Links

ARQUITETURA E DESIGN




Trabalhos de reconstrução do Padrão dos Descobrimentos (fotograma), 1960 © RTP Arquivos


Titian (Tiziano Vecellio), Sisyphus, 1548–1549 © Museo Nacional del Prado


Jacob Bloch, Chronological Skeleton Chart, 1897 © Google Patents


Les Statues Meurent Aussi (Fotograma), 1953 © Alain Resnais, Chris Marker, & Ghislain Cloquet


'Não basta ter o título de Marquês, é preciso conservá-lo', 1995-1996 © nc restauro

Outros artigos:

2022-11-23


JONAS AND THE WHOLE


2022-10-16


CASA PAISAGEM OU UM PRESÉPIO ABERTO


2022-09-08


ENTREVISTA A ANA CATARINA COSTA, FRANCISCO ASCENSÃO, JOÃO PAUPÉRIO E MARIA REBELO


2022-08-11


ENTREVISTA A JOSÉ VELOSO, ARQUITETO DA OPERAÇÃO SAAL DA MEIA-PRAIA


2022-07-11


TERRA, TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA 2022. ENTREVISTA A CRISTINA VERÍSSIMO E DIOGO BURNAY


2022-05-31


OH, AS CASAS, AS CASAS, AS CASAS...


2022-04-23


A VIAGEM ARQUITETÓNICA COMO ENCONTRO: DA (RE)DESCOBERTA À (DES)COBERTA DAS ORIGENS


2022-02-22


EM VÃO: FECHA-SE UMA PORTA PARA QUE UMA JANELA FENOMENOLÓGICA SE ABRA


2022-01-27


SOBRE A 'ESTÉTICA DO CONHECIMENTO': UMA LEITURA DA PEDAGOGIA DE BAUKUNST


2021-12-29


CALL FOR ARCHITECTS


2021-11-27


DE QUE ME SERVE SER ARQUITECTA?


2021-10-26


'OS CAMINHOS DA ÁGUA'


2021-09-30


A ARQUITETURA PORTUGUESA: O TRAJETO DO SÉCULO XX E DESAFIOS DO SÉCULO XXI


2021-08-22


CERAMISTAS E ILUSTRADORES: UMA RESIDÊNCIA EM VIANA DO ALENTEJO


2021-07-27


COMPREENSÃO DA CIDADE DO PORTO ATÉ AO SÉCULO XX


2021-06-20


O ANTECEDENTE CULTURAL DO PORTO NA TRANSIÇÃO PARA O SÉCULO XXI


2021-05-12


JOÃO NISA E AS 'PRIMEIRAS IMPRESSÕES DE UMA PAISAGEM'


2021-02-16


A ORDEM INVISÍVEL DA ARQUITECTURA


2021-01-10


SURENDER, SURENDER


2020-11-30


AS MULHERES NO PRIVATE PRESS MOVEMENT: ESCRITAS, LETRAS DE METAL E CHEIRO DE TINTA


2020-10-30


DES/CONSTRUÇÃO - OS ESPACIALISTAS EM PRO(EX)CESSO


2020-09-19


'A REALIDADE NÃO É UM DESENCANTO'


2020-08-07


FORA DA CIDADE. ARTE E LUGAR


2020-07-06


METROPOLIS, WORLD CITY & E.P.C.O.T. - AS VISÕES PARA A CIDADE PERFEITA IMAGINADAS POR GILLETTE, ANDERSEN E DISNEY


2020-06-08


DESCONFI(N)AR, O FUTURO DA ARQUITECTURA E DAS CIDADES


2020-04-13


UM PRESENTE AO FUTURO: MACAU – DIÁLOGOS SOBRE ARQUITETURA E SOCIEDADE


2020-03-01


R2/FABRICO SUSPENSO: ITINERÁRIOS DE TRABALHO


2019-12-05


PRÁTICAS PÓS-NOSTÁLGICAS / POST-NOSTALGIC KNOWINGS


2019-08-02


TEMPOS MODERNOS, CERÂMICA INDUSTRIAL PORTUGUESA ENTRE GUERRAS


2019-05-22


ATELIER FALA - ARQUITECTURA NA CASA DA CERCA


2019-01-21


VICARA: A ESTÉTICA DA NATUREZA


2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



PODERÁ O PATRIMÓNIO SER EMANCIPATÓRIO?

JOANA VARAJÃO


 

[1]

 

"I woke with this marble head in my hands; it exhausts my elbow and I don't know where to put it down"

George Seferis [2]

 

Prelúdio 

Importa clarificar, perante o potencial leitor, que à questão que se coloca não corresponderá uma resposta inequívoca. Pretendemos, sim, a partir dela, convocar um conjunto de tensões, reflexão crítica onde as pedras, imóveis e aparentemente impenetráveis, possam ser desconstruídas e lidas a partir da sua mineralidade, nem que seja apenas para que, como Sísifo, as vejamos rolar de seguida, para o lugar de origem. “Importa imaginar Sísifo feliz" [3]. 

Convocamos assim, como ponto de partida estruturante, e na senda de Jacques Le Goff, as três visões temporais expressas, em profundidade, por Santo Agostinho: “o presente das coisas passadas, o presente das coisas presentes e o presente das coisas futuras” [4]. Esta aproximação ao passado e ao futuro, enraizada nas circunstâncias do presente, remete-nos para um agora multidimensional, através do qual procuramos questionar, de forma breve e sucinta, as condições que participam na construção do que entendemos por património. Por esta via procuramos revelar “um estado da sociedade e das questões que nela existem” [5], que aqui convocamos na defesa de uma necessária – e desejável – transformação, por via da emancipação.

 

O presente das coisas passadas

 

Ocupado com o terror do Caos e a fabricação da Ordem, afigurara-se ao homem na sua genial tarefa que o ponto de partida já estava vivido. Aprendeu então o homem à sua custa que a nenhuma unidade se pode privá-la do princípio, pois jamais se saberá onde e como começa” [6].

 

Na raiz etimológica da palavra património (do lat. patrimonĭu), se revela a relação entre o radical patr-, evocador de uma ideia de origem e de pertença, comum a palavras como pátria e pai (pater-), e herança (monĭu), enquanto ação, concretizada no ato de receber. Somos assim convocados, enquanto fiéis depositários de um bem que nos liga, de forma telúrica, a um (ante)passado. A condição de fiéis depositários, aparentemente imutável, geradora de uma separação aparentemente intransponível entre o que foi e o que é, assemelha-se, de alguma forma, à relação entre o humano e o sagrado. O gesto profanador que colocamos em causa, emancipatório porque revolucionário, procura restituir ao uso dos homens o que lhes foi interdito. Falamos de um gesto profanador possível, que desvirtue as premissas do património enquanto discurso autorizado [7], legitimado pelo poder historicamente instituído e que ponha em causa o relevo da materialidade na sua manifestação. Falamos de um gesto que nos permita questionar (e contrariar) a relação inviolável [8] entre património e nacionalismo, distorcer os limites da produção de conhecimento científico que o legitimam, e multiplicar os agentes com autoridade para falar (e agir) sobre este. 

Descobrir - e revelar - patrimónios alter-nativos [9], permite-nos imaginar novas conceções de origem e de fim, que possam concretizar o papel ativo - e coletivo -, que o património pode ter, pela via da alteridade, no encontro com o Outro. Importa, nesta medida, concretizar novas origens patrimoniais, por via de uma nova (alter)natividade, e distanciar-mo-nos do ato em si de receber, contrapondo-lhe a construção de novos  espaços-tempo, onde as relações de pertença e memória se constroem, multiplicam e legitimam, entre o global e o local.

 

O presente das coisas presentes

 

“E era preciso voltar ao princípio. Outra vez ao princípio. O eterno retorno” [10]. 

 

Restituir ao uso dos homens o que lhes foi interdito implica considerar o património a partir da sua maleabilidade, negociação ativa, em permanência, da sua origem e do seu propósito. O processo de democratização da relação da sociedade com o seu passado reflete-se na forma como se multiplicaram, no final do século XX, os confrontos implicados na relação entre o passado e o futuro, demonstrando, por essa via, o papel central do património como instrumento de poder, nos processos de diálogo e resistência coletiva. Neste contexto, destaca-se, inegavelmente, a Europa como centro da produção teórica e da razão científica, e, consequentemente, a narrativa histórica ocidental, determinante na definição identitária dos indivíduos, coletivamente conceptualizados através da figura do estado-nação. Mas como escreve Finazzi-Agrò [11], “a memória é um lugar onde chove lá dentro”, reportando a um conjunto de permeabilidades da memória institucionalizada, reveladoras de um conjunto de complexidades e contradições que escolhe não revelar – “histórias que ladeiam ou transparecem” no progressivo declínio das muralhas que a contêm. Nas palavras de Chakrabarty, «[a]s European scholars and Europeanists have struggled to make sense of the changes happening in the continent and in their own spheres of studies, as they have engaged in discussions of European futures after globalization and addressed issues such as “Fortress Europe” versus “multicultural Europe,” new avenues of inquiry have opened up»[12]. Esta reflexão revela-se a várias escalas. À escala global, novas configurações geopolíticas põem em causa a centralidade histórica do ocidente, e exigem novas convergências na criação de estratégias futuras, onde a identidade cultural e simbólica do velho continente se transforma. Como nos diz Appadurai [13], as paisagens de identidade grupal desterritorializaram-se e a homogeneidade associada à construção dos estados-nação, é atualmente convocada para um conjunto de conflitos, marcados por novas permeabilidades, onde o papel da mobilidade – de objetos, pessoas, ideias e modelos – tem um papel central. Significado e identidade, considerados de forma estratégica e através da sua posição relativa [14] são continuamente negociados, participando na construção de um diálogo sobre aquilo que o património - e o coletivo - é, e poderá vir a ser. 

 

 O presente das coisas futuras

 

“Outra vez ao princípio é trabalho dobrado: desfazer Regras e voltar às Leis, sair do desfeito e entrar no que se torna a fazer. A isto mesmo se chama Revolução (do latim Re-volare: tornar a voar)” [15].

 

Os patrimónios alter-nativos que procuramos evocar exigem uma construção que é, simultaneamente, científica e política. Os mecanismos de controlo e dominação, de que Foulcault [16] nos dá conta – afetos ao poder disciplinar e jurídico – e que procuramos ver através da lente do património, encontram-se, atualmente, fragmentados e multiplicados, fora dos seus limites [17]. O domínio científico debate-se com a afirmação, e progressiva legitimação, de outros campos de saber, os quais colocam em causa fundações epistemológicas, e onde se afirmam, por exemplo, os saberes indígenas. Paralelamente, a produção, "de um quadro jurídico, administrativo e financeiro para a cooperação internacional na salvaguarda do património, [cria] poderosos instrumentos para a atribuição de responsabilidades legislativas e orientações políticas na gestão dos recursos culturais nacionais e internacionais” [18] a um nível supra-nacional. Este processo de complexificação crescente influencia os limites e mecanismos de ação sobre o património, e os atores que, legitimamente, participam desse processo. De forma semelhante, assistimos a uma dupla subordinação e simplificação de um passado complexo, pela sua adequação às lógicas classificativas internacionais e para uma inserção nos processos de mercantilização cultural, que se intensificaram no final do século XX. Descolando-se dos monumentos e objetos tidos como patrimonialmente relevantes, para as próprias cidades e paisagens históricas, o património deixa de ser algo que nos é externo, para nos passar a envolver, enquanto seres patrimonializados, classificados.

Poderá o património libertar? Intuímos que uma atuação crítica sobre o património, pela via emancipatória, assentará, necessariamente, na legitimação plural de narrativas alter-nativas, ampliada pela atual condição marginal de grupos, lugares e culturas que a constituam, numa narrativa histórica descentralizada, e verdadeiramente cosmopolita [19]. Nessa medida, e pela eficaz coexistência de visões e estratégias de ação distintas, se alcançará o necessário reconhecimento (e transformação) de um conjunto de situações fronteira (espaciais, administrativas, sociais ou simbólicas) que limitam a participação e agência de grupos minoritários [20] neste processo. Assim, entendemos que  a emancipação por via do património depende em grande medida, da multiplicação dos lugares de origem do discurso, privilegiando uma leitura “de cima para baixo”, mas também “nas suas horizontalidades e lateralizações” [21], a partir da qual novas formas de governança e lugares de mediação se enunciam e afirmam, no presente das coisas futuras.

 

Joana Varajão

Arquiteta. Concluiu o Mestrado em Arquitetura pela Faculdade de Arquitetura da Universidade do Porto em 2013. Frequenta o Mestrado em Estudos Urbanos, parceria entre o Iscte e a NOVA-FCSH, desde 2020.  Em 2019, coordenou o programa Building 101, Projeto Associado à Trienal de Arquitetura de Lisboa – A Poética da Razão. Entre 2017 e 2014, co-organizou os debates Battle of Ideas, em Lisboa e no Porto, em colaboração com o Institute of Ideas (Londres). 

 

:::

 

Notas

[1] Parafraseamos Boaventura de Sousa Santos, que formulou uma pergunta semelhante em relação ao conceito de direito. Em: Boaventura de Sousa Santos, "Poderá o direito ser emancipatório?"Revista Crítica de Ciências Sociais n.º 65, Coimbra, maio 2003, pp. 3-76. A questão que o autor coloca “[p]arte (...) do princípio de que existe um conceito genérico de emancipação social, diferente e à parte daquilo que é a emancipação individual e de projectos emancipatórios particulares de grupos sociais diferentes, ocorridos em contextos históricos diferentes. Além disso, dá por adquirido que existem expectativas sociais que estão acima e para lá das actuais experiências sociais, e que o fosso entre as experiências e as expectativas pode e deve ser vencido” p.8.
[2] Edmund Keeley & Philip Sherrard, “Mythistorema”, in George Seferis: Collected Poems, (Rev.), Princeton University Press, 1995, pp. 1–28.
[3] Albert Camus, O Mito de Sífiso, Lisboa, Arcádia, 1982, p. 141. 
[4] Santo Agostinho [Confessions, XI, 20-26] citado por Jacques Le Goff , História e Memória, Campinas, SP Editora da UNICAMP, 1990, p.548.
[5] Françoise Choay, Alegoria do Património, Lisboa, Edições 70, 2014, p. 11.
[6] José de Almada Negreiros, Ver, Lisboa, Arcádia, p. 231. 
[7] Laurajane Smith, The Uses of Heritage, Londres, Routledge, 2006.
[8] Tim Winter, “Heritage and Nationalism: An Unbreachable Couple?”, in Emma Waterton & Steve Watson (ed.), The Palgrave Handbook of Contemporary Heritage Research, Londres, Palgrave Macmillan, pp. 331-345.
[9] Madalena Folgado, "Call for architects", in ARTECAPITAL, Jan. 2022.
[10] José de Almada Negreiros, op. cit., p. 231.
[11] Ettore Finazzi-Agrò, “Sylvae. Os (des)caminhos da memória e os lugares da invenção na Idade Média” in Pedro Cardim (coord.), A História: Entre Memória e Invenção, Lisboa, Publicações Europa-América, 1998, p.142.
[12] Dipesh Chakrabarty, Provincializing Europe – Postcolonial Thought and Historical Difference, Princeton University Press, 2008.
[13] Arjun Appadurai, Modernity At Large: Cultural Dimensions of Globalization, University of Minnesota Press, 1996.
[14] Stuart Hall, “Who needs identity?” in Paul du Gay, Jessica Evans & Peter Redman (eds.), Identity: a reader, Londres, Sage Publications, 2000, p. 17.
[15] José de Almada Negreiros, op. cit., p. 231.
[16] Michel Foucault, “Power/knowledge”, in Steven Seidman & Jefferey C. Alexander (eds.), The new social theory reader: contemporary debates, Nova Iorque, Routledge, 2001, pp. 69-76.
[17] Boaventura de Sousa Santos, op. cit., 2003.
[18] Manuela Reis, "Cidadania e património: Notas de uma pesquisa sociológica", Sociologia – Problemas e Práticas n.º 29, 1999, p. 85.
[19] Boaventura de Sousa Santos, op. cit., 2003.
[20] Arjun Appadurai, Fear of Small Numbers: An Essay on the Geography of Anger, Duke University Press, 2006.
[21] Carlos Fortuna, “Introduçãoin Magda Pinheiro, Luís V. Baptista & Maria João Vaz, Cidades e Metrópoles: Centralidades e Marginalidades, Oeiras, Celta Editora, 2001, p. 134.