Links

ARQUITETURA E DESIGN




Habitar: um manifesto secreto, ou, ver através da janela fenomenológica © Madalena Folgado


Not my kind of paradise, 2021 (fotograma) © Rafael dos Santos


Not my kind of paradise, 2021 (fotograma) © Rafael dos Santos


Not my kind of paradise, 2021 (fotograma) © Rafael dos Santos


Not my kind of paradise, 2021 (fotograma) © Rafael dos Santos


Not my kind of paradise, 2021 (fotograma) © Rafael dos Santos


Not my kind of paradise, 2021 (fotograma) © Rafael dos Santos


Not my kind of paradise, 2021 (fotograma) © Rafael dos Santos


Not my kind of paradise, 2021 (fotograma) © Rafael dos Santos

Outros artigos:

2022-11-23


JONAS AND THE WHOLE


2022-10-16


CASA PAISAGEM OU UM PRESÉPIO ABERTO


2022-09-08


ENTREVISTA A ANA CATARINA COSTA, FRANCISCO ASCENSÃO, JOÃO PAUPÉRIO E MARIA REBELO


2022-08-11


ENTREVISTA A JOSÉ VELOSO, ARQUITETO DA OPERAÇÃO SAAL DA MEIA-PRAIA


2022-07-11


TERRA, TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA 2022. ENTREVISTA A CRISTINA VERÍSSIMO E DIOGO BURNAY


2022-05-31


OH, AS CASAS, AS CASAS, AS CASAS...


2022-04-23


A VIAGEM ARQUITETÓNICA COMO ENCONTRO: DA (RE)DESCOBERTA À (DES)COBERTA DAS ORIGENS


2022-03-29


PODERÁ O PATRIMÓNIO SER EMANCIPATÓRIO?


2022-02-22


EM VÃO: FECHA-SE UMA PORTA PARA QUE UMA JANELA FENOMENOLÓGICA SE ABRA


2022-01-27


SOBRE A 'ESTÉTICA DO CONHECIMENTO': UMA LEITURA DA PEDAGOGIA DE BAUKUNST


2021-12-29


CALL FOR ARCHITECTS


2021-11-27


DE QUE ME SERVE SER ARQUITECTA?


2021-10-26


'OS CAMINHOS DA ÁGUA'


2021-09-30


A ARQUITETURA PORTUGUESA: O TRAJETO DO SÉCULO XX E DESAFIOS DO SÉCULO XXI


2021-08-22


CERAMISTAS E ILUSTRADORES: UMA RESIDÊNCIA EM VIANA DO ALENTEJO


2021-07-27


COMPREENSÃO DA CIDADE DO PORTO ATÉ AO SÉCULO XX


2021-06-20


O ANTECEDENTE CULTURAL DO PORTO NA TRANSIÇÃO PARA O SÉCULO XXI


2021-05-12


JOÃO NISA E AS 'PRIMEIRAS IMPRESSÕES DE UMA PAISAGEM'


2021-02-16


A ORDEM INVISÍVEL DA ARQUITECTURA


2021-01-10


SURENDER, SURENDER


2020-11-30


AS MULHERES NO PRIVATE PRESS MOVEMENT: ESCRITAS, LETRAS DE METAL E CHEIRO DE TINTA


2020-10-30


DES/CONSTRUÇÃO - OS ESPACIALISTAS EM PRO(EX)CESSO


2020-09-19


'A REALIDADE NÃO É UM DESENCANTO'


2020-08-07


FORA DA CIDADE. ARTE E LUGAR


2020-07-06


METROPOLIS, WORLD CITY & E.P.C.O.T. - AS VISÕES PARA A CIDADE PERFEITA IMAGINADAS POR GILLETTE, ANDERSEN E DISNEY


2020-06-08


DESCONFI(N)AR, O FUTURO DA ARQUITECTURA E DAS CIDADES


2020-04-13


UM PRESENTE AO FUTURO: MACAU – DIÁLOGOS SOBRE ARQUITETURA E SOCIEDADE


2020-03-01


R2/FABRICO SUSPENSO: ITINERÁRIOS DE TRABALHO


2019-12-05


PRÁTICAS PÓS-NOSTÁLGICAS / POST-NOSTALGIC KNOWINGS


2019-08-02


TEMPOS MODERNOS, CERÂMICA INDUSTRIAL PORTUGUESA ENTRE GUERRAS


2019-05-22


ATELIER FALA - ARQUITECTURA NA CASA DA CERCA


2019-01-21


VICARA: A ESTÉTICA DA NATUREZA


2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



HABITAR: UM MANIFESTO SECRETO

MADALENA FOLGADO


 

[1]

 

No hay alivio más grande que comenzar a ser lo que es.

 

Alejandro Jodorowsky

 

 

Num curto espaço de tempo, dois amigos não-arquitetos, e que não se conhecem, compram A arquitectura é um gesto. Variações sobre um motivo wittgensteiniano [2], um texto escrito por Maria Filomena Molder. Como o próprio título indica, em torno do “trabalho” do filósofo Ludwig Wittgenstein, o mesmo que o implicou em tornar-se tarefa de si próprio, labor que descobriu em comum com o do arquiteto, e que fora documentado nas suas Investigações Filosóficas — Em ambos os casos, tanto na filosofia como na arquitetura, segundo Wittgenstein, a atenção deve incidir “Sobre o seu próprio modo de ver. Sobre o modo como vemos as coisas. (E o que esperamos delas).” [3] 

A propósito de tal tarefa, logo no início do texto, a autora refere a advertência por parte do filósofo no sentido de não sucumbir ao perigo da introspecção enquanto fábrica de imagens ilusórias do interior, e segundo palavras do mesmo, um bom arquiteto “não sucumbe a qualquer tentação”. Com o rigor com que nos habituou, Maria Filomena Molder esclarece-nos do sentido da palavra tentação, parte de uma tradição religiosa e ética específicas, assim como salvaguarda a intimidade desenvolvida pelo filósofo com a palavra. “Por consequência, podemos admitir que as tentações serão atracções que impedem ‘um trabalho sobre si próprio’, decisões que não deixam ver claramente as nossas expectativas de vida, que obscurecem os caminhos do nosso percurso compreensivo”. [4]

A autora fala-nos também da “coragem [temperada por cordis, i.e., autentativo de cor, coração em latim] para não se enganar a si próprio”, quando empreendida enquanto possibilidade de cura; i.e., “clarificação, o esforço de limpeza que ele toma como o alvo filosófico por excelência, sob a forma de uma tensão terapêutica”; sem coragem, como se pode ler numa nota de rodapé, “a clarificação […] torna-se um simples jogo de inteligência” [5] Retenho a palavra alvo, e penso em pecado harmartia em grego, que significa falhar o alvo. E, então, o arquiteto torna-se arqueiro com o dom da precisão que precisamos; talvez as suas setas sejam tão velozes que resistam ao desvio gerado pela velocidade das leis abstratas do mercado imobiliário e atinjam a indiferença dos que as aprovam, eleitos por todos nós, ainda que tantas vezes sob efeito de ricochete. Em Lisboa — como em outras grandes cidades — queremos ser atingidos, sem por vezes saber, mas seguramente não pelas trajetórias cegas dos ricochetes das setas perdidas lançadas pela pressão imobiliária. 

A arquitectura é um gesto. Variações sobre um motivo wittgensteiniano, é-me oferecido por um dos dois amigos que referi inicialmente. Ambos vivem em Lisboa, e o texto chega-me num momento de particular exílio. São amigos não-arquitetos, mas arqueiros, pelo que lhes concederia o título de ‘arq.’ antes do nome, à revelia da Ordem dos Arquitetos, que por instauração de processo — e certo que haveria quem se apressasse a fazê-lo — logo os acusaria de usurpação de título. Discorro no plano simbólico, porque o ataque é feito primeiramente ao tecido simbólico da cidade; entretecido por relações vitais, miríades de pequenos gestos encantatórios, que habitam agora nas casas de penhores que tomaram a cidade — porque o turismo e os turistas, vieram, literalmente, para ficar…Quase tudo se entaipou com o véu da superficialidade, que como se sabe, favorece o deslizamento, e por conseguinte, a rapidez das ações obscuras em pleno dia.  

O encontro de Wittgenstein com a arquitetura, enquanto uma prática, dá-se através da concepção e acompanhamento da casa da sua irmã Gretl, em Viena, em parceria com o seu amigo e arquiteto Paul Engelmann, em 1926. [6] É, tantas vezes, através do amador que vemos ser criadas as mais belas leis do coração. Muito naturalmente, não se pensa aqui o trabalho do arquiteto de modo redutor; a do arquitecto que espera o cliente bater-lhe à porta para lhe encomendar uma casa; ou, o arquiteto que só faz desenhos de casas; ou, ainda, o da ‘arquitectura’ de excepção. Como também, em caso algum, se incompatibiliza o amador com o profissional da arquitetura por estatuto legal. Antes, procura-se não perder de vista — e do coração — o silencioso entretecer do tecido simbólico da cidade, pela rememoração do primeiro habitar. Escute-se: re-me-morar

A casa projetada por Wittgenstein é famosa entre arquitetos e artistas contemporâneos. É incontornável nos currícula do ensino da arquitetura nas universidades, porém, não é nela que Maria Filomena Molder se de-mora. O pequeno livro azul-escuro, termina, generosamente, com “A [sua] primeira casa”. Há na formulação discursiva da autora algo que a transcende, e porque profundamente acolhedor, fixa-nos no plano simbólico da nossa primeira casa. Como se as suas palavras escritas — contudo não o que significam — dilatassem o tempo e emitissem o som do crepitar encantatório da lareira da minha primeira casa, a imagem do fogo original; e, nesse retorno do exílio, a “Deflagração do Ser” [7] — Eis o manifesto secreto. Em quem mais se manifesta? E, o que pode ser percebido como manifestação exterior? Recordo um aforismo que me tem vindo a guiar já há alguns anos: “Quanto mais formos, mais se É”. [8] Maria Filomena Molder, por sua vez, escolheu este outro aforismo para epígrafe do seu texto: “Não há nada de essencial no interior que não seja apercebido ao mesmo tempo no exterior”. [9] — Entretanto, apercebo-me da chegada do Rafael, autor do vídeo Not my kind of paradise, ao meu (com)texto. Mas já lá vamos; de-more-mo-nos, de tal modo, que a velocidade da luz que nos atravessa, aparente a nossa total imobilidade. Talvez assim, possamos vencer a pressão do mercado imobiliário.

Já aqui mencionamos a palavra cura. Rafael (dos Santos) é esse arauto da cura — no plano simbólico, Arcanjo do essencial no interior apercebido ao mesmo tempo no exterior. Partilhamos um certo fascínio pelo Alejandro Jodorowsky, que em tempos disse: “só é arte o que cura”. [10] Conheci-o, precisamente, na exposição Syncronicity, que teve lugar na Plataforma Revólver, onde (se) expôs, com curadoria de Pedro Cabral Santo. Uma conversa inacabada em Março de 2022, foi retomada agora em Dezembro do mesmo ano. Generosamente, partilha o vídeo Not my kind of paradise — e as suas inquietações. Preciso das suas imagens para o meu processo de montagem e edição do tempo, peço-lhe autorização para publicar, junto com este texto, alguns stillsÉ, que re-conheci neles essa outra velocidade, percebem-na?

Maria Filomena Molder refere a proximidade de Wittgenstein a Santo Agostinho, que tanto nos elucidou quanto ao tempo. Lembrar-nos-emos, e citando-o de modo livre, as seguintes palavras do Santo e doutor da Igreja: ‘O que é o tempo? Se não mo perguntarem eu sei, assim que quero explicar a quem mo pergunta deixo de saber’. Numa ardósia, como Santo Agostinho, erraticamente, o Rafael responde —Tudo isto ocorre, apenas, na minha montagem e edição do tempo, claro está. Do seu texto, fixo para o presente (com)texto, as palavras exílio, e arma secreta — penso numa arma secreta para habitar, e que não falha o alvo. O anjo escreve de modo não-linear, o que o leva à total rasura; à mancha, i.e., à mácula. Mas é de um Atlas Maculado, para cairmos em Si Mesmo(s), que precisamos:

 

Por um lado, pode-se saber uma coisa e não ser capaz de a dizer, como é o caso, por exemplo, o modo de soar do clarinete […] Wittgenstein aprendeu a tocar clarinete já adulto. Por outro lado, há um tesouro inesgotável em tudo o que sabemos se ninguém nos perguntar (o que Santo Agostinho pôs em evidência pela primeira vez na história do pensamento ocidental, no que respeita ao tempo […]. [11]

 

Do mesmo modo, simultaneamente, abro o livro da Maria Filomena Molder como um atlas e como um oráculo, no sentido de um 'conhece-te a ti mesmo’, a máxima do portal do Oráculo de Delfos. Na capa, uma fotografia de Jorge Molder: Uma escada contida por uma parede, desdobrada por um claro-escuro, capturada de baixo para cima, da maior luz para a total escuridão. O leitor esclarecido, e portanto silencioso subscritor do que aqui se manifesta, há muito que percebeu que esta não é uma recensão crítica do texto. É

O “É” deflagrado pelo Rafael é — para mim — um E com acento agudo celestial. Pela homofonia, é também assento na interceção de planos da cobertura da casa, lugar de Poder. E que melhor lugar, se não o da interceção de planos para o cineasta do Real?

 

Para ele [Wittgenstein] a riqueza está aqui, na proximidade, à nossa mão, diante de nós, não é preciso descer à mina para encontrar gemas desconhecidas. E como captá-la? Através de um olhar atento, incansável, um olhar que se esforça por reconhecer nas coisas o seu gesto próprio, a fim de lhe fazer justiça. Eis o mais difícil: ver o que está diante dos nossos olhos. [12] 

 

As gemas não desconhecidas mas conhecidas, são a atenção multifacetada, que vive exilada nas tais casas de penhores. O trabalho de edição e montagem do tempo, pressupõe esse encontro com o tempo vertical; ontológico. O Rafael transforma, pela montagem de planos, o movimento helicoidal do enrolar de uma bobine, numa escada de tiro (ao alvo) de/para o arq.(tecto) — re-conhece-lhe o gesto. De repente, estou no terraço da minha primeira casa, a olhar para o fumo, que como música, é exalado misteriosamente pela chaminé, junta-se às nuvens e desaparece no vasto céu — refiro-me à chaminé da tal lareira e fogo que crepita palavras que já sei o que são se não me perguntarem. Recordo a escada fixa à parede desse terraço, uma faixa de filme para o derradeiro tecto da minha primeira casa, que apenas subi, não para me instalar, mas para espreitar. Acredito estar com o Rafael, também, num jogo. Os ‘jogos de linguagem’, são, segundo Maria Filomena Molder, caros ao filósofo-arquiteto: 

 

Por consequência a significação de uma palavra é inseparável dos jogos de linguagem, onde ela se inscreve e que ela exprime, quer dizer, o acto da linguagem é sempre uma cena dramática imprevisível. Imprevisível significa que “o jogo de linguagem não é razoável (nem irrazoável). Ele existe — como a nossa vida”. [13]

 

Mas se não é preciso descer à mina, como é que se desce, pelo menos, uma escada? E/ou quem nos ensina a cair? Recordo um pequeno texto do arquiteto Alberto Campo Baeza para crianças intitulado “subir e descer escadas”; e, um outro, de Yvette Centeno a propósito do mais antigo sonho do poeta António Ramos Rosa. 

No primeiro texto, o arquiteto diz-nos que “A arquitetura é como subir e descer escadas”, conta-nos que nunca deixou de subir escadas de dois em dois degraus. Mas adverte-nos para o perigo e baixa probabilidade de algum de nós as descer igualmente de dois em dois degraus. Para ele, pode-se “trabalhando e estudando muito fazer o curso de arquitetura nos 5 anos previstos” — como quem sobe avidamente escadas. Porém, salvaguarda que o tempo de projetar e construir deve ser lento, e deve acarretar muita cautela, como descer escadas, ou ainda, ser administrado à “velocidade, com que o mel derrama pela borda do frasco”, no dobro do tempo da subida. [15] Então e quem sobe as escadas em ralenti? — Ou quem, como no meu caso, precisou de fazer o curso no dobro do tempo, para contemplar outras velocidades e/ou sobre-viver?

Reprimimos a possibilidade de queda, e com ela o seu Milagre. Em Meritocracia, nunca queremos saber do anjo caído, se não para demonizá-lo. Num sonho de adolescência, António Ramos Rosa recorda-se de se querer suicidar, porém — e esta seria a mensagem do sonho — “Não há abismos”. Como tal, não há possibilidade de queda, morte…e renascimento. “É necessário o abismo, para que se atinja através dele o centro”. [16] Habitar implica-nos nessa centralidade, mas rodeados estamos de uma superficialidade rasa, deslizante, veloz…E, assim, se vai adiando a tomada do lugar central, essa forma de protagonismo indesejado. A voz do diabo, repete-se, de modo ressonante, pois o lugar central está vazio: “Não é hoje, é amanhã” — como ouvi Maria Filomena Molder referir em tempos, numa conferência, a propósito de certos adiamentos. A arquitectura é um gesto. Variações sobre um motivo wittgensteiniano abre com o seguinte subtítulo: “Tornar-se aquilo que se é” [17]. Este é o derradeiro alívio fulgurante — releia-se Jorodorowsky em epígrafe. E, o glorioso “É” sem predicação do arcanjo da cura Rafael. 

Maria Filomena Molder, termina o pequeno livro reconstituindo as ruínas da “única casa de Wittgenstein (e que nunca foi sua habitação permanente)”. Mostra-nos imagens — desenhos técnicos e uma fotografia — da sua casa sobre o fiorde de Sjkolden na Noruega —  [18] sobre um abismo, portanto, e nele a desejada profundidade, por-ventura, a olhá-lo de volta, no dizer Nietzsche. Aqui a autora tráz-nos a seguinte imagem-citação de Wittgenstein: “Cheguei ao fundo das minhas convicções. E destas fundações poderíamos quase dizer que elas são sustentadas pela casa inteira”. [19] A filósofa faz-nos reparar na ‘inversão’ ‘poderosa e modesta’ “da imagem das fundações, “uma das imagens mais poderosas da história da filosofia ocidental, que é também, como se percebe, cara ao arquiteto. 

E nós, que Paraíso é esse que teimamos em não desmoronar? 

  

 

>>>

 

Notas:

[1] O título do presente texto surgiu de um equívoco; por-ventura, um ato falho. Ao ler pela primeira vez uma nota de Maria Filomena Molder, onde a autora nos faz saber de uma segunda versão do seu texto A arquitectura é um gesto. Variações sobre um motivo wittgensteiniano publicada com o título Habiter: un secret manifeste; equivocadamente, e no imediato, traduzi por Habitar: um manifesto secreto, ao invés de, Habitar: um segredo manifesto. Uma vez tornado consciente o erro, decidi permitir que o acontecer do texto esclarecesse a origem do equívoco, por me ter dado a ver, e lembrando uma expressão da escritora Agustina Bessa-Luís, uma “cisma do coração”. 

[2] Ludwig Wittgenstein citado por Maria Filomena Molder, in Maria Filomena Molder, A arquitectura é um gesto. Variações sobre um motivo wittgensteiniano, s.l., Sr Teste, 2021, p. 7. 

[3] Idem. 

[4] Op. cit. Maria Filomena Molder, 2021, p. 7, 8. 

[5] Ibid, p. 9. 

[6] Ibid, p. 9,10. 

[7] Expressão encontrada por Maurice Merleau-Ponty, a propósito da profundidade da pintura de Cézanne, in Maurice Merleau-Ponty, O olho e o espírito, Lisboa, Vega, 1997, p. 54. 

[8] Aforismo da Professora Catedrática na Faculdade de Arquitetura de Lisboa, Maria João Madeira Rodrigues, transmitido oralmente por um seu aluno do curso de doutoramento e meu colega de grupo de investigação, João Castela Cravo. 

[9] Hugo von Hofmannsthal citado por Maria Filomena Molder, op. cit. Maria Filomena Molder, 2021, p. 5.

[10] Alejandro Jodorowsky citado por Gonçalo M. Tavares in Gonçalo M. Tavares, Realidade e rinoceronte, in Expresso, 2020, p.14.

[11] Op. cit. Maria Filomena Molder, 2021, p. 34. 

[12] Ibid, p. 27. 

[13] Ibid, p. 14,15. 

[14] Alberto Campo Baeza, “Subir e descer escadas”, in Quero ser arquitecto, Madrid, Ed. Campo Baeza, 2014, acedido a 22 de Dezembro de 2022. 

[15] Ibid.

[16]  Yvette Centeno, “António Ramos Rosa: A maturação do centro” in Yvette Centeno, 5 Aproximações: Peter Weiss, A. Ramos Rosa, Alquimia e Misticismo, Fernando Pessoa, Hermann Hesse, Lisboa, Ática, 1976, p. 41.

[17] Op. cit. Maria Filomena Molder, 2021, p. 7.

[18] Ibid, p. 32, 33.

[19] Ibid, p. 35.

 

:::

 

Madalena Folgado

É mestre em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Artes da Universidade Lusíada de Lisboa e investigadora do Centro de Investigação em Território, Arquitetura e Design; e do Laboratório de Investigação em Design e Artes, entre outras coisas.