Links

ARQUITETURA E DESIGN




© Andreia Galvão


© Daniel Moura Borges


© Andreia Galvão

Outros artigos:

2024-04-13


PÁDUA RAMOS: DA ARQUITETURA AO DESIGN


2024-02-26


NO LUGAR DE UMA JANELA, NASCEU UMA PORTA


2024-01-21


TERCEIRO ANDAR DE LUCIANA FINA OU DESTINAÇÃO (EST)ÉTICA


2023-11-02


A PROPÓSITO DE ONDE VAMOS MORAR? — CICLO DE CINEMA POR ANDY RECTOR


2023-09-11


CARTOGRAFIA DO HORIZONTE: DO TERRITÓRIO AOS LUGARES


2023-08-05


O ESTALEIRO, O LABORATÓRIO, A SUA CAIXA E O CAVALETE DELA


2023-04-30


ESCUTAR, UMA VEZ MAIS, GRÂNDOLA — OPERAÇÃO SAAL DE VALE PEREIRO


2023-04-03


NOTAS SOBRE UM ARQUITECTO ARTIFICIALMENTE INTELIGENTE


2023-02-24


MUSEU DA PAISAGEM. AS POSSIBILIDADES INFINITAS DE LER E REINTERPRETAR O TERRITÓRIO


2023-01-30


A DIVERSIDADE NA HABITAÇÃO DAS CLASSES LABORIOSAS, OS HIGIENISTAS E O CASO DA GRAÇA


2022-12-29


HABITAR: UM MANIFESTO SECRETO


2022-11-23


JONAS AND THE WHOLE


2022-10-16


CASA PAISAGEM OU UM PRESÉPIO ABERTO


2022-09-08


ENTREVISTA A ANA CATARINA COSTA, FRANCISCO ASCENSÃO, JOÃO PAUPÉRIO E MARIA REBELO


2022-08-11


ENTREVISTA A JOSÉ VELOSO, ARQUITETO DA OPERAÇÃO SAAL DA MEIA-PRAIA


2022-07-11


TERRA, TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA 2022. ENTREVISTA A CRISTINA VERÍSSIMO E DIOGO BURNAY


2022-05-31


OH, AS CASAS, AS CASAS, AS CASAS...


2022-04-23


A VIAGEM ARQUITETÓNICA COMO ENCONTRO: DA (RE)DESCOBERTA À (DES)COBERTA DAS ORIGENS


2022-03-29


PODERÁ O PATRIMÓNIO SER EMANCIPATÓRIO?


2022-02-22


EM VÃO: FECHA-SE UMA PORTA PARA QUE UMA JANELA FENOMENOLÓGICA SE ABRA


2022-01-27


SOBRE A 'ESTÉTICA DO CONHECIMENTO': UMA LEITURA DA PEDAGOGIA DE BAUKUNST


2021-12-29


CALL FOR ARCHITECTS


2021-11-27


DE QUE ME SERVE SER ARQUITECTA?


2021-10-26


'OS CAMINHOS DA ÁGUA'


2021-09-30


A ARQUITETURA PORTUGUESA: O TRAJETO DO SÉCULO XX E DESAFIOS DO SÉCULO XXI


2021-08-22


CERAMISTAS E ILUSTRADORES: UMA RESIDÊNCIA EM VIANA DO ALENTEJO


2021-07-27


COMPREENSÃO DA CIDADE DO PORTO ATÉ AO SÉCULO XX


2021-06-20


O ANTECEDENTE CULTURAL DO PORTO NA TRANSIÇÃO PARA O SÉCULO XXI


2021-05-12


JOÃO NISA E AS 'PRIMEIRAS IMPRESSÕES DE UMA PAISAGEM'


2021-02-16


A ORDEM INVISÍVEL DA ARQUITECTURA


2021-01-10


SURENDER, SURENDER


2020-11-30


AS MULHERES NO PRIVATE PRESS MOVEMENT: ESCRITAS, LETRAS DE METAL E CHEIRO DE TINTA


2020-10-30


DES/CONSTRUÇÃO - OS ESPACIALISTAS EM PRO(EX)CESSO


2020-09-19


'A REALIDADE NÃO É UM DESENCANTO'


2020-08-07


FORA DA CIDADE. ARTE E LUGAR


2020-07-06


METROPOLIS, WORLD CITY & E.P.C.O.T. - AS VISÕES PARA A CIDADE PERFEITA IMAGINADAS POR GILLETTE, ANDERSEN E DISNEY


2020-06-08


DESCONFI(N)AR, O FUTURO DA ARQUITECTURA E DAS CIDADES


2020-04-13


UM PRESENTE AO FUTURO: MACAU – DIÁLOGOS SOBRE ARQUITETURA E SOCIEDADE


2020-03-01


R2/FABRICO SUSPENSO: ITINERÁRIOS DE TRABALHO


2019-12-05


PRÁTICAS PÓS-NOSTÁLGICAS / POST-NOSTALGIC KNOWINGS


2019-08-02


TEMPOS MODERNOS, CERÂMICA INDUSTRIAL PORTUGUESA ENTRE GUERRAS


2019-05-22


ATELIER FALA - ARQUITECTURA NA CASA DA CERCA


2019-01-21


VICARA: A ESTÉTICA DA NATUREZA


2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



UMA CIDADE CONSTRUÍDA PARA O CONSUMO: DA LÓGICA DO MERCADO À DISNEYFICAÇÃO DA CIDADE

DANIEL MOURA BORGES


 

 

 

Imagine o leitor ou a leitora uma cidade sem desigualdades sociais, sem quaisquer tensões ou conflitos a moldar a sua forma. Que forma teria essa cidade? Seria o “paraíso suburbano americano” de casas com quintal e vedação branca? Ou o ideal da cidade cosmopolita sem tensões culturais, um sistema poroso de vivências culturais? Estaria organizada por superquarteirões como Barcelona? Teria habitação social, transportes públicos, grandes parques e restaurantes, bares e cafés à farta? Como é que estaria estruturada e planeada?

É possível que tenha alguma dificuldade em responder a esta pergunta, mesmo quando a resposta parece evidente. Parece óbvio que uma cidade sem desigualdades sociais não precise de habitação social ou não esteja construida sobre a estrutura da periferia, onde habitam as camadas mais pobres que apesar de não viverem na cidade, lá vão trabalhar. Mas quando se põe a questão “Então quem viveria na periferia?” a resposta complica-se.

É que as cidades são como são porque têm um contexto, uma história e limitações geográficas. Mas acima de tudo porque a cidade é por excelência um instrumento de organização da sociedade e dentro dela se reproduzem as relações de forças sociais latentes na sociedade. Nela se materializam as tensões sociais que caraterizam as mais diversas sociedades. Nas ruas, praças, edifícios, lojas, centros comerciais ou espaços de lazer, as escolhas de planeamento urbano moldam a forma como as relações de forças e as desigualdades sociais interagem dentro da cidade. A habitação social é arrastada para as margens da cidade como a pobreza é arrastada para as franjas da sociedade. As infraestruturas servem como fronteiras simbólicas e físicas para a exclusão social e para a divisão racial. [1] 

A grande tensão que atormenta a cidade é a tensão entre o público e o privado. Entre o acesso livre e o acesso restrito. Entre os interesses da vida pública e os interesses da vida privada. É uma tensão mediada nas sociedades capitalistas avançadas pelo fio invisível do mercado livre, que vai tecendo sobre a cidade uma hierarquia fraturante. A quem tem dinheiro cabe a tomada de decisões sobre o espaço público, que se traduz na sua privatização. A quem não tem dinheiro cabe a sobrevivência no espaço moldado por outros. O poder público, mantendo ainda algum controlo sobre o espaço público, segue uma lógica de concessão e privatização para cortar despesas e aumentar lucros. Os espaços abertos ao público por excelência tornam-se progressivamente propriedade privada: centros comerciais, cafés e restaurantes, enquanto que os espaços verdadeiramente públicos são esquecidos e subfinanciados. Até praças e parques começam a ser alvo de disputa para a privatização. [2]

O mercado livre molda a cidade à procura do lucro. A grande motivação do capital é multiplicar-se, transformando nessa ânsia os espaços da cidade. As rendas sobem, os estabelecimentos locais perdem as margens de lucro e são forçados a sair para que entrem as grandes cadeias com políticas de precarização dos trabalhadores e uma capacidade líquida suficiente para fazer render os espaços populares e mais caros da cidade. Os espaços que não dêem lucro são vistos como um desperdício ou uma oportunidade de criar um novo local de consumo, que atraia novos clientes e crie uma nova experiência efervescente para públicos turistas ou com grande capital. 

O direito à habitação é suplantado pelo direito ao consumo. A gentrificação liderada pelo mercado vai expulsando as pessoas do centro das cidades, que já não são lugares para ser vividos, mas antes experienciados. Não importa que lá não viva ninguém se a experiência de consumo for popular e desejada. Quem quer viver na cidade é escorraçado para as zonas periféricas até que estas se tornem elas próprias gentrificadas e então é expulso outra vez. Quem governa vê neste processo um impulsionamento da economia e não um ataque ao direito à habitação, falhando em perceber que a geração de capital não funciona na sua redistribuição mas sim na sua concentração.

A cidade enquanto produto consumível é sujeita à disneyficação. A racionalização do processo de planeamento urbano funciona para criar uma experiência que é tematizada e onde há uma separação entre a produção e o consumo. [3] A cidade torna-se numa disneylândia. Isto é, a cidade é criada como uma experiência a ser consumida, um parque de diversões temático onde todos se podem divertir e esquecer os males do mundo. A cidade disneyficada não pode ser vista como um lugar onde as pessoas trabalham e vivem ou onde há desigualdades, conflitos e tensões. O turismo concretiza essa visão na medida em que produz sujeitos disponíveis a consumir essa experiencia e a ocupar o espaço habitável da cidade.

A ordem social da cidade disneyficada é sempre regulada. A experiência presupõe um grau de segurança e conforto que só pode ser obtido com o controlo total da ordem social nos espaços de consumo. [4] As zonas de economia turística diurna e noturna passam a ser espaços regulados por seguranças e autoridades que garantem a ordem a toda a hora, para que o consumo nunca seja posto em risco. São desencorajadas as atividades contraculturais, as economias informais e os espaços realmente subversivos que contrariem a lógica da cidade neoliberal. A ordem social não só é assegurada nas ruas como é projetada nos espaços privados abertos ao público através da imposição de normas sociais. Como nos devemos comportar, estar ou ser em público é regulado pelos estabelecimentos onde socializamos. 

Na disneylândia urbana não há trabalhadores, só consumidores. É esse o resultado da separação entre produção e consumo. O mercado não encara o indivíduo enquanto membro de uma sociedade alargada e heterogénea mas meramente enquanto consumidor. A sua identidade é composta pelos lugares que frequenta, as lojas onde compra roupa, os sítios onde come, os sítios onde escolhe sair à noite. O importante é que o sujeito que experiencia a cidade neoliberal consuma o máximo que consiga para que a economia continue a crescer. Sem o consumo, a cidade disneyficada não consegue oferecer nada aos seus habitantes nem aos turistas que tanto deseja.

A disneyficação oculta, desloca e aprofunda as tensões sociais. Ao tornar a cidade numa experiência consumível, o mercado oculta a pobreza, a precariedade e o conflito inerentes à modernidade tardia. A tensão não é consumível e por isso é deslocada para as periferias, onde o planeamento urbano neoliberal trata de criar fronteiras e obstáculos para que a exclusão social se manifeste. A uma viagem de comboio de distância está um mundo e uma realidade social completamente diferente e isolada, para que o estimado consumidor não corra o risco de entrar “no bairro errado”. O afastamento dos problemas sociais não os resolve, aliás, aprofunda-os. Aumenta a desigualdade social e promove a guetificação urbana.

A resistência à lógica neoliberal da cidade deve ser feita contra o consumo. Lutar para que hajam bancos de jardim públicos — como aconteceu no Porto — ou para que hajam espaços comunitários baseados na solidariedade — como acontece por todo o país — não é insignificante. A possibilidade de criar espaços associativos, cooperativos e sociais onde valorizemos a comunidade é a possibilidade de inverter o modelo do consumismo. Lutar para que o espaço não seja mediado pelo consumo é essencial para construir um modelo de cidade diferente da cidade disneyficada.

Para criar comunidade precisamos de espaço comum. Ao invés do espaço público, que é o espaço cuja propriedade é pública ou que é privado mas aberto ao público, o espaço comum [5] deve ser um espaço ao qual atribuimos o significado de comunidade, no qual partilhamos experiências e socializamos pela vontade de socializar, de crescer e de construir um espaço do qual façamos parte e para o qual possamos contribuir. Construir novas formas de socializar também passa por repensar o espaço da habitação, o local de trabalho, o transporte público e os espaços de convívio atuais, com alterações que os desliguem do consumo enquanto fim.

As escolhas de planeamento urbano são fundamentais para criar espaço comum. Aprendamos com o projeto SAAL: um mero lance de escadas pode funcionar como espaço de assembleias vibrantes e que celebrem a vida em comunidade. Se o planeamento urbano consegue individualizar e privatizar a cidade, ele consegue também certamente criar laços de convívio baseados na comunidade e não no consumo. Basta que haja um banco para as pessoas se sentarem a conversar, basta que haja um parque público para que possamos usufruir de espaços de convívio comuns sem ter de consumir.

 

 

Notas:

[1] Emily Badger e Darla Cameron, “How railroads, highways and other man-made lines racially divide America’s cities”, in The Washington Post, 2015

[2] Mariana Correia Pinto, “Dos bancos às soleiras das portas: a importância de nos sentarmos nas cidades”, in Público, 2023.

[3] Stacy Warren, “Disneyfication of the metropolis: popular resistance in Seattle”, in Journal of Urban Affairs 1 Vol. 76/NO.217994, p.92.

[4] Alan Bryman, “The disneyzation of society”. in The Sociological Review 1999-feb vol. 47 iss. 1. p. 27.

[5] Stavos Stavrides, Espaço Comum, Lisboa, Orfeu Negro, 2021. 

 

 

:::

 

Daniel Moura Borges Licenciado em Ciências da Comunicação e mestrando em Sociologia pela Universidade Nova de Lisboa. 23 anos. A estudar a precariedade na economia social.