Links

ARQUITETURA E DESIGN




Capa (digitalização) do caderno de introdução da U.C. de Projecto V (2014-2015), Université Catholique de Louvain (LOCI-Tournai), arquivo Pessoal, ©Baukunst


Planta da Brick Country House, Mies van der Rohe, 1923-24


Posto fronteiriço entre 3 países, trabalho académico 1º ano, Université Catholique de Louvain (LOCI-LLN), gentilmente cedido por Baukunst


Posto fronteiriço entre 3 países (implantação), trabalho académico 1º ano, Université Catholique de Louvain (LOCI-LLN), ©Baukunst


Spread (digitalização) do caderno de introdução do atelier de Projecto V (2017-2018), Université Catholique de Louvain (LOCI-Tournai), arquivo Pessoal, ©Baukunst


Spread (digitalização) do caderno de introdução do atelier de Projecto V (2017-2018), Université Catholique de Louvain (LOCI-Tournai), arquivo Pessoal, ©Baukunst


Spread (digitalização) do caderno de introdução da U.C. de Projecto V (2017-2018), Université Catholique de Louvain (LOCI-Tournai), arquivo Pessoal, ©Baukunst


Apresentação do trabalho desenvolvido por uma estudante no atelier de Projecto V (2018-2019), Université Catholique de Louvain (LOCI-Tournai), foto: João Paupério


Apresentação do atelier de Teoria e Crítica do Projecto (2021-2022), École Polythecnique Fédérale de Lausanne, ©Baukunst


Trabalho desenvolvido por estudantes no atelier de Teoria e Crítica do Projecto (2021-2022), École Polythecnique Fédérale de Lausanne


Apresentação do atelier de Teoria e Crítica do Projecto (2021-2022), École Polythecnique Fédérale de Lausanne, ©Baukunst

Outros artigos:

2022-11-23


JONAS AND THE WHOLE


2022-10-16


CASA PAISAGEM OU UM PRESÉPIO ABERTO


2022-09-08


ENTREVISTA A ANA CATARINA COSTA, FRANCISCO ASCENSÃO, JOÃO PAUPÉRIO E MARIA REBELO


2022-08-11


ENTREVISTA A JOSÉ VELOSO, ARQUITETO DA OPERAÇÃO SAAL DA MEIA-PRAIA


2022-07-11


TERRA, TRIENAL DE ARQUITETURA DE LISBOA 2022. ENTREVISTA A CRISTINA VERÍSSIMO E DIOGO BURNAY


2022-05-31


OH, AS CASAS, AS CASAS, AS CASAS...


2022-04-23


A VIAGEM ARQUITETÓNICA COMO ENCONTRO: DA (RE)DESCOBERTA À (DES)COBERTA DAS ORIGENS


2022-03-29


PODERÁ O PATRIMÓNIO SER EMANCIPATÓRIO?


2022-02-22


EM VÃO: FECHA-SE UMA PORTA PARA QUE UMA JANELA FENOMENOLÓGICA SE ABRA


2021-12-29


CALL FOR ARCHITECTS


2021-11-27


DE QUE ME SERVE SER ARQUITECTA?


2021-10-26


'OS CAMINHOS DA ÁGUA'


2021-09-30


A ARQUITETURA PORTUGUESA: O TRAJETO DO SÉCULO XX E DESAFIOS DO SÉCULO XXI


2021-08-22


CERAMISTAS E ILUSTRADORES: UMA RESIDÊNCIA EM VIANA DO ALENTEJO


2021-07-27


COMPREENSÃO DA CIDADE DO PORTO ATÉ AO SÉCULO XX


2021-06-20


O ANTECEDENTE CULTURAL DO PORTO NA TRANSIÇÃO PARA O SÉCULO XXI


2021-05-12


JOÃO NISA E AS 'PRIMEIRAS IMPRESSÕES DE UMA PAISAGEM'


2021-02-16


A ORDEM INVISÍVEL DA ARQUITECTURA


2021-01-10


SURENDER, SURENDER


2020-11-30


AS MULHERES NO PRIVATE PRESS MOVEMENT: ESCRITAS, LETRAS DE METAL E CHEIRO DE TINTA


2020-10-30


DES/CONSTRUÇÃO - OS ESPACIALISTAS EM PRO(EX)CESSO


2020-09-19


'A REALIDADE NÃO É UM DESENCANTO'


2020-08-07


FORA DA CIDADE. ARTE E LUGAR


2020-07-06


METROPOLIS, WORLD CITY & E.P.C.O.T. - AS VISÕES PARA A CIDADE PERFEITA IMAGINADAS POR GILLETTE, ANDERSEN E DISNEY


2020-06-08


DESCONFI(N)AR, O FUTURO DA ARQUITECTURA E DAS CIDADES


2020-04-13


UM PRESENTE AO FUTURO: MACAU – DIÁLOGOS SOBRE ARQUITETURA E SOCIEDADE


2020-03-01


R2/FABRICO SUSPENSO: ITINERÁRIOS DE TRABALHO


2019-12-05


PRÁTICAS PÓS-NOSTÁLGICAS / POST-NOSTALGIC KNOWINGS


2019-08-02


TEMPOS MODERNOS, CERÂMICA INDUSTRIAL PORTUGUESA ENTRE GUERRAS


2019-05-22


ATELIER FALA - ARQUITECTURA NA CASA DA CERCA


2019-01-21


VICARA: A ESTÉTICA DA NATUREZA


2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



SOBRE A 'ESTÉTICA DO CONHECIMENTO': UMA LEITURA DA PEDAGOGIA DE BAUKUNST

JOÃO PAUPÉRIO E MARIA REBELO


 

 

 

A nossa ligação ao atelier Baukunst, em Bruxelas, pode ser rastreada até uma época em que tanto nós como o escritório éramos muito jovens. Como estudantes que deixavam o Porto e se mudavam para um semestre de intercâmbio (Outono/Inverno 2013) na Université Catholique de Louvain, fomos obrigados a escolher um estúdio de projecto entre professores de que nunca antes tínhamos ouvido falar. Após alguma investigação, a prática de Adrien Verschuere destacou-se dentre as outras. Isto deveu-se não tanto ao fardo simbólico do seu nome, mas sobretudo à natureza misteriosa do seu sítio na internet.

Este era composto por três páginas, na sua maioria em branco. A página inicial apresentava apenas o nome do escritório, um endereço e um GIF acelerado com plantas de edifícios a preto e branco, que mais tarde viríamos a aprender ser uma selecção de (aproximadamente) um edifício por ano, desde os últimos mil. A partir daí, era possível aceder a uma página com o CV de Verschuere e uma lista de colaboradores (actuais e anteriores); ou então uma outra página contendo um slideshow com imagens crípticas de locais de construção. Imagens cuja particularidade era a de transmitirem menos os próprios edifícios – que estavam praticamente ausentes das imagens – do que o que estava para além destes. Para tal, concentrando-se no tecido urbano circundante, na vegetação que perfurava os edifícios ou no trabalho em curso dos próprios trabalhadores.

Hoje, com a devida distância, compreendemos que (para além de informação útil e objectiva) este layout fornecia a quem visitava o site um duplo enunciado, resumindo tanto a posição do arquitecto sobre a produção do escritório como a sua posição relativamente à disciplina da arquitectura. Por um lado, declarando que os detritos acumulados pela história são uma matéria-prima privilegiada para o pensamento arquitectónico. Por outro lado, de forma latente, demonstrando que a arquitectura é um processo de produção surgido de e em relação com o mundo material, que simultaneamente o supera e inclui.

Relativamente à produção do escritório, não era exposto um único desenho. Esta ausência de desenhos, contudo, não significava que desempenhassem um papel secundário nas práticas profissional e pedagógica da Verschuere – tanto com estudantes do primeiro ano, como com estudantes na eminência de receber o seu diploma. Um conjunto de práticas que, mais tarde, enquanto arquitectos a trabalhar no seu escritório tivemos a oportunidade de compreender de ambas as perspectivas [1]. 

Na faculdade, no início de cada ano, cada aluno do seu atelier recebia um caderno com uma compilação de “documentos”. Nomeadamente, uma série de textos e uma vasta gama de plantas e cortes variáveis no seu tipo, desde cartografia territorial a plantas de edifícios históricos, passando por secções técnicas de diversos dispositivos infraestruturais. Estes desenhos eram previamente editados no escritório, a fim de se tornarem o mais abstractos possível, ou seja, desprovidos de qualquer conotação de época, lugar, autoria, função, escala ou estilo. Desse modo, transformavam-se em composições autónomas, reduzidas a linhas negras (mais grossas ou mais finas, contínuas ou intermitentes) capazes de evocar paredes, colunas, vigas, rampas e escadas (mesmo que não fosse o caso pelo qual tinham sido desenhadas), assim como um espaço em branco – dentro e fora dessas linhas – à espera de ser preenchido.

Apresentados como ready-mades, estes desenhos decretavam o tom para o semestre, uma vez que dos estudantes se esperava que fossem tomados como ponto de partida literal para o seu estudo e para os seus projectos. Quando os estudantes escolhiam uma planta, eram convidados a imaginar o corte correspondente. Se escolhessem um corte, era-lhes sugerido que o desenvolvessem no sentido inverso. Este exercício funcionou particularmente bem com estudantes do primeiro ano que estavam ainda a aprender a desenhar, tendo em conta a pouca cultura arquitectónica que tinham e, portanto, pelo facto de não estarem ainda iludidos por qualquer forma de ideologia disciplinar. Por fim, à medida que o exercício se desenrolava, os estudantes eram obrigados a imaginar de que forma estes desenhos poderiam tornar-se arquitectura, isto é, para que fins poderiam ser utilizados e em que lugar poderiam ser colocados. 

Através deste processo, a aprendizagem do espaço tornava-se um pretexto para debates mais amplos. Um método que ecoa o método de ensino de Joseph Jacotot, desenvolvido no século XIX com o propósito de permitir aos estudantes aprenderem uma nova língua, por si próprios. "Sabem, em cada obra humana há arte; numa máquina a vapor assim como num vestido; numa obra de literatura, assim como num sapato. Portanto, pedia ele aos seus estudantes, vão redigir uma composição sobre a arte em geral, ligando as vossas palavras, as vossas expressões, os vossos pensamentos, a esta ou aquela passagem dos autores por nós indicados, para que tudo sejam capazes de justificar ou de verificar”[2]. 

Sabemos com autoridade que a relação entre os métodos de Jacotot e aqueles praticados nos estúdios Verschuere não era deliberada, ou sequer consciente, embora uma feliz coincidência resultasse do facto de o método do primeiro ter sido também desenvolvido numa Universidade de Leuven. No entanto, a palavra de ordem do primeiro tudo está em tudo, princípio fundamental de um método que pressupunha a capacidade de cada um aprender sobre qualquer matéria, por si próprio, é claramente partilhado por ambos. No mesmo espírito, os assuntos ensinados e aprendidos (nem sempre por esta ordem) nos estúdios de Verschuere não se reduzem à natureza dos edifícios, ou por outras palavras, aos seus aspectos técnicos e estéticos. Pelo contrário, no processo de aprendizagem de uma gramática própria à arquitectura, os edifícios são também debatidos face às suas implicações socioeconómicas, culturais, políticas e ecológicas, com o objectivo de as integrar como matéria do projecto: desde a energia que consomem, até à distribuição dos corpos que tendem a inscrever no espaço. 

Deste ponto de vista, a arquitectura é considerada como uma prática de pensamento dialógico e dialético, para a qual qualquer distinção entre história, teoria, e projecto – bem como entre disciplinas – é considerada artificial e, principalmente, contraproducente. Portanto, em vez de fornecer aos estudantes um sítio e um programa, encorajando-os a confiar no domínio da criatividade para encontrar “soluções” para um “problema”, os estudantes são convidados a reconstruir a natureza do próprio problema. De acordo com o caderno de introdução da unidade curricular, a arquitectura é considerada como “política do espaço”. Isto significa que a arquitectura deve ser “o resultado de escolhas críticas e racionais”, impulsionada por “um ponto de vista ‘pessoal’ que supera definitivamente a vontade do indivíduo, a fim de tornar-se partilhável” [3].

Fornecer aos estudantes desenhos de edifícios já existentes visa precisamente essa superação. Tomá-los como ponto de partida, permite-lhes estudar tanto as condições objectivas como subjectivas registadas nesses documentos, sem que se concentrem demasiado na sua própria subjectividade. Estes desenhos tornam-se “objectos” partilhados entre o/a professor/a e o/a estudante, providenciando a ambos linhas de orientação e impedindo-os, assim, de se “perderem” em relativismos amaneirados ou em abstrações idealistas e desligadas da realidade material. Em vez disso, este processo incita-os a aprender como tirar partido dos elementos já existentes, com o objectivo de produzir novas condições e despoletar novos acontecimentos capazes de transformar a realidade. Nos estúdios de Baukunst, a formulação de perguntas adequadas é privilegiada em relação à formulação de respostas “correctas”. A autoria é deliberadamente subestimada, enquanto que a interpretação é considerada o instrumento privilegiado para a transformação.

Esta abordagem táctica ao ensino visa não só os estudantes, como também os seus professores, obrigando-os a substituir sistematicamente o ensino pela aprendizagem. Dito de outra forma, leva-os a envolver o estúdio numa pedagogia radical onde os professores não ensinam, transferindo os seus conhecimentos através daquela a que Paulo Freire chamava “educação bancária”, mas antes onde preferem orientar os estudantes para aprenderem por si próprios e, eventualmente, ensiná-los de volta. Afinal, não será por acaso que, em língua francesa, ensinar e aprender partilham um único verbo: “apprendre”.

Finalmente, reflectir sobre o ensino e sobre a aprendizagem da arquitectura conduz-nos, inevitavelmente, à questão da arquitectura como disciplina. No entanto, como Jacques Rancière explica no ensaio cujo título tomamos parcialmente de empréstimo, “é sempre muito mais do que um conjunto de procedimentos que permitem pensar sobre um determinado território de objectos. É, antes de mais, a própria constituição desse território e, por conseguinte, o estabelecimento de uma certa distribuição do pensável. Isto implica cortar através do tecido comum de manifestações do pensamento e da linguagem.” [4] Isto significa que a disciplina da arquitectura funciona, antes de mais, como o estabelecimento de uma fronteira que circunscreve o domínio do pensamento arquitectónico. Por outras palavras, predeterminando as modalidades de como os arquitectos devem pensar as matérias que eles (e só eles) devem, supostamente, abordar. Por outras palavras, determinando o que que os arquitectos devem saber e o que se espera que os arquitectos ignorem.

No entanto, ao contrário do que a produção inicial do escritório (bem como o seu próprio nome) possam sugerir, os modelos que Baukunst utiliza no seu trabalho e que Verschuere apresenta aos seus estudantes não estão estritamente enraizados na história da disciplina arquitectónica. Pelo contrário, estes podem muito bem pertencer às histórias da ciência e da tecnologia, como o notório interesse por outras disciplinas – tais como a botânica, a geografia ou a climatologia – patente no mais recente trabalho desenvolvido pelos estudantes do estúdio animado por Verschuere na École Polytechnique de Lausanne (EPFL) parece atestar. Nos vídeos por eles produzidos, a arquitectura continua a ser sobretudo o pretexto para descrever os fluxos metabólicos da natureza e do trabalho. Nos seus desenhos, a arquitectura continua a tender para o seu próprio desaparecimento, em nome da energia e de outras substâncias frágeis, para aproveitar uma expressão de Olivia de Oliveira.

De um ponto de vista pedagógico, isto representa uma tentativa para encetar aquilo a que Rancière chama uma prática “in-disciplinar” ou “in-disciplinada”: um movimento fundamental para colocar em crise os limites da disciplina arquitectónica, para desmantelar as narrativas que ainda mantêm os seus mitos e para procurar caminhar no sentido de uma dissolução dos seus próprios limites. Como demonstra, aliás, o título escolhido por Baukunst para o semestre que acaba de terminar na EPFL: “Non-Palladian Architecture”.

Um esforço cada vez mais urgente para pensar “através das disciplinas”, para abordar a “estética do conhecimento” para lá de esquematismos e em toda a sua complexidade, e para sermos finalmente capazes de pensar e agir sobre “a emergente ruptura metabólica no sistema terrestre" cujas dramáticas consequências estamos já a experienciar.

 

João Paupério (1992) e Maria Rebelo (1991) formaram-se em arquitectura pela Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. Ambos trabalharam no atelier de arquitectura BAUKUNST, Bruxelas, entre 2014 e 2018. No ano lectivo 2017-2018, o João foi também assistente convidado de Adrien Verschuere na unidade curricular de projecto V, da Université Catholique de Louvain (LOCI Tournai). Escrevem e projectam em conjunto desde 2014, tendo fundado em 2018 o atelier local em Valongo. Desde 2020, João é também investigador integrado no Centro de Estudos de Arquitectura e Urbanismo da FAUP, onde desenvolve a tese de doutoramento “Da Periferia: de Paris à do mundo. Cidade e paisagem, subalternidade e subversão”. 

 

:::

 

Notas

[1] Depois da nossa passagem como estudantes pela UCL (LOCI Tournai), ambos nos tornámos arquitectos a trabalhar em Baukunst, entre 2014 e 2018. Em 2017-2018, o João ampliou esta relação tornando-se assistente convidado na unidade curricular de Projecto V, animada por Adrien Verschuere na mesma Universidade.
[2] Joseph Jacotot apud Rancière, J.(2013]. Le maître ignorant. Cinq leçons sur l'émancipation intelectuelle. 10/18. P. 74. 
[3] Vershuere, A. (2017). Idéalités. Université Catholique de Louvain. P. 7. 
[4] Rancière, J. (2008). Penser entre les disciplines. Une esthétique de la connaissance, Inasthetik, 0, 81-102. Consultado no dia 16 de  Novembro de 2021, in https://www.diaphanes.net/titel/penser-entre-les-disciplines-1226. Versão portuguesa disponível in https://www.revistapunkto.com/2021/11/pensar-entre-as-disciplinas-uma.html