Links

ARQUITETURA E DESIGN




OHL21 Cova do Vapor | Imagem: Renata Macedo de Sousa


OHL21 Cova do Vapor | Imagem: Renata Macedo de Sousa


OHL21 Cova do Vapor | Imagem: Renata Macedo de Sousa


OHL21 Casa Azul | Imagem: Hugo David


OHL21 Parque Eduardo VII | Imagem: Hugo David

Outros artigos:

2021-11-27


DE QUE ME SERVE SER ARQUITECTA?


2021-09-30


A ARQUITETURA PORTUGUESA: O TRAJETO DO SÉCULO XX E DESAFIOS DO SÉCULO XXI


2021-08-22


CERAMISTAS E ILUSTRADORES: UMA RESIDÊNCIA EM VIANA DO ALENTEJO


2021-07-27


COMPREENSÃO DA CIDADE DO PORTO ATÉ AO SÉCULO XX


2021-06-20


O ANTECEDENTE CULTURAL DO PORTO NA TRANSIÇÃO PARA O SÉCULO XXI


2021-05-12


JOÃO NISA E AS 'PRIMEIRAS IMPRESSÕES DE UMA PAISAGEM'


2021-02-16


A ORDEM INVISÍVEL DA ARQUITECTURA


2021-01-10


SURENDER, SURENDER


2020-11-30


AS MULHERES NO PRIVATE PRESS MOVEMENT: ESCRITAS, LETRAS DE METAL E CHEIRO DE TINTA


2020-10-30


DES/CONSTRUÇÃO - OS ESPACIALISTAS EM PRO(EX)CESSO


2020-09-19


'A REALIDADE NÃO É UM DESENCANTO'


2020-08-07


FORA DA CIDADE. ARTE E LUGAR


2020-07-06


METROPOLIS, WORLD CITY & E.P.C.O.T. - AS VISÕES PARA A CIDADE PERFEITA IMAGINADAS POR GILLETTE, ANDERSEN E DISNEY


2020-06-08


DESCONFI(N)AR, O FUTURO DA ARQUITECTURA E DAS CIDADES


2020-04-13


UM PRESENTE AO FUTURO: MACAU – DIÁLOGOS SOBRE ARQUITETURA E SOCIEDADE


2020-03-01


R2/FABRICO SUSPENSO: ITINERÁRIOS DE TRABALHO


2019-12-05


PRÁTICAS PÓS-NOSTÁLGICAS / POST-NOSTALGIC KNOWINGS


2019-08-02


TEMPOS MODERNOS, CERÂMICA INDUSTRIAL PORTUGUESA ENTRE GUERRAS


2019-05-22


ATELIER FALA - ARQUITECTURA NA CASA DA CERCA


2019-01-21


VICARA: A ESTÉTICA DA NATUREZA


2018-11-06


PARTE II - FOZ VELHA E FOZ NOVA: PATRIMÓNIO CLASSIFICADO (OU NEM POR ISSO)


2018-09-28


PARTE I - PORTO ELEITO TRÊS VEZES O MELHOR DESTINO EUROPEU: PATRIMÓNIO AMEAÇADO PARA UNS, RENOVADO PARA OUTROS. PARA INGLÊS (NÃO) VER


2018-08-07


PAULO PARRA – “UMA TRAJECTÓRIA DE VIDA” NA GALERIA ROCA LISBON


2018-07-12


DEPOIS, A HISTÓRIA: GO HASEGAWA, KERSTEN GEERS, DAVID VAN SEVEREN


2018-05-29


NU LIMITE


2018-04-18


POLAROID


2018-03-18


VICO MAGISTRETTI NO DIA DO DESIGN ITALIANO


2018-02-10


GALERIA DE ARQUITETURA


2017-12-18


RHYTHM OF DISTANCES: PROPOSITIONS FOR THE REPETITION


2017-11-15


SHAPINGSHAPE NA BIENAL DA MAIA


2017-10-14


O TEATRO CARLOS ALBERTO DIALOGA COM A CIDADE: PELA MÃO DE NUNO LACERDA LOPES


2017-09-10


“VINTE E TRÊS”. AUSÊNCIAS E APARIÇÕES NUMA MOSTRA DE JOALHARIA IBEROAMERICANA PELA PIN ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE JOALHARIA CONTEMPORÂNEA


2017-08-01


23 – JOALHARIA CONTEMPORÂNEA NA IBERO-AMÉRICA


2017-06-30


PASSAGENS DE SERRALVES PELO TERMINAL DE CRUZEIROS DO PORTO DE LEIXÕES


2017-05-30


EVERYTHING IN THE GARDEN IS ROSY: AS PERIFERIAS EM IMAGENS


2017-04-18


“ÁRVORE” (2002), UMA OBRA COM A AUTORIA EM SUSPENSO


2017-03-17


ÁLVARO SIZA : VISÕES DA ALHAMBRA


2017-02-14


“NÃO TOCAR”: O NOVO MUSEU DO DESIGN EM LONDRES


2017-01-17


MAXXI ROMA


2016-12-10


NOTAS SOBRE ESPAÇO E MOVIMENTO


2016-11-15


X BIAU EM SÃO PAULO: JOÃO LUÍS CARRILHO DA GRAÇA À CONVERSA COM PAULO MENDES DA ROCHA E EDUARDO SOUTO DE MOURA


2016-10-11


CENAS PARA UM NOVO PATRIMÓNIO


2016-08-31


DREAM OUT LOUD E O DESIGN SOCIAL NO STEDELIJK MUSEUM


2016-06-24


MATÉRIA-PRIMA. UM OLHAR SOBRE O ARQUIVO DE ÁLVARO SIZA


2016-05-28


NA PEGADA DE LE CORBUSIER


2016-04-29


O EFEITO BREUER – PARTE 2


2016-03-24


O EFEITO BREUER - PARTE 1


2016-02-16


GEORGE BEYLERIAN CELEBRA O DESIGN ITALIANO COM LANÇAMENTO DE “DESIGN MEMORABILIA”


2016-01-08


RESOLUÇÕES DE ANO NOVO PARA A ARQUITETURA E DESIGN EM 2016


2015-11-30


BITTE LEBN. POR FAVOR, VIVE.


2015-10-30


A FORMA IDEAL


2015-09-14


DOS FANTASMAS DE SERRALVES AO CLIENTE COMO ARQUITECTO


2015-08-01


“EXTRA ORDINARY” - JOVENS DESIGNERS EXPLORAM MATERIAIS, PRODUTOS E PROCESSOS


2015-06-25


PODE A TIPOGRAFIA AJUDAR-NOS A CRIAR EMPATIA COM OS OUTROS?


2015-05-20


BIJOY JAIN, STUDIO MUMBAI


2015-04-14


O FIM DA ARQUITECTURA


2015-03-12


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE II/II)


2015-02-11


TESOURO, MISTÉRIO OU MITO? A ESCOLA DO PORTO EM TRÊS EXPOSIÇÕES (PARTE I/II)


2015-01-11


ESPECTADOR


2014-12-09


ARQUITECTAS: ENSAIO PARA UM MANUAL REVOLUCIONÁRIO


2014-11-10


A MARCA QUE TEM O MEU NOME


2014-10-04


NEWS FROM VENICE


2014-09-08


A INCONSCIÊNCIA DE ZENO. MÁQUINAS DE SUBJECTIVIDADE NO SUPERSTUDIO*


2014-07-30


ENTREVISTA A JOSÉ ANTÓNIO PINTO


2014-06-17


ÍNDICES, LISTAGENS E DIAGRAMAS: the world is all there is the case


2014-05-15


FILME COMO ARQUITECTURA, ARQUITECTURA COMO AUTOBIOGRAFIA


2014-04-14


O MUNDO NA MÃO


2014-03-13


A CASA DA PORTA DO MAR


2014-02-13


O VERNACULAR CONTEMPORÂNEO


2014-01-07


PÓS-TRIENAL 2013 [RELAÇÕES INSTÁVEIS ENTRE EVENTOS, ARQUITECTURAS E CIDADES]


2013-11-12


UMA SUBTIL INTERFERÊNCIA: A MONTAGEM DA EXPOSIÇÃO “FERNANDO TÁVORA: MODERNIDADE PERMANENTE” EM GUIMARÃES OU UMA EXPOSIÇÃO TEMPORÁRIA NUMA ESCOLA EM PLENO FUNCIONAMENTO


2013-09-24


DESIGN E DELITO


2013-08-12


“NADA MUDAR PARA QUE TUDO SEJA DIFERENTE”: CONVERSA COM BEYOND ENTROPY


2013-08-11


“CHANGING NOTHING SO THAT EVERYTHING IS DIFFERENT”: CONVERSATION WITH BEYOND ENTROPY


2013-07-04


CORTA MATO. Design industrial do ponto de vista do utilizador


2013-05-20


VÍTOR FIGUEIREDO: A MISÉRIA DO SUPÉRFLUO


2013-04-02


O DESIGNER SOCIAL


2013-03-11


DRESS SEXY AT MY FUNERAL: PARA QUE SERVE A BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA?


2013-02-08


O CONSUMIDOR EMANCIPADO


2013-01-08


SOBRE-QUALIFICAÇÃO E REBUSCO


2012-10-29


“REGIONALISM REDIVIVUS”: UM OUTRO OLHAR SOBRE UM TEMA PERSISTENTE


2012-10-08


LEVINA VALENTIM E JOAQUIM PAULO NOGUEIRA


2012-10-07


HOMENAGEM A ROBIN FIOR (1935-2012)


2012-09-08


A PROMESSA DA ARQUITECTURA. CONSIDERAÇÕES SOBRE A GERAÇÃO POR VIR


2012-07-01


ENTREVISTA | ANDRÉ TAVARES


2012-06-10


O DESIGN DA HISTÓRIA DO DESIGN


2012-05-07


O SER URBANO: UMA EXPOSIÇÃO COMO OBRA ABERTA. NO CAMINHO DOS CAMINHOS DE NUNO PORTAS


2012-04-05


UM OBJECTO DE RONAN E ERWAN BOUROULLEC


2012-03-05


DEZ ANOS DE NUDEZ


2012-02-13


ENCONTROS DE DESIGN DE LISBOA ::: DESIGN, CRISE E DEPOIS


2012-01-06


ARCHIZINES – QUAL O TAMANHO DA PEQUENÊS?


2011-12-02


STUDIO ASTOLFI


2011-11-01


TRAMA E EMOÇÃO – TRÊS DISCURSOS


2011-09-07


COMO COMPOR A CONTEMPLAÇÃO? – UMA HISTÓRIA SOBRE O PAVILHÃO TEMPORÁRIO DA SERPENTINE GALLERY E O PROCESSO CRIATIVO DE PETER ZUMTHOR


2011-07-18


EDUARDO SOUTO DE MOURA – PRITZKER 2011. UMA SISTEMATIZAÇÃO A PROPÓSITO DA VISITA DE JUHANI PALLASMAA


2011-06-03


JAHARA STUDIO


2011-05-05


FALEMOS DE 1 MILHÃO DE CASAS. NOTAS SOBRE O CONCURSO E EXPOSIÇÃO “A HOUSE IN LUANDA: PATIO AND PAVILLION”


2011-04-04


A PROPÓSITO DA CONFERÊNCIA “ARQUITECTURA [IN] ]OUT[ POLÍTICA”: UMA LEITURA DISCIPLINAR SOBRE A MEDIAÇÃO E A ESPECIFICIDADE


2011-03-09


HUGO MADUREIRA: O ARTISTA-JOALHEIRO


2011-02-07


O QUE MUDOU, O QUE NÃO MUDOU E O QUE PRECISA MUDAR


2011-01-11


nada


2010-12-02


PEQUENO ELOGIO DO ARCAICO


2010-11-02


CABRACEGA


2010-10-01


12ª BIENAL DE ARQUITECTURA DE VENEZA — “PEOPLE MEET IN ARCHITECTURE”


2010-08-02


ENTREVISTA | FILIPA GUERREIRO E TIAGO CORREIA


2010-07-09


ATYPYK PRODUCTS ARE NOT MADE IN CHINA


2010-06-03


OS PRÓXIMOS 20 ANOS. NOTAS SOBRE OS “DISCURSOS (RE)VISITADOS”


2010-05-07


OBJECTOS SEM MEDO


2010-04-01


O POTENCIAL TRANSFORMADOR DO EFÉMERO: A PROPÓSITO DO PAVILHÃO SERPENTINE EM LONDRES


2010-03-04


PEDRO + RITA = PEDRITA


2010-02-03


PARA UMA ARQUITECTURA SWISSPORT


2009-12-12


SOU FUJIMOTO


2009-11-10


THE HOME PROJECT


2009-10-01


ESTRATÉGIA PARA HABITAÇÃO EVOLUTIVA – ÍNDIA


2009-09-01


NA MANGA DE LIDIJA KOLOVRAT


2009-07-24


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR (Parte II)


2009-06-16


DA HESITAÇÃO DE HANS, OU SOBRE O MEDO DE EXISTIR


2009-05-19


O QUE É QUE SE SEGUE?


2009-04-17


À MESA COM SAM BARON


2009-03-24


HISTÓRIAS DE UMA MALA


2009-02-18


NOTAS SOBRE PROJECTOS, ESPAÇOS, VIVÊNCIAS


2009-01-26


OUTONO ESCALDANTE OU LAPSO CRÍTICO? 90 DIAS DE DEBATE DE IDEIAS NA ARQUITECTURA PORTUENSE


2009-01-16


APRENDER COM A PASTELARIA SEMI-INDUSTRIAL PORTUGUESA OU PORQUE É QUE SÓ HÁ UMA RECEITA NO LIVRO FABRICO PRÓPRIO


2008-11-20


ÁLVARO SIZA E O BRASIL


2008-10-21


A FORMA BONITA – PETER ZUMTHOR EM LISBOA


2008-09-18


“DELIRIOUS NEW YORK” EXPLICADO ÀS CRIANÇAS


2008-08-15


A ROOM WITH A VIEW


2008-07-16


DEBATER CRIATIVAMENTE A CIDADE: A EXPERIÊNCIA PORTO REDUX


2008-06-17


FOTOGRAFIA DE ARQUITECTURA, DEFEITO E FEITIO


2008-05-14


A PROPÓSITO DA DEMOLIÇÃO DO ROBIN HOOD GARDENS


2008-04-08


INTERFACES URBANOS: O CASO DE MACAU


2008-03-01


AS CORES DA COR


2008-02-02


Notas sobre a produção arquitectónica portuguesa e sua cartografia na Architectural Association


2008-01-03


TARZANS OF THE MEDIA JUNGLE


2007-12-04


MÚSICA INTERIOR


2007-11-04


O CIRURGIÃO INGLÊS


2007-10-02


NÓS E OS CARROS


2007-09-01


Considerações sobre Tempo e Limite na produção e recepção da Arquitectura


2007-08-01


A SUBLIMAÇÃO DA CONTEMPORANEIDADE


2007-07-01


UMA MITOLOGIA DE CARNE E OSSO


2007-06-01


O LUGAR COMO ARMADILHA


2007-05-02


ESPAÇOS DE FILMAR


2007-04-02


ARTES DO ESPAÇO: ARQUITECTURA/CENOGRAFIA


2007-03-01


TERRAIN VAGUE – Notas de Investigação para uma Identidade


2007-02-02


ERRARE HUMANUM EST…


2007-01-02


QUANDO A CIDADE É TELA PARA ARTE CONTEMPORÂNEA


2006-12-02


ARQUITECTURA: ESPAÇO E RITUAL


2006-11-02


IN SUSTENTÁVEL ( I )


2006-10-01


VISÕES DO FUTURO - AS NOVAS CIDADES ASIÁTICAS


2006-09-03


NOTAS SOLTAS SOBRE ARQUITECTURA E TECNOLOGIA


2006-07-30


O BANAL E A ARQUITECTURA


2006-07-01


NOVAS MORFOLOGIAS NO PORTO INDUSTRIAL DE LISBOA


2006-06-02


SOBRE O ESPAÇO DE REPRESENTAÇÃO MODERNO


2006-04-27


MODOS DE “VER” O ESPAÇO - A PROPÓSITO DE MONTAGENS FOTOGRÁFICAS



'OS CAMINHOS DA ÁGUA'

MADALENA FOLGADO E CATARINA RAPOSO (COLETIVO DE ARQUITETOS PAISAGISTAS BALDIOS)


 

 

 

Ao dar-me conta do tema da edição da Open House Lisboa 2021 (OHL), no âmbito da Trienal de Arquitetura de Lisboa, que é, sob proposta do coletivo de arquitetos paisagistas Baldios, Os Caminhos da Água, ocorreu-me de imediato estar diante de um caso em que o advento da Pandemia, ao suspender a programação em 2020, permitiu o seu reposicionamento mais preciso na linha do tempo; o mesmo que dizer, em tempo cronológico. Refiro-me à oportunidade de um encontro mais significativo com a vida; i.e., em que o curso coletivo de vida – a par do curriculum vitae do coletivo Baldios –, no cruzamento com a hipótese de um tempo kairológico, possa dar a ver a água enquanto (per)curso de vida: Caminho coletivamente partilhado, a partir do qual se (re)conhecem diferentes temporalidades interagindo em consonância; da travessia fluvial à geológica. Nesta última, como propõem, a água é o decisivo elemento operativo, o agente que desenha o(s) caminho(s).

 

Por Madalena Folgado

 

 

>>>

 

 

MF: Penso a originária aceção de jardim enquanto espaço seguro, todavia fechado, após os dois longos períodos de confinamento, e por conseguinte, teletrabalho e afastamento social. Muitos de nós indagámos o sentido e os limites do que poderiam ser os tão recomendados passeios higiénicos. Depois da vossa experiência na OHL, e do que percecionaram em geral, estaremos em 2021 mais disponíveis para experienciar a paisagem de modo a permitir que os nossos caminhos sejam melhor informados pelos sentidos, enquanto possibilidade de transpor limites físicos e de ampliar o imaginário coletivo, em particular o sentido háptico, mitigado devido à necessidade de afastamento social?

CR: Sim. Quisemos devolver uma leitura de ambas as cidades – Lisboa e Almada – que este ano foram pela primeira vez mostradas em conjunto, a partir da sua condição matricial, interpretando-as como formas de Paisagem. Assim o nosso olhar deslocou-se para o rio como espaço comum destas cidades, que esteve na génese de ambas e que encerra um potencial transformador que sistematicamente é revisitado.

A experiência do OHL revelou uma adesão surpreendente aos percursos que pressupunham revelar as cidades através de antigas linhas de água que progressivamente desapareceram da superficie para dar origem aos percursos que quotidianamente fazemos. Percebemos que muito do publico que aderiu a este evento revelou um grande entusiasmo ao perceber as lógicas que estiveram na origem da cidade e que mostram uma ligação estreita com o Rio e os seus afluentes.  Mais do que a experiência a partir dos sentidos, que obviamente é um valor em si mesmo, a questão do conhecimento mais profundo das razões que levam a que uma cidade evolua num sentido, e que foi transmitido pelos vários especialistas convidados, é o que torna este evento mais enriquecedor. Neste registo, o passeio sonoro da Joana Braga tem uma componente sensorial muito forte, mas leva-nos a entender muito bem as problemáticas deste território, o vale de Chelas.

 

MF: No vosso website encontrei por sinónimo de baldio, de acordo com a designação urbanística, expectante. Por familiaridade entre palavras, ocorre-me uma outra palavra, expectador; e, pela homofonia, espectador. A propósito de Paisagem-evento, Jean-Marc Besse fala-nos da possibilidade de abertura a partir do presente; do presente como limiar do futuro pela presença, e por inerência, a convocação dos sentidos. Diz-nos que toda [a] paisagem apresenta uma espécie de velocidade própria, que corresponde à forma do encontro entre o que chega e a sensibilidade que para ali se transporta.

 

Creio que o atravessamento do Tejo, nas suas diferentes velocidades e/ou temporalidades, até à Margem Sul, em particular à cidade de Almada – a grande novidade da edição da OH deste ano – é muito feliz. Diria mesmo abarcante, na medida em que faz coincidir expectadores, espectadores e o inesperado deste momento coletivo. As Margens apenas se podem (re)conhecer pelo que as une: O Tejo, enquanto lugar de espetáculo e espectativas, nas suas partidas e chegadas. Poderiam comentar estas ‘ocorrências’, do ponto de vista do vosso saber enquanto arquitetos paisagistas, no tocante ao reconhecimento da unidade geográfica/paisagística do Estuário do Tejo? 

CR: Interessou-nos desmontar a ideia do Tejo como barreira, promovendo uma leitura do Rio enquanto espaço que une as duas cidades, fazendo parte do seu metabolismo quotidiano de atravessamento e cuja história se confunde com a biografia de ambas as cidades. Ao mesmo tempo, a singularidade do estuário do Tejo, enquanto protagonista da História global, remete para a ideia da água enquanto elemento universal. Neste sentido o convite que fizemos à Matilde Meireles e à Christabel Stirling resultou numa peça que exprime essas ideias muito bem.Também o exercicio cartográfico que fizemos em unir o mais possivel as duas margens resultou num mapa que baralha as nossa conceções da real distância fisica e psicológica que o rio opera. Quando escolhemos os espaços encontrámos sempre lugares 'gémeos' num lado e no outro do Rio. Tanto Almada como Lisboa contam muito bem as histórias da evolução das cidades em volta do estuário do Tejo, desde os padrões de povoamento da Idade do Ferro, às problemáticas da cidade contemporânea. 

 

MF: Ainda nas palavras: Resiliência. Um dos lugares mapeados na Margem Sul do Tejo, no âmbito da OH, foi a Cova do Vapor, que devido aos sucessivos avanços do mar, soube ao longo de décadas se reconstruir e reinventar. O que é que vos ocorre dizer sobre as lições de resiliência deste lugar, que assinala o derradeiro encontro do Tejo com o mar?

CR: A Cova do Vapor interessou-nos pela forma como resiste a vários tipos de intempéries, não só ao avanço do mar, mas também à 'normalização'  do espaço público e da arquitectura. Não é apenas o lado pitoresco do conjunto, é a ideia mais elementar do que é uma habitação e arquitectura digna, e como uma comunidade de individuos com os seus próprios sonhos e ambições, se agrega e consegue gerar espaço público e uma identidade. No entanto, as alterações que se avizinham põem claramente em risco este equillibrio, e há que pensar e agir atempadamente, não só na Cova do Vapor mas em toda a frente estuarina.

 

MF: Uma vez finda a edição da OHL de 2021, que balanço fazem da iniciativa, do ponto de vista da ampliação de uma consciência ecológica; que novos ou clarificados nexos enquanto possibilidades de ação emergiram do e/ou no seu acontecer?

CR: O convite para comissariar a OHL surgiu no âmbito da chancela atribuida a Lisboa enquanto Capital Verde da Europa 2020. Coincidiu ainda com a morte do Arquitecto Paisagista Gonçalo Ribeiro Telles, que foi um pioneiro no seu exercicio de cidadania e na tomada de consciência das questões da ecologia, no exercicio de fazer e pensar a cidade. Trazer ao espaço público de discussão a questão da Água, enquanto recurso vital e mostrar a arquitetura como reação a um sistema natural, pode contribuir também para deixar uma reflexão sobre o futuro. Neste futuro que é próximo teremos que ser capazes de imaginar sistemas que respondam aos desafios que se colocam como a subida do nível médio das águas do mar, ou as consequências de fenómenos metereológicos extremos, como as cheias ou a escassez da água.

 

MF: A água, como no dizer popular, encontra – mesmo – sempre o seu caminho? 

CR: Sim, independemente de haver ou não uma cidade, e é isso que nos deveremos lembrar.

 

 

 

:::


Madalena Folgado
É mestre em arquitetura pela Faculdade de Arquitetura e Artes da Universidade Lusíada de Lisboa e investigadora do Centro de Investigação em Território, Arquitetura e Design; e do Laboratório de Investigação em Design e Artes.