

DUAS EXPOSIÇÕES NO PORTO E MUITOS ARQUIVOS SOBRE A CIDADE

LAURA CASTRO

2021-01-30




 

 

 


Por estes dias não podemos ver as duas exposições que, no Porto, abordam a história das exposições e dos espaços expositivos na cidade. Aproveitamos para pensar sobre elas neste comentário que é também sobre a investigação do tema e a preservação de arquivos privados onde se encontra parte dos materiais de construção desta história.

A primeira, no Pavilhão de Exposições da Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto, intitula-se Vistas de Exposição – Exposições Magnas da ESBAP 1952–1968, e tem coordenação de Lúcia Almeida Matos e Luís Pinto Nunes. O Pavilhão tem desenvolvido um programa que contempla, pelo menos uma vez por ano, uma actividade relacionada com o percurso histórico da instituição, apresentado a partir de diferentes perspectivas e práticas artísticas.

A segunda, na Galeria Municipal do Porto, intitula-se Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias, e tem curadoria de José Maia, Paula Parente Pinto e Paulo Mendes. Esta exposição surge vinte anos após a abertura daquele espaço e enquadra-se numa linha programática de exposições panorâmicas que têm constituído contributos inestimáveis para a história da arte contemporânea portuguesa, a partir da produção associada à cidade do Porto. Lembrem-se apenas as recentes Sub 40 Arte e Artistas no Porto Geração pós-25 de Abril (curadoria de José Maia) Musonautas, Visões e Avarias 1960-2010 – 5 décadas de inquietação musical no Porto (curadoria de Paulo Vinhas) e a exposição inaugural daquele espaço intitulada [+ de] 20 Grupos e Episódios no Porto do Século XX, que comissariei com Fátima Lambert, cujo catálogo, particularmente o seu primeiro volume, tem servido de fonte secundária a pesquisas sobre a cultura e a mediação artística na cidade, uma vez que apresentava já um corpus de galerias, publicações e documentos relevantes do Porto moderno e contemporâneo.

Esta trajectória historiográfica, a que artigos e dissertações de mestrado têm acrescentado novos dados, teve outra importante ocorrência na exposição Porto 60/70 Os Artistas e a Cidade, apresentada no Museu de Serralves e na Cooperativa Árvore, aqui dedicada aos Quatro Vintes, com curadoria de Fátima Lambert e João Fernandes, e Paula Parente Pinto na investigação.

As duas exposições na Galeria Municipal e no Pavilhão de Exposições da FBAUP inscrevem-se na crescente dinâmica institucional de revisitação, evocação e reconstituição de momentos passados da história de galerias e museus ou de exposições marcantes. Ambas propõem um trabalho de arqueologia documental, envolvem algo de tautológico e assumem-se como meta-exposições: a exposição reflecte sobre si própria, a instituição pensa o seu papel, a galeria reconstrói a sua linhagem. Portanto, visitar a Galeria e o Pavilhão é participar numa mise-en-abyme.

As duas experiências, no entanto, não poderiam estar mais distantes, um abismo separa-as, não pelo tema (pesem embora as distinta balizas temporais – 1952-68 para a série coerente das Exposições Magnas e 1945-2010 para o panorama das galerias portuenses), mas pelas estratégias discursivas e estritamente museográficas. Aquilo que num caso é sinal evocativo, no outro é cenografia avassaladora; aquilo que num caso é acentuação dos conteúdos, no outro é submersão; aquilo que num caso é gesto curatorial de matriz investigativa, no outro é gesto curatorial espectacular. Visitá-las é, portanto, percorrer caminhos distintos da curadoria e, fundamentalmente, perceber usos distintos das exposições que diria serem os da desmistificação e os da mitificação, admitindo embora que um tem sempre um pouco do outro e vice-versa. Por isso, o momento portuense é tão interessante.

Começo pela exposição no Pavilhão de Exposições da FBAUP e cito, do texto de entrada: Promovidas pelo Arq. Carlos Ramos, as dezasseis Exposições Magnas ocorreram entre 1952 e 1968, no início de cada ano letivo, onde eram reunidos e apresentados os melhores trabalhos escolares e projetos de encomendas públicas, concretizadas no ano letivo anterior, dos estudantes e mestres da Escola nas áreas da Arquitetura, Escultura e Pintura. A curadoria abordou este assunto a partir de registos fotográficos existentes no arquivo da Faculdade e na Casa da Imagem – Fundação Manuel Leão que detém o extraordinário Arquivo “Teófilo Rego – Foto Comercial”. O discurso expositivo é organizado cronologicamente, a partir destas fontes fotográficas, que têm autor: Teófilo Rego, Tavares da Fonseca e Platão Mendes. Registos para memória futura dos acontecimentos que eram as Magnas, estes documentos não são, como nenhuma fonte o é, neutros e requerem interrogação, interpretação, selecção e decisões quanto ao modo de expor. A escolha foi por uma apresentação nua, sem vidros nem passe-partouts ou molduras, preservando o ar de registo de trabalho e a fronteira entre o documento e a obra original. Em duas paredes, alinharam-se as vistas fotográficas das Exposições Magnas, reutilizaram-se para a escultura suportes que já tinham servido naquele contexto e pontuou-se o espaço através de elementos próprios de outro tempo, as pesadas cortinas que servem de fundo à pintura e à escultura, o vaso com uma planta na entrada do edificio. Para lá das fotografias, um filme inédito documenta a obra de Barata Feyo mostrada na exposição de 1952. É um elemento extraordinário de registo e experimentação feito pelo escultor Fernando Fernandes que acabara de adquirir a máquina de filmar.

A exposição percorre-se num vaivém entre a fotografia e as peças expostas, num diálogo entre presente e passado e entre representações dentro de representações. Desfilam as gerações de artistas e, com elas, técnicas e práticas do ensino artístico dos meados do século XX, obras e projectos que fariam a história da arte e da arquitectura em Portugal. Ao contrário do que é habitual, os catálogos ocupam uma das paredes da galeria, mostrados na vertical, com cópias das páginas dos discursos do director da ESBAP, Carlos Ramos. Estes documentos escritos e impressos constituem, a seu modo, outras vistas de exposição.

A exposição na Galeria Municipal apresenta-se, segundo o folheto de divulgação, como uma reflexão sobre a paisagem histórica das galerias de arte no Porto, inscrita entre a aparente abertura cultural do final da Segunda Guerra Mundial e a retração do tecido cultural provocada pela recente crise económica. Um olhar sobre esta cronografia permite compreender as muitas faces da civitas e as cumplicidades transformadoras entre artistas, agentes culturais e públicos que a conformam. Este retrato retrospetivo atravessa as exposições independentes em livrarias que ensaiaram uma profissionalização alternativa da arte, recorda o confronto com novos públicos e espaços cívicos que só a revolução de 1974 permitiu até à celebração das inaugurações simultâneas na rua Miguel Bombarda, culminando na rede de lugares alternativos organizada para resistir à Troika.

A exposição apresenta três eixos de desenvolvimento. O eixo basilar do projecto é a cronologia das galerias de exposições de arte moderna e contemporânea na cidade do Porto (1945-2010) que tem início na fundação da Galeria Portugália. Um eixo paralelo corresponde a uma selecção de artistas e obras apresentadas ao longo dessa cronologia, nem sempre com ela relacionada, mas todas mostradas em galerias e que, pontualmente, comentam o coleccionismo, a musealização e a exposição das obras de arte, outras representações dentro de representações. Ao longo deste eixo, surgem sinais de crítica institucional (antes da institucionalização da crítica) nomeadamente em lugares como a Cooperativa Árvore. Um eixo que cruza os dois anteriores é definido por projectos artísticos encomendados a Arlindo Silva, Mafalda Santos, Maria Calma [Maria Trabulo], Nuno Ramalho e Pedro Tudela que trabalharam a partir da pesquisa para a exposição ou dos acontecimentos relacionados com os dois eixos anteriores. A opção foi disseminar estes projectos pela exposição e impedir a sua identificação como interferências contemporâneas no processo histórico.

O tratamento do material recolhido é irregular e a abordagem das galerias Portugália e Alvarez revela um aprofundamento que não se replica nas restantes. Nos dois casos, uma constelação de acontecimentos procura fundamentar o aparecimento dos espaços da arte moderna: a vinda para o Porto de Carlos Ramos, as exposições Independentes, os vinte suplementos do jornal A Tarde, coordenados por Júlio Pomar, a publicação de Mundo Literário, o convite a Pomar para realizar o mural no cinema Batalha, projectado pelo arquitecto Artur Andrade, autor do projecto da Portugália. Na década de 50, a galeria Alvarez e a primeira apresentação de Amadeo ao público português, após a exposição de 1915-16, é parte de um mosaico de que fazem parte a Academia, a futura Alvarez Dois, a Perspectiva 74, os Encontros Internacionais de Arte, profusamente documentados. A partir deste ponto, a exposição ramifica-se em múltiplas frentes que apresentam catálogos, cartazes, manuscritos, fotografias ou revistas, em núcleos, ora organizados por tipologia de objectos, ora por espaço expositivo, ora por factos tangenciais como as propostas de Lanhas e Ângelo de Sousa para a rua Miguel Bombarda quando as galerias quiseram fazer cidade, ou o documentário fotográfico de Saguenail sobre o atelier de Álvaro Lapa, a relacionar galeria e espaço de trabalho dos artistas.

Há ruídos e registos sonoros, filmes, reportagens, projecções de imagens jornalísticas, um ar de cidade dentro da galeria. A cidade entra, ainda, por outra via, o filme O Pintor e a Cidade de Manoel de Oliveira, projectado na parede final da galeria, que parece impor António Cruz no circuito da arte moderna e contemporânea. Se o mural de Nuno Ramalho, na entrada, recorda a dimensão mercantil da actividade das galerias (é feito de moedas), o mural de saída afirma uma nota intemporal. (Eu não pude deixar de pensar noutro paralelo, o de Saguenail e Oliveira).

Visitei a Galeria Municipal com Paula Parente Pinto que juntou as peças dispersas e fragmentadas pela cenografia, dando voz ao que a própria caracterizou como os discursos invisíveis da exposição. Os materiais estão lá, mas o discurso histórico não se chega a efectivar e precisamos de o ouvir por cima de tudo o que vemos. Um programa de conversas com os diferentes agentes do meio artístico, artistas, historiadores, deveria ter complementado a exposição e teria trazido à superfície as histórias que, afinal, ficaram por contar. A ausência deste programa, devido às circunstâncias decorrentes da pandemia, torna mais urgente uma publicação que registe o resultado da investigação realizada.

 

Vistas da exposição Que Horas São Que Horas. Uma Galeria de Histórias. Fotografia: Dinis Santos, cortesia Galeria Municipal do Porto.

 

Estantes, caixas de arquivo, crates de transporte de obras de arte constituem o aparato cénico da exposição. Têm um papel determinante no modo como a percebemos e a vantagem de sinalizar a ocultação/desocultação que acontece durante os processos de investigação. Tais estruturas lembram a quantidade de documentação que permanece encerrada em armários e caixas, inacessível, a aguardar tratamento e disponibilização pública ou o esquecimento e a destruição. A fragilidade em que se encontram muitos arquivos familiares sem horiozonte de preservação é a mesma em que se encontram espólios provenientes de galerias e projectos afins ou acervos fotográficos de fotojornalistas. Estamos a falar de materiais marcados pela efemeridade, como cartazes e folhetos, pela dispersão, como fotografias de circunstância que nunca se organizam, ou até testemunhos que não foram registados na época e de que é necessário encontrar evidências noutros suportes.

Se a primeira exposição referida é um exemplo do tratamento, estudo e uso cultural e histórico do arquivo da FBAUP e da Casa da Imagem, que uma publicação de mais um Caderno do Pavilhão de Exposições vai consolidar, a segunda é um exemplo da incerteza dos arquivos que não têm destino assegurado. Não mencionei por acaso, as exposições que, no Porto, já abordaram temas associados à cultura e à mediação artísticas na cidade. Fi-lo porque também essas exposições já levantaram muito do material que agora se retoma e porque Paula Parente Pinto lembrou que a falta de uma guarda institucional para esses arquivos provoca sucessivos recomeços. É inevitável pensar no Banco de Arte Contemporânea, lançado em Lisboa, pela sua Câmara Municipal e a EGEAC, com a participação da Fundação Carmona e Costa e do Instituto de História da Arte da Universidade Nova de Lisboa. É muito cedo para avaliar este projecto, mas não é cedo para pensar na incorporação e estabeleciomento de um núcleo que recolha o património disseminado pelos múltiplos actores na cidade do Porto. Pensar no como, onde e com que entidades. O Porquê e o para quê, já sabemos.

 

 

 

 

Laura Castro
Historiadora e crítica de arte. Professora na Escola das Artes da Universidade Católica Portuguesa, de que foi directora entre 2013 e 2017. Investigadora do Centro de Investigação em Ciência e Tecnologia das Artes da mesma Escola. Entre o início da década de 90 e 2006, trabalhou no sector cultural. É membro da APHA (Associação Portuguesa de Historiadores de Arte) e da AICA (Associação Internacional de Críticos de Arte). Preside à direcção do Círculo de Cultura Teatral/Teatro Experimental do Porto.

 

 

 

:::

 

 

 

Vistas de Exposição – Exposições Magnas da ESBAP 1952–1968
Pavilhão de Exposições FBAUP
Dez 2020 - Mar 2021

 

Que horas são que horas: uma galeria de histórias
Galeria Municipal do Porto
17 Dez 2020 – 14 Fev 2021